Ce­na Ur­ba­na

Novo Jornal - - Primeira Página - [ Vi­cen­te Se­re­jo ]

Fi­cou di­fí­cil de­fen­der a no­bre­za da li­ber­da­de co­mo a ci­da­de­la inex­pug­ná­vel.

Che­gou-se a um pon­to, Se­nhor Re­da­tor, de tan­tas e tão pro­fun­das ra­nhu­ras nes­ta Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil, co­mo nos ha­bi­tu­a­mos a ler nas cé­du­las, en­tre ve­lhos cru­za­dos e no­vos e mo­der­nos re­ais, que o pró­prio con­cei­to de li­ber­da­de, al­go su­pe­ri­or, já não sen­si­bi­li­za a mui­tos dos nos­sos ju­ris­tas. É tão gran­de a re­vol­ta di­an­te da tem­pes­ta­de de cor­rup­ção que o ci­da­dão co­mum pas­sou a exi­gir a pri­são in­dis­cri­mi­na­da, co­mo se a sus­pei­ção re­vo­gas­se a pre­sun­ção de ino­cên­cia.

Fi­cou di­fí­cil, até nas con­ver­sas in­for­mais, o lei­go ju­rí­di­co de­fen­der a no­bre­za da li­ber­da­de co­mo a ci­da­de­la inex­pug­ná­vel. Por is­so mes­mo a su­ti­le­za da in­ver­são - pren­der pa­ra in­ves­ti­gar não é a mes­ma coi­sa que in­ves­ti­gar e pren­der - uma vez que a ino­cên­cia cons­ta­ta­da pe­la Justiça pa­re­ce le­ni­ên­cia dos juí­zes. E, as­sim, re­vol­ta­da, a opi­nião pú­bli­ca con­de­na o bom sen­so e a se­re­ni­da­de dos juí­zes que di­an­te de sus­pei­ções não con­fir­ma­das li­ber­tam o po­lí­ti­co ví­ti­ma de uma acu­sa­ção.

Ou­tro dia, li num des­ses si­tes a re­vol­ta ira­da de um ci­da­dão in­con­for­ma­do com a de­ci­são do mi­nis­tro re­la­tor da Ope­ra­ção La­va Ja­to, Luiz Ed­son Fa­chin, por ter de­ter­mi­na­do ini­ci­al­men­te a pri­são tem­po­rá­ria de Jo­es­ley Ba­tis­ta e Ri­car­do Saud, por cin­co dias, co­mo de­ter­mi­na a lei. Pi­or: foi acu­sa­do por ne­gar a pri­são do ex-pro­cu­ra­dor Mar­ce­lo Mul­ler ao con­si­de­rar um pe­di­do sem con­sis­tên­cia. O es­ti­lo cui­da­do­so do ju­ris­ta se­quer pa­re­ceu ao crí­ti­co um ges­to de cla­ra se­re­ni­da­de.

Pren­der al­guém, mes­mo suspeito, é su­pri­mir do ci­da­dão seu mais al­to va­lor que é o di­rei­to de ir e vir. Pa­ra fa­zê-lo,o juiz pre­ci­sa ter pro­vas só­li­das de ten­ta­ti­va de obs­tru­ção da Justiça, ser no­ci­vo à Justiça ou si­nal imi­nen­te de fu­ga. As­sim co­mo os man­da­tos con­quis­ta­dos pe­lo vo­to são de­ve­ri­am ser cas­sa­dos em no­me do de­co­ro an­tes do jul­ga­men­to e, mais gra­ve, par­la­men­ta­res são afas­ta­dos dos man­da­tos e proi­bi­dos de fre­quen­ta­rem o par­la­men­to, co­mo se pre­va­le­ces­se a cul­pa.

Nes­se sen­ti­do, o Se­na­do e a Câ­ma­ra, di­an­te de acu­sa­ções sem jul­ga­men­to, não só afas­tam os seus ges­to­res da pre­si­dên­cia - até ai se res­pei­ta a ló­gi­ca de não se per­mi­tir que os acu­sa­dos se man­te­nham or­de­na­do­res de des­pe­sa - mas a de­ci­são vai além: quan­do a cas­sa­ção de man­da­tos não aguar­da o jul­ga­men­to final. Na hi­pó­te­se de ser ino­cen­ta­do - já ocor­re­ram ca­sos - qu­em in­de­ni­za­ria as per­das e da­nos mo­rais do par­la­men­tar e seu man­da­to vo­ta­do e pro­cla­ma­do na Justiça Elei­to­ral?

Não pa­re­ce re­pu­bli­ca­no, por­tan­to, que a for­ça do le­ga­lis­mo subs­ti­tua a le­ga­li­da­de em no­me do cla­mor co­le­ti­vo. A se­re­ni­da­de, mes­mo di­an­te dos ca­sos mais es­ca­bro­sos, é a mai­or qua­li­da­de de um ope­ra­dor da Justiça. Ser pas­si­o­nal, se acu­sa ou de­fen­de, é le­gí­ti­mo. E im­par­ci­al, quan­do jul­ga co­mo ma­gis­tra­do. Em to­dos os pla­nos, a for­ça há de ser da lei e não de qu­em a apli­ca em no­me da so­ci­e­da­de. Apli­ca-se a lei pa­ra pro­te­ger es­sa so­ci­e­da­de, mas fa­zê-la ter me­do da Justiça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.