Leia a íntegra da no­ta do Pla­nal­to:

Novo Jornal - - Poder -

“O Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to exis­te pa­ra pre­ser­var a in­te­gri­da­de do ci­da­dão, pa­ra coi­bir a bar­bá­rie da pu­ni­ção sem pro­vas e pa­ra evi­tar toda for­ma de in­jus­ti­ça. Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o Bra­sil vem as­sis­tin­do exa­ta­men­te o con­trá­rio. Ga­ran­ti­as in­di­vi­du­ais es­tão sen­do vi­o­len­ta­das, diu­tur­na­men­te, sem que ha­ja a mí­ni­ma re­a­ção. Che­ga-se ao pon­to de se ten­tar con­de­nar pes­so­as sem se­quer ou­vi­las. Por­tan­to, sem se con­cluir in­ves­ti­ga­ção, sem se apu­rar a ver­da­de, sem ve­ri­fi­car a exis­tên­cia de pro­vas re­ais. E, quan­do há tes­te­mu­nhos, ig­no­ra-se toda a co­e­rên­cia de fa­tos e das his­tó­ri­as nar­ra­das por cri­mi­no­sos re­ni­ten­tes e per­sis­ten­tes. Fa­cí­no­ras rou­bam do país a ver­da­de. Ban­di­dos cons­tro­em ver­sões “por ou­vir di­zer” a lhes as­se­gu­rar a im­pu­ni­da­de ou al­can­çar um per­dão, mes­mo que par­ci­al, por seus inú­me­ros cri­mes. Re­pu­ta­ções são des­tro­ça­das em con­ver­sas em­be­bi­das em ações clan­des­ti­nas. Mu­da-se o pas­sa­do sob a for­ça de fal­sos tes­te­mu­nhos. Va­za­men­tos apre­sen­tam con­clu­sões que trans­for­mam em cri­mes ações que fo­ram res­pal­das em lei: o sis­te­ma de con­tri­bui­ção em­pre­sa­ri­al a cam­pa­nhas po­lí­ti­cas era per­fei­ta­men­te le­gal, fis­ca­li­za­do e sob ins­tru­men­tos de con­tro­le da Jus­ti­ça Elei­to­ral. Des­vi­os de­vem ser con­de­na­dos, mas não se po­dem cri­mi­na­li­zar aque­las ações cor­re­tas pro­te­gi­das pe­las ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.