O per­so­na­gem con­ser­va­dor que agra­da na novela das 21h

Acer­tou no tom que deu ao seu per­so­na­gem em “A For­ça do Que­rer”, de Gló­ria Pe­rez; “Eu­ri­co” é con­trá­rio a tu­do que é mo­der­ni­da­de e a tu­do que sai do nor­mal

Novo Jornal - - Primeira Página - Eli­a­na Sil­va de Sou­za Fo­lha­press

Acer­tar o tom de um per­so­na­gem nem sem­pre acon­te­ce de ime­di­a­to, re­quer um tem­po de tra­ba­lho, ex­pe­ri­men­tan­do as di­ver­sas fa­ce­tas pos­sí­veis até che­gar ao pon­to de­se­ja­do. Mas às ve­zes o ator acer­ta de ca­ra, co­mo no ca­so de Hum­ber­to Mar­tins, que con­quis­tou o pú­bli­co com seu com­pli­ca­do Eu­ri­co, em­pre­sá­rio com imen­sa di­fi­cul­da­de em acei­tar mu­dan­ças. Dei­xan­do de la­do sua fa­se de "des­ca­mi­sa­do" em di­ver­sas no­ve­las, o ator é um dos des­ta­ques da novela A For­ça do Que­rer, de Gló­ria Pe­rez, que en­tra em sua re­ta fi­nal.

O fa­to de ser um per­so­na­gem ex­tre­ma­men­te pre­con­cei­tu­o­so e con­ser­va­dor, exi­giu de Mar­tins de­se­nhá-lo em sua ca­be­ça as­sim que pe­gou o ro­tei­ro em su­as mãos. "As­sim que vi co­mo era o pa­pel co­me­cei a mon­tá-lo, ima­gi­nan­do co­mo se mo­vi­men­ta­ria, co­mo se­ria a fa­la, e mes­mo qual o tom da voz", ex­pli­ca o ator, que en­fa­ti­za o fa­to de não se ins­pi­rar em nin­guém pa­ra mon­tar o per­so­na­gem. "Eu ima­gi­nei es­sa pes­soa com es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas for­tes, bom presidente de em­pre­sa, mas con­tro­la­dor, re­tró­gra­do, con­ser­va­dor, aus­te­ro."

"Quan­do re­ce­bi os pri­mei­ros ca­pí­tu­los, eu es­ta­va em Or­lan­do e lá mes­mo já es­tu­dei o per­so­na­gem. Tu­do o que eu pre­ci­sa­va sa­ber so­bre ele es­ta­va ali, no tex­to da au­to­ra, e che­guei aqui com ele pron­to, do jei­to que es­tá na te­la", afir­ma. Aos 56 anos, Mar­tins con­ta que ao se dar con­ta de co­mo Eu­ri­co pen­sa­va, tão di­fe­ren­te do que se pre­ga ho­je em dia, di­re­ci­o­nou-o da ma­nei­ra co­mo achou me­lhor. "De acor­do com o que es­ta­va no ro­tei­ro, re­sol­vi cons­truí-lo com es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas. Pen­sei as­sim: vou fa­zer es­se ca­ra fa­lar for­te e al­to, sem no­ção do vo­lu­me da sua voz."

