As­sé­dio vir­tu­al ele­va o ris­co de sui­cí­dio

Te­ma se­ja me­lhor de­ba­ti­do e que uma co­ber­tu­ra res­pon­sá­vel da mí­dia po­de apla­car o te­mi­do efei­to con­tá­gio; ca­so da Ba­leia Azul aju­dou a que­brar o si­lên­cio

Novo Jornal - - Primeira Página - He­le­na Mar­tins Agência Bra­sil

Em tem­pos de “ba­leia azul”, jogo vir­tu­al que po­de ma­chu­car en­vol­vi­dos, es­pe­ci­lis­tas fa­zem aler­ta so­bre os ris­co que a in­ter­net es­con­de.

Ape­sar de ser um gra­ve pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca, com ten­dên­cia de cres­ci­men­to nos pró­xi­mos anos, pois acom­pa­nha a ex­pan­são de do­en­ças co­mo a de­pres­são, o sui­cí­dio ain­da é um ta­bu no Bra­sil. Di­fi­cul­da­de de ob­ter da­dos, pre­con­cei­to e me­do de es­ti­mu­lar a prá­ti­ca ao fa­lar so­bre ela são fa­to­res que di­fi­cul­tam a dis­cus­são e o de­sen­vol­vi­men­to de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, se­gun­do es­tu­dos e es­pe­ci­a­lis­tas.

Nes­te ano, o si­lên­cio que ron­da o te­ma foi que­bra­do com a divulgação do Ba­leia Azul, o jogo vir­tu­al que en­vol­ve­ria o es­tí­mu­lo às mu­ti­la­ções cor­po­rais de jo­vens e até ao sui­cí­dio. O ga­me vi­rou te­ma de no­ve­la e mes­mo de ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral, que pren­deu acu­sa­dos de ali­ci­ar cri­an­ças e ado­les­cen­tes por meio do Ba­leia Azul.

O fa­to trou­xe à to­na uma re­a­li­da­de co­mum: a ocor­rên­cia do as­sé­dio vir­tu­al, tam­bém cha­ma­do de cy­ber­bullying. O de­ba­te so­bre o de­li­ca­do te­ma é es­ti­mu­la­do es­te mês, no âm­bi­to do Se­tem­bro Ama­re­lo, pa­ra sen­si­bi­li­zar a so­ci­e­da­de pa­ra a pre­ven­ção ao sui­cí­dio.

Além do jogo, ca­sos co­mo o do jo­vem ame­ri­ca­no Ty­ler Cle­men­ti, de 18 anos, que se sui­ci­dou após ter fotos ín­ti­mas di­vul­ga­das pe­lo co­le­ga de dor­mi­tó­rio, e da bri­tâ­ni­ca Han­nah Smith, de 14 anos, que se ma­tou após re­ce­ber ofen­sas na re­de, têm cha­ma­do a aten­ção de pes­qui­sa­do­res e ins­ti­tui­ções pú­bli­cas.

Se­gun­do o in­te­gran­te do Gru­po de Es­tu­do e Pes­qui­sa em Sui­cí­dio e Pre­ven­ção (GEPeSP), Pablo Nu­nes, não há es­tu­dos con­fiá­veis que com­pro­vem a li­ga­ção di­re­ta en­tre cres­ci­men­to do nú­me­ro de sui­cí­di­os e ata­ques nas re­des so­ci­ais. No en­tan­to, in­dí­ci­os des­sa re­la­ção pe­dem aten­ção ao am­bi­en­te on­li­ne.

“O fa­to é que a po­pu­la­ri­za­ção da in­ter­net tem pro­pi­ci­a­do a cir­cu­la­ção de in­for­ma­ções so­bre mé­to­dos de se sui­ci­dar e a pro­li­fe­ra­ção de gru­pos de pes­so­as em so­fri­men­to. Nes­ses gru­pos, os par­ti­ci­pan­tes dis­cu­tem mei­os, lu­ga­res e ‘en­co­ra­jam’ uns aos ou­tros. No ca­so da au­to­mu­ti­la­ção, são cen­te­nas as pá­gi­nas e gru­pos de­di­ca­dos. Em mui­tas es­co­las o fenô­me­no já vi­rou pro­ble­ma sé­rio”, ex­pli­ca Pablo Nu­nes.

