Con­tra vi­o­lên­cia, ve­re­a­do­ra pro­põe fe­char ru­as de Na­tal

Po­pu­la­ção po­de­rá fe­char ru­as e con­tra­tar se­gu­ran­ça pri­va­da pa­ra vi­gi­ar o pe­rí­me­tro das su­as re­si­dên­ci­as. Ba­ti­za­do de “Bair­ro Se­gu­ro”, pro­je­to de Ni­na Sou­za (PEN) já pas­sou na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Justiça

Novo Jornal - - Primeira Página - Fe­li­pe Gal­di­no Do NO­VO

Opro­je­to de lei 158/2017, de au­to­ria da ve­re­a­do­ra Ni­na Sou­za (PEN), per­mi­te que mo­ra­do­res da ca­pi­tal fe­chem ru­as e con­tra­tem se­gu­ran­ça pri­va­da pa­ra vi­gi­ar o pe­rí­me­tro fe­cha­do. Pro­to­co­la­do na se­ma­na pas­sa­da, o Pro­gra­ma "Bair­ro Se­gu­ro" foi apro­va­do ter­ça-fei­ra (12) na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Justiça da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal. Ago­ra, se­gun­do a pró­pria par­la­men­tar, o tex­to de­ve pas­sar pe­la re­vi­são dos ve­re­a­do­res da Co­mis­são de Fi­nan­ças e Pla­ne­ja­men­to na se­gun­da-fei­ra (18). Se apro­va­do, se­gue pa­ra o ple­ná­rio, on­de se­rá de­ci­di­do se o pro­je­to vai pa­ra a san­ção do pre­fei­to Car­los Edu­ar­do Al­ves.

Em 30 dias, pre­vê Ni­na Sou­za, o tex­to de­ve­rá ser vo­ta­do em ple­ná­rio. Na prá­ti­ca, a pro­pos­ta da ve­re­a­do­ra do PEN – ca­so vi­re lei – per­mi­ti­rá que mo­ra­do­res de uma de­ter­mi­na­da rua fe­chem a via em um ho­rá­rio es­pe­cí­fi­co e res­trin­jam o trân­si­to de veí­cu­los. Na área fe­cha­da, em vez de de­pen­der da Po­lí­cia Mi­li­tar, a ma­té­ria au­to­ri­za a con­tra­ta­ção de um ser­vi­ço pró­prio de se­gu­ran­ça.

Se­gun­do Ni­na Sou­za, a pro­pos­ta é cons­ti­tu­ci­o­nal, ape­sar de ela mes­ma ad­mi­tir que pa­re­ce fe­rir o di­rei­to de ir e vir do ci­da­dão, pre­vis­to na Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. A ve­re­a­do­ra afir­ma que se­rão da­das al­ter­na­ti­vas pa­ra evi­tar a vi­o­la­ção des­se prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal. “[O pro­je­to] Não in­ter­fe­re no di­rei­to de ir e vir de nin­guém. O pe­des­tre não é atin­gi­do, ele não se­rá proi­bi­do de tran­si­tar nas ru­as, e as ru­as só se­rão fe­cha­das ao trá­fe­go se ti­ve­rem al­ter­na­ti­vas viá­veis em ru­as pró­xi­mas”, ex­pli­cou.

A Pre­fei­tu­ra se­rá a res­pon­sá­vel por fis­ca­li­zar a exe­cu­ção das zo­nas de se­gu­ran­ça. Na prá­ti­ca, é o Mu­ni­cí­pio que vai ex­pe­dir al­va­rá com o ob­je­ti­vo de au­to­ri­zar a ins­ta­la­ção de equi­pa­men­tos de si­na­li­za­ção e blo­quei­os em vi­as públicas no Mu­ni­cí­pio, nos bair­ros con­si­de­ra­dos de zo­ne­a­men­to re­si­den­ci­al, des­de que não uti­li­za­dos pe­lo sis­te­ma viá­rio prin­ci­pal e pe­la re­de es­tru­tu­ral de trans­por­te co­le­ti­vo. A ideia é que ape­nas vi­as com pou­co flu­xo se­jam be­ne­fi­ci­a­das.

Pa­ra so­li­ci­tar a au­to­ri­za­ção à pre­fei­tu­ra, o bair­ro de­ve­rá ter re­pre­sen­tan­tes de um con­se­lho co­mu­ni­tá­rio. Ao me­nos 70% dos mo­ra­do­res da área zo­ne­a­da de­ve­rão au­to­ri­zar o pro­ce­di­men­to, pre­vê o pro­je­to de lei. A res­pon­sá­vel pe­la au­to­ri­za­ção ou não é a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Mo­bi­li­da­de Ur­ba­na (STTU), já que as bar­rei­ras não po­dem in­ter­fe­rir em vi­as de trá­fe­go cen­tral ou atra­pa­lhar o trans­por­te pú­bli­co.

Ca­be­rá aos mu­ní­ci­pes cus­te­ar os equi­pa­men­tos e ser­vi­ços de se­gu­ran­ça. “Os cus­tos dos equi­pa­men­tos, da ins­ta­la­ção e ma­nu­ten­ção dos equi­pa­men­tos se­rão cus­te­a­dos pelos mu­ní­ci­pes re­que­ren­tes, ca­ben­do a Ad­mi­nis­tra­ção tão so­men­te a fis­ca­li­za­ção”, diz o tex­to do pro­je­to.

A ve­re­a­do­ra Ni­na Sou­za diz que, ape­sar de a ideia do pro­je­to ter par­ti­do de ci­da­dãos na­ta­len­ses que a pro­cu­ra­ram apre­sen­tan­do a pro­pos­ta que es­tá no pa­pel, até ir a ple­ná­rio de­vem ser re­a­li­za­das au­di­ên­ci­as públicas pa­ra apre­sen­tar a ques­tão à po­pu­la­ção. A par­la­men­tar dis­se que es­sa é uma al­ter­na­ti­va à atu­al si­tu­a­ção de in­se­gu­ran­ça ins­ta­la­da em Na­tal.

“A se­gu­ran­ça pú­bli­ca é uma das gran­des de­man­das ho­je. Es­ta­mos sen­do co­bra­dos di­a­ri­a­men­te pa­ra dar uma so­lu­ção à in­se­gu­ran­ça, e mui­tos ci­da­dãos che­ga­ram pa­ra a gen­te com es­sa pos­si­bi­li­da­de”, des­ta­cou Ni­na Sou­za. “Não po­de­mos fi­car es­pe­ran­do ações do Go­ver­no do Es­ta­do, te­mos que bus­car al­ter­na­ti­vas”, com­ple­tou.

Pro­cu­ra­da pe­lo NO­VO, a ti­tu­lar da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e da De­fe­sa So­ci­al (Se­sed), Shei­la Frei­tas, afir­mou por meio de sua as­ses­so­ria de im­pren­sa que não se pro­nun­ci­a­ria so­bre o as­sun­to por­que a pas­ta não es­tá in­cluí­da no pro­je­to e não foi pro­cu­ra­da du­ran­te sua pro­du­ção.

ELPÍDIO JÚ­NI­OR / CMN

// Ni­na Sou­za, ve­re­a­do­ra do PEN: “Pro­je­to não in­ter­fe­re no di­rei­to de ir e vir de nin­guém”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.