"De­pen­den­do de co­mo eu fi­zes­se o Eu­ri­co, po­de­ria ir por um ca­mi­nho ruim e ser re­jei­ta­do, afi­nal, as coi­sas que ele diz são pe­sa­das. Por is­so mes­mo, op­ta­mos por um la­do cô­mi­co no jei­to co­mo ele se ex­pres­sa. Fiz ques­tão de tra­du­zi-lo com cer­ta le­ve­za, pa­ra dar gra­ça", con­ta o ator ca­ri­o­ca. Ele tam­bém te­ve a pre­o­cu­pa­ção de fa­zer com que o Eu­ri­co fos­se en­gra­ça­do e de trans­for­mar qu­al­quer si­tu­a­ção que pu­des­se ter uma lei­tu­ra pe­sa­da ou polêmica em um mo­men­to de hu­mor. Se­ria mes­mo um ris­co, afi­nal Eu­ri­co não per­doa nin­guém, quan­do diz o que pen­sa, re­jei­tan­do até quem ele ama, co­mo é ca­so da so­bri­nha, que ele dis­cri­mi­nou quan­do ela as­su­miu ser trans, pas­san­do da me­ni­na Iva­na pa­ra o ra­paz Ivan. Uma ce­na for­te. Hum­ber­to Mar­tins lem­bra ain­da que Eu­ri­co mos­tra tam­bém uma fa­ce­ta mais le­ve, mas não me­nos car­re­ga­da de pre­con­cei­to, em re­la­ção ao mo­to­ris­ta No­na­to, que é na ver­da­de uma tra­ves­ti, mas que tem de se pas­sar por hé­te­ro. Vi­ra e me­xe, o pa­trão en­fa­ti­za a tal mas­cu­li­ni­da­de do em­pre­ga­do, que tem ca­be­lo com­pri­do e en­ga­na Eu­ri­co, di­zen­do que não po­de cor­tá-lo por cau­sa de uma pro­mes­sa fei­ta por sua mãe. "Cor­ta is­so lo­go, seu No­na­to, is­so não é coi­sa de ho­mem", re­pe­te o em­pre­sá­rio pa­ra o ra­paz, que pre­ci­sa se con­ter.

"Ele é con­trá­rio a tu­do que é mo­der­ni­da­de, que trans­gri­de a nor­ma­li­da­de, tu­do que sai do nor­mal", mas gos­ta mui­to do No­na­to e a ex­pec­ta­ti­va do pú­bli­co é co­mo se­rá quan­do ele des­co­brir a ver­da­de so­bre o ra­paz. "O lan­ce se­rá co­mo é que ele vai tra­tar a si­tu­a­ção do ca­ra que ele gos­ta, tra­ta co­mo fi­lho. Até eu es­tou cu­ri­o­so pa­ra sa­ber, afi­nal o No­na­to cui­da do pa­trão, se me­te nas si­tu­a­ções da mu­lher pa­ra ten­tar sal­vá-la das en­cren­cas", diz Mar­tins. "Eu acre­di­to, pelo mo­do de pen­sar do Eu­ri­co, que ele não vê es­sas pes­so­as in­te­gra­das na so­ci­e­da­de, de for­ma le­gal, co­mo ci­da­dãos, uma coi­sa que acon­te­ce nos di­as de ho­je, mas acho que, ao sa­ber a ver­da­de so­bre No­na­to, is­so vai abrir mui­to os olhos de­le. Te­nho pa­ra mim, que ele vai me­dir o tem­po de con­vi­vên­cia que te­ve com es­se ra­paz e ra­ci­o­ci­nar que uma coi­sa não tem na­da a ver com a ou­tra, por­que o No­na­to é mui­to com­pe­ten­te, um gen­tle­man, so­lí­ci­to, edu­ca­do", tor­ce o ator, que não sa­be se Eu­ri­co vai acei­tar a si­tu­a­ção, nem co­mo se­rá a ce­na, mas acre­di­ta que o per­so­na­gem con­se­gui­rá que­brar es­se pre­con­cei­to, me­nos um na vi­da de­le.

Mas te­rá ain­da uma ou­tra ce­na que exi­gi­rá uma do­se de lu­ci­dez de Eu­ri­co, que se­rá a des­co­ber­ta do vício da mu­lher, Sil­va­na. "Nos úl­ti­mos ca­pí­tu­los, co­me­cei a fa­zê-lo mais con­for­ma­do, ele tem um tom de des­con­fi­an­ça em re­la­ção às ati­tu­des da mu­lher, mas ele mes­mo não sa­be co­mo so­lu­ci­o­nar, não acre­di­ta em clí­ni­ca, mas ela pre­ci­sa pas­sar por um tra­ta­men­to se­ve­ro, um con­tro­le." Quan­to ao su­ces­so do per­so­na­gem, Hum­ber­to Mar­tins ava­lia: "Es­sa acei­ta­ção do pú­bli­co, co­le­gas elo­gi­an­do, ve­jo que cum­pri mi­nha mis­são".

RE­PRO­DU­ÇÃO

RE­PRO­DU­ÇÃO

// Hum­ber­to Mar­tins in­ter­pre­ta Eu­ri­co, per­so­na­gem pre­con­cei­tu­o­so do fo­lhe­tim glo­bal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.