Além dis­so, o pes­qui­sa­dor des­ta­ca que o ano­ni­ma­to faz das mí­di­as so­ci­ais um am­bi­en­te fa­vo­rá­vel pa­ra ata­ques. Se­gun­do o Sa­fer­net, or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal (ONG) que re­ce­be de­nún­ci­as so­bre cri­mes que ocor­rem na in­ter­net, em 2016, 39,4 mil pá­gi­nas da in­ter­net fo­ram de­nun­ci­a­das por vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos, que in­clu­em con­teú­dos ra­cis­tas, de in­ci­ta­ção à vi­o­lên­cia, que con­tém por­no­gra­fia in­fan­til, etc.

A ONG, que tam­bém ofe­re­ce apoio às ví­ti­mas de cri­mes que ocor­rem na in­ter­net, re­gis­trou no ano pas­sa­do 312 pe­di­dos de ori­en­ta­ção e au­xí­lio re­la­ci­o­na­dos à in­ti­mi­da­ção ou dis­cri­mi­na­ção na re­de. A mes­ma quan­ti­da­de de so­li­ci­ta­ções de apoio às ví­ti­mas do va­za­men­to de fotos e ví­de­os ín­ti­mos, prá­ti­ca co­nhe­ci­da co­mo sex­ting, foi re­gis­tra­da.

Foi a pri­mei­ra vez que o cy­ber­bullying ocu­pou o pri­mei­ro lu­gar no ran­king dos mo­ti­vos que le­va­ram a pe­di­dos de aju­da. Já 128 ca­sos re­la­ta­ram so­fri­men­to de­vi­do a con­teú­dos de ódio e vi­o­lên­cia.

ATA­QUES VIR­TU­AIS

A con­sul­to­ra em po­lí­ti­cas LGBT (lés­bi­cas, gays, bis­se­xu­ais, tra­ves­tis e tran­se­xu­ais) e Di­rei­tos Hu­ma­nos Evelyn Sil­va, de 43 anos, foi di­ag­nos­ti­ca­da com de­pres­são se­ve­ra há mais de dez anos. Des­de ju­lho, a si­tu­a­ção pi­o­rou de­pois que so­freu uma sé­rie de ata­ques na re­de.

Co­lu­nis­ta de um si­te fe­mi­nis­ta, ela es­cre­veu um tex­to so­bre pro­ble­mas re­cor­ren­tes em re­la­ções en­tre lés­bi­cas e bis­se­xu­ais. A re­per­cus­são do tex­to veio jun­to a di­ver­sas men­sa­gens vi­o­len­tas. “O te­ma é po­lê­mi­co, mas foi mui­to mais do que is­so. Eu re­ce­bi men­sa­gens de vi­o­lên­cia mui­to com­pli­ca­das, de pes­so­as que eu não co­nhe­ço, a mai­or par­te da men­sa­gem ti­nha cu­nho les­bo­fó­bi­co. Che­ga­ram a ame­a­çar a re­vis­ta por­que ela es­ta­ria dan­do gua­ri­da pa­ra uma ‘bi­fó­bi­ca’”, re­la­ta a mi­li­tan­te de di­rei­tos LGBT, que já ha­via so­fri­do ame­a­ças de mor­te e “es­tu­pro cor­re­ti­vo” nas re­des vin­das dos cha­ma­dos ha­ters, pes­so­as que pos­tam co­men­tá­ri­os de ódio na in­ter­net.

