Ro­da Vi­va

Novo Jornal - - Primeira Página - [ Cas­si­a­no Ar­ru­da ]

Mai­or pó­lo de con­fec­ções do Se­ri­dó te­rá ação con­tra ame­a­ça ao em­pre­go do Pro­ser­tão.

A Uni­ver­si­da­de do Se­mi Ári­do re­a­li­zou, no seu Cam­pus de An­gi­cos, o “4º Se­mi­ná­rio In­ter­na­ci­o­nal Diá­lo­gos com Pau­lo Frei­re: Po­lí­ti­cas Públicas, Es­co­las e Es­tra­té­gi­as da In­ter­ven­ção So­ci­al: Cons­tru­ção de Pos­si­bi­li­da­des”. Foi na mes­ma An­gi­cos, há 54 anos, que se re­a­li­zou, com pa­tro­cí­nio do Go­ver­no do Es­ta­do, a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia do que já era cha­ma­do de “mé­to­do Pau­lo Frei­re”, que ti­nha a pro­pos­ta de “al­fa­be­ti­zar e cons­ci­en­ti­zar” um alu­no em 40 ho­ras/au­la.

In­fe­liz­men­te a óti­ma ini­ci­a­ti­va de pre­ser­va­ção a me­mó­ria de Pau­lo Frei­re e a sua li­ga­ção com o nos­so Rio Gran­de do Nor­te ter­mi­na se per­den­do no meio de mui­ta lou­va­ção e pou­co ri­gor no res­pei­to aos fa­tos, co­me­çan­do pe­la fal­ta de con­tex­to de um mo­men­to em que o mundo es­ta­va di­vi­di­do em du­as ban­das e a in­fluên­cia dis­so che­ga­va à vi­da da pro­vín­cia.

Além de er­ros fa­tí­di­cos, a fal­ta de pre­o­cu­pa­ção com a pro­fun­di­da­de do que foi fei­to ter­mi­na cri­an­do uma vi­são de­tur­pa­da da si­tu­a­ção. Co­me­çan­do por jun­tar Pau­lo Frei­re ao pro­gra­ma “De Pé no Chão Tam­bém se Apren­de a Ler”, da Pre­fei­tu­ra de Na­tal, e em fran­ca opo­si­ção ao Go­ver­no.

O que acon­te­ceu de­pois de An­gi­cos?

A fal­ta de pre­o­cu­pa­ção com es­sa ques­tão ele­men­tar ter­mi­na con­tri­buin­do pa­ra que não se pos­sa fa­zer uma ava­li­a­ção cor­re­ta do que acon­te­ceu. Vo­cê sa­bia o que acon­te­ceu de­pois de An­gi­cos? Pouquís­si­mas pes­so­as – es­tu­di­o­sos in­clu­si­ve – não fa­zem qual­quer re­fe­rên­cia ao que acon­te­ceu, lo­go em se­gui­da, em Na­tal, no bair­ro das Quin­tas, on­de se de­sen­vol­veu uma ope­ra­ção de gran­de abran­gên­cia, ain­da no nos­so Rio Gran­de do Nor­te.

Mar­cos Guerra, que es­te­ve o tem­po to­do ao lon­go des­sa epo­péia, es­tá pre­pa­ran­do um do­cu­men­to pa­ra o as­sun­to, que apre­sen­ta­rá co­mo te­se de dou­to­ra­do na Uni­ver­si­da­de de Coim­bra. Ele as­su­me que te­ve a opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par de al­go ino­va­dor “com enor­me re­per­cus­são e sig­ni­fi­ca­do pa­ra a pró­pria edu­ca­ção, mais par­ti­cu­lar­men­te pa­ra a al­fa­be­ti­za­ção de jo­vens e adul­tos”.

E não dis­far­ça a sua po­si­ção: “Cla­ro que me or­gu­lho e ape­sar do que pas­sei co­mo so­fri­men­to, con­si­de­ro o sal­do po­si­ti­vo.” E lem­bra o re­gis­tro do pró­prio Frei­re so­bre o seu pa­pel com o re­co­nhe­ci­men­to de sua enor­me ca­pa­ci­da­de de or­ga­ni­za­ção, co­mo dei­xou num dos seus li­vros.

Mar­cos Guerra fez ques­tão de des­ta­car o pa­pel de­sem­pe­nha­do por Aluí­zio Al­ves (Go­ver­na­dor) e Ca­la­zans Fernandes (Se­cre­tá­rio de Edu­ca­ção), que ti­ve­ram ati­tu­des “im­pe­cá­veis”, e con­ti­nua além, cla­ro, do pró­prio Pau­lo Frei­re.

“Afi­nal ele acei­tou que na prá­ti­ca fi­zés­se­mos 1001 ques­ti­o­na­men­tos, e re­for­mu­lou vá­ri­os itens de su­as abor­da­gens teó­ri­cas, gra­ças ao fa­to de acei­tar hu­mil­de­men­te su­ges­tões de ou­tros, mas, so­bre­tu­do, uma pra­ti­ca que ques­ti­o­na – e en­ri­que­ce – a te­o­ria”.

Por fim uma ques­tão fun­da­men­tal, mas nun­ca lem­bra­da. Por­que, nos 13 anos de Go­ver­nos do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res, quan­do foi da­do a Pau­lo Frei­re o tí­tu­lo de “Be­ne­mé­ri­to da Edu­ca­ção”, não hou­ve uma úni­ca ini­ci­a­ti­va pa­ra re­to­mar os ca­mi­nhos de Frei­re in­ter­rom­pi­dos em 1964.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.