Uma fan­tás­ti­ca mu­lher trans po­de con­cor­rer ao Os­car

Tem atraí­do bom pú­bli­co ao ci­ne­ma e é pro­ta­go­ni­za­do pe­la atriz e can­to­ra lí­ri­ca trans Da­ni­e­la Ve­ga, em ce­nas for­tes no pa­pel de Ma­ri­na

Novo Jornal - - Poder - Luiz Car­los Mer­ten Da Agên­cia Es­ta­do

Da­ni­e­la Ve­ga po­de não ter fei­to his­tó­ria em Ber­lim, em fe­ve­rei­ro, co­mo a pri­mei­ra mu­lher trans a ven­cer o prê­mio de in­ter­pre­ta­ção fe­mi­ni­na num gran­de fes­ti­val de ci­ne­ma, mas qu­em sa­be o Os­car? O Chi­le in­di­cou ofi­ci­al­men­te Uma Mu­lher Fan­tás­ti­ca, de Se­bas­tián Le­lio, co­mo seu can­di­da­to pa­ra con­cor­rer a uma va­ga no prê­mio da Aca­de­mia. Na sex­ta-fei­ra, 15, sai­rá o can­di­da­to do Bra­sil pa­ra con­cor­rer com Uma Mu­lher Fan­tás­ti­ca. O fil­me tem atraí­do bom pú­bli­co aos ci­ne­mas. Na Re­ser­va Cul­tu­ral, te­ve di­rei­to a de­ba­te, com a par­ti­ci­pa­ção de uma mu­lher trans, a atriz Mai­te Sch­nei­der.

Na Ber­li­na­le, Se­bas­tián Le­lio dis­se que o gran­de de­sa­fio foi fa­zer seu fil­me com uma trans. "Da­ni­e­la (Ve­ga) é co­nhe­ci­da no Chi­le co­mo can­to­ra lí­ri­ca e, em­bo­ra se­ja tam­bém atriz, pa­re­cia ar­ris­ca­do fa­zer de­la a pro­ta­go­nis­ta ab­so­lu­ta de um fil­me que de­pen­de mui­to do pa­pel, e de qu­em o in­ter­pre­ta. De qual­quer ma­nei­ra, não creio que te­ria si­do viá­vel fa­zer o fil­me de ou­tra for­ma, com uma mu­lher ou mes­mo um ho­mem tra­ves­ti­do. Se­ria um ana­cro­nis­mo es­té­ti­co, qu­em sa­be uma aber­ra­ção."

Fa­zer es­se fil­me te­ve tam­bém, pa­ra Le­lio, o sen­ti­do de uma (re)edu­ca­ção. "Abor­dar o uni­ver­so das trans exi­giu, de mi­nha par­te, to­do um pro­ces­so de ade­qua­ção. Tra­ba­lhei du­ran­te mais de um ano com Da­ni­e­la por­que, se era im­por­tan­te que ela se pre­pa­ras­se co­mo atriz, tam­bém era im­por­tan­te que eu me des­pis­se de to­do pre­con­cei­to pa­ra aden­trar nes­se uni­ver­so com to­tal com­pro­me­ti­men­to." E Da­ni­e­la - "Des­de o co­me­ço, con­ver­san­do com Se­ba (o di­re­tor Le­lio), fi­cou cla­ro que o fo­co não se­ria do­cu­men­tal. Nos­so fil­me não é uma obra de de­nún­cia. Eu o en­ten­di mui­to mais co­mo uma his­tó­ria de amor, de so­li­dão. To­das po­de­ría­mos ser Ma­ri­na (a pro­ta­go­nis­ta). Qu­an­tas mu­lhe­res não são acei­tas pe­las fa­mí­li­as de seus no­vi­os (noi­vos) ou com­pa­nhei­ros? E pelos mais va­ri­a­dos mo­ti­vos, por­que vêm de ou­tra co­mu­ni­da­de, por­que têm ou­tra cor, por cau­sa do com­por­ta­men­to".

Por is­so mes­mo, des­de que o pro­je­to co­me­çou a to­mar for­ma, Le­lio e Da­ni­e­la uni­ram-se num pon­to. "Era ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­rio que Ma­ri­na pro­vo­cas­se em­pa­tia no pú­bli­co. A ideia des­se fil­me é que, in­de­pen­den­te­men­te de dis­cor­dân­ci­as de gê­ne­ro ou se­xo, as pes­so­as ter­mi­nas­sem tor­cen­do por ela. Vi­ve­mos um mundo de apa­rên­cia. É co­mo as pes­so­as te ve­em, não co­mo és", des­ta­ca o di­re­tor. Al­guns mo­men­tos são cru­ci­ais nes­se pro­ces­so de des­co­ber­ta e acei­ta­ção de Ma­ri­na. Por­que, no fun­do, ela é só uma mu­lher que es­tá que­ren­do fa­zer o lu­to pe­la morte do com­pa­nhei­ro, Or­lan­do. "Se fos­se uma mu­lher, a opo­si­ção da fa­mí­lia tal­vez fos­se a mes­ma, por­que en­vol­ve bens ma­te­ri­ais, par­ti­lha. O fa­to de ser uma trans so­men­te acir­ra o pre­con­cei­to."

Mui­tas ce­nas são for­tes Ma­ri­na des­co­brin­do o se­gre­do do ca­de­a­do, Ma­ri­na aden­tran­do no ve­ló­rio e pro­je­tan­do a pró­pria fra­gi­li­da­de emo­ci­o­nal da­que­le mo­men­to na cri­an­ça que cho­ra. "A per­so­na­gem con­clui um ar­co", diz o di­re­tor. "Em meu fil­me pre­ce­den­te (Gló­ria, com Pau­li­na Gar­cía), tam­bém já ti­nha uma mu­lher que era a ou­tra na vi­da de um ho­mem. Nes­se sen­ti­do, não creio que as du­as his­tó­ri­as se­jam tão di­fe­ren­tes." Da­ni­e­la con­tou a jor­na­lis­tas de to­do o mundo, em Ber­lim, que não exis­te uma lei de gê­ne­ro no Chi­le. "O as­sun­to ago­ra en­tra em pau­ta no Se­na­do. Eu, por exem­plo, não te­nho uma iden­ti­da­de fe­mi­ni­na. Meus do­cu­men­tos são de ho­mem, e is­so faz com que, a ca­da vez que te­nha de mos­trá-los, ter­mi­ne so­fren­do al­gum cons­tran­gi­men­to. A vi­o­lên­cia ins­ti­tu­ci­o­nal é mui­to gran­de." Mes­mo as­sim, ela acre­di­ta que as coi­sas es­te­jam mu­dan­do. "Só o fa­to de Ma­ri­na ser a pro­ta­go­nis­ta... Não faz mui­to tem­po e a his­tó­ria se­ria ou­tra, e ela uma fi­gu­ra se­cun­dá­ria. Ain­da exis­te mui­to ca­mi­nho pa­ra per­cor­rer, mas es­ta­mos avan­çan­do."

RE­PRO­DU­ÇÃO

// Da­ni­e­la Ve­ga atua no fil­me ‘Uma Mu­lher Fan­tás­ti­ca’, que abor­da te­mas co­mo dis­cor­dân­ci­as de gê­ne­ro e lu­to pe­la morte do com­pa­nhei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.