“É ódio pu­ro. As pes­so­as não têm a me­nor ideia de qu­em vo­cê é, mas elas es­tão ali co­lo­can­do pa­ra fo­ra uma opi­nião que elas nun­ca ex­pres­sa­ri­am pes­so­al­men­te”. Mui­tas men­sa­gens evi­den­ci­a­vam que as pes­so­as não ha­vi­am li­do o tex­to, pois fa­zi­am re­fe­rên­cia a te­mas não abor­da­dos ne­le. Evelyn tam­bém foi al­vo de uma sé­rie de pe­di­dos de blo­queio no Fa­ce­bo­ok, que aca­bou sus­pen­den­do sua con­ta por 24 ho­ras e, de­pois, por 72 ho­ras. Ape­sar de ter bus­ca­do ex­pli­car a si­tu­a­ção à em­pre­sa, não ob­te­ve ne­nhu­ma res­pos­ta. De­pois dos ata­ques, Evelyn de­ci­diu se afas­tar das re­des so­ci­ais, o que não im­pe­diu, en­tre­tan­to, que ela en­fren­tas­se cri­ses de trans­tor­no de an­si­e­da­de e pâ­ni­co, o que di­fi­cul­ta­ram ati­vi­da­des bá­si­cas co­mo tra­ba­lhar e sair de ca­sa. “Ba­ti no fun­do do po­ço”, afir­ma.

Evelyn re­ve­la que ou­tros pro­ble­mas aju­da­ram a re­for­çar o qua­dro de do­en­ças e que ela che­gou a pen­sar em co­me­ter sui­cí­dio. Pa­ra evi­tá-lo, ela pas­sa por um tra­ta­men­to com mo­ni­to­ra­men­to, uma téc­ni­ca que en­vol­ve a pre­sen­ça cons­tan­te e aco­lhe­do­ra de uma re­de de ami­gos e pa­ren­tes.

A con­sul­to­ra acre­di­ta que fa­lar e ex­por a si­tu­a­ção é im­por­tan­te pa­ra que­brar o ta­bu so­bre o te­ma. A opi­nião é com­par­ti­lha­da por Pablo Nu­nes. “Pre­fe­rir man­ter o sui­cí­dio no des­co­nhe­ci­men­to au­xi­lia na manutenção do ta­bu, sen­do mais di­fí­cil tra­çar ações de pre­ven­ção e sen­si­bi­li­za­ção”.

O pes­qui­sa­dor ex­pli­ca que uma co­ber­tu­ra res­pon­sá­vel da mí­dia, em vez de pro­du­zir o te­mi­do efei­to de con­tá­gio, é con­si­de­ra­da im­por­tan­te pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS), que ofe­re­ce ma­nu­ais e trei­na­men­to pa­ra jor­na­lis­tas so­bre co­mo re­por­tar ca­sos. Ao fa­lar so­bre sui­cí­dio, é pre­ci­so que tam­bém se­jam apon­ta­dos me­ca­nis­mos de pre­ven­ção.

No am­bi­en­te da re­de, is­so co­me­ça com a ado­ção de me­ca­nis­mos de pro­te­ção, co­mo uso de apli­ca­ti­vos se­gu­ros pa­ra com­par­ti­lha­men­to de fotos ín­ti­mas pa­ra pes­so­as co­nhe­ci­das; cui­da­dos com se­nhas; de­nún­ci­as de agres­so­res; bus­ca de de­le­ga­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das, quan­do ne­ces­sá­rio, e, prin­ci­pal­men­te, in­for­ma­ção. “Um ado­les­cen­te que sa­be co­mo funciona de­ter­mi­na­do apli­ca­ti­vo, que en­ten­de as ques­tões re­la­ci­o­na­das ao ano­ni­ma­to e en­xer­gue os po­ten­ci­ais pre­juí­zos de um va­za­men­to de in­for­ma­ções pes­so­ais pos­sa ter, se­rá um in­di­ví­duo que cer­ta­men­te pre­ve­ni­rá que si­tu­a­ções co­mo es­sas acon­te­çam”, de­fen­de o pes­qui­sa­dor.

REPRODUÇÃO

// ONG que ofe­re­ce apoio às ví­ti­mas de cri­mes que ocor­rem na in­ter­net re­gis­trou no ano pas­sa­do 312 pe­di­dos de ori­en­ta­ção e au­xí­lio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.