EN­TRE­VIS­TA

Novo Jornal - - Pop - Is­so o pre­o­cu­pa? Mi­cha­el Sher­mer His­to­ri­a­dor da ciência e es­cri­tor li­dou com es­sa gran­de mu­dan­ça?

Co­mo o sr. vê o ce­ná­rio da di­vul­ga­ção ci