Das con­tra­ções so­ci­ais

Novo Jornal - - Opinião - “Mi­chel Te­mer per­deu a vi­são da dig­ni­da­de que o car­go exi­ge de­le” Car­los Fer­nan­do dos San­tos Li­ma, pro­cu­ra­dor

Qu­ei­ra­mos ou não, e res­pei­ta­do o di­rei­to de quem de­ci­diu em no­me da lei, o Rio Gran­de do Nor­te vem de dois exem­plos for­tes que caí­ram nos olhos da opi­nião pública co­mo abu­sos: os qua­se qu­a­ren­ta mi­lhões pa­gos aos ma­gis­tra­dos e por en­quan­to ve­ta­dos por de­ci­são do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça; e o em­bar­go à re­a­li­za­ção da Fes­ta do Boi, so­li­ci­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e con­ce­di­do por um juiz, de­ci­são in­va­li­da­de por ha­be­as cor­pus, e tu­do no es­pa­ço de não mais do que 24 ho­ras.

É na­tu­ral, no pro­ces­so ju­rí­di­co, que a li­vre in­ter­pre­ta­ção po­nha em pon­tos di­ver­gen­tes uma de­ci­são em tor­no de uma mes­ma ques­tão. Não é es­te o po­mo da dis­cus­são, co­mo di­ri­am os ve­lhos cro­nis­tas. O ful­cro re­si­de na ava­li­a­ção da per­da de pers­pec­ti­vas e cir­cuns­tân­ci­as di­an­te de fa­tos de gran­de mag­ni­tu­de pa­ra a so­ci­e­da­de: o va­lor dos­res­sar­ci­men­tos não obri­ga­tó­ri­os e o le­ga­lis­mo com o qu­al se pre­ten­deu proi­bir a tra­di­ção de um even­to que, an­tes de ser de ape­nas la­zer, é econô­mi­co.

O pri­vi­lé­gio dos ‘atra­sa­dos’ que de vez em qu­an­do ins­ti­tui­ções do Ju­di­ciá­rio des­co­brem e pa­gam a si mes­mas - é o que tem fun­da­men­ta­do a ca­rac­te­ri­za­ção um com­por­ta­men­to de cas­tas e que tam­bém se pra­ti­ca no Le­gis­la­ti­vo. Co­mo se a primeira fun­ção dos po­de­res não fos­se so­ci­al e, pi­or: co­mo se fos­se con­ce­di­do aos mais po­de­ro­sos, a os­ten­ta­ção de pri­vi­lé­gi­os di­an­te de uma so­ci­e­da­de já mas­sa­cra­da pe­lo me­do da vi­o­lên­cia e pe­la dor dos aban­do­na­dos no chão dos hos­pi­tais pú­bli­cos.

Nou­tras cir­cuns­tân­ci­as é pos­sí­vel que não cau­sas­sem es­pan­to e in­dig­na­ção. Mas, no Bra­sil de ho­je, não há co­mo es­pe­rar que pri­vi­lé­gi­os não se­jam acin­to­sos e não pro­vo­quem con­tra­ções. Se to­dos es­tão sob a mes­ma cri­se, o que le­va uma ins­ti­tui­ção a au­men­tar sa­lá­ri­os ou pa­gar van­ta­gens, se há de­ci­são le­gal con­ge­lan­do a des­pe­sa pública? O em­po­de­ra­men­to ain­da mai­or dos for­tes so­bre a de­gra­da­da fra­que­za dos sim­ples? Em no­me da Jus­ti­ça, com a ju­ris­pru­dên­cia do pri­vi­lé­gio so­ci­al?

O pro­ble­ma é que o país há mui­to dei­xou de ser pre­si­di­do pa­ra ser mo­vi­do co­mo uma usi­na a mo­e­das de um es­cam­bo es­can­ca­ra­do que ho­je vi­sa sal­var o man­da­to do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. O no­vo re­tra­to do Bra­sil foi pin­ta­do e vem sen­do avi­va­do em su­as co­res to­dos os di­as nos ple­ná­ri­os da Câ­ma­ra e Se­na­do. O pre­si­den­te não se co­lo­ca aci­ma do mer­ca­do de tro­cas e por is­so não tem co­mo im­por um ri­gor ad­mi­nis­tra­ti­vo que ele mes­mo anun­ci­ou pa­ra re­ti­rar o país da gra­ve cri­se.

Co­mo dis­se o gran­de his­to­ri­a­dor Jo­sé Mu­ri­lo de Car­va­lho, já ci­ta­do aqui, não se der­ru­ba um pre­si­den­te com si­nais de des­man­dos ge­ra­do­res de uma gra­ve cri­se econô­mi­ca pa­ra se co­lo­car no seu lu­gar um pre­si­den­te acu­sa­do dos mes­mos cri­mes e ain­da por ci­ma sem ser pe­lo vo­to. O des­gas­te do go­ver­no e do seu gra­vís­si­mo grau de des­con­fi­an­ça bei­ra os 100%. Não é coi­sa da opo­si­ção e sua re­tó­ri­ca do con­tra. É de quem per­deu o gran­de es­teio que é a cre­di­bi­li­da­de do sen­ti­men­to co­le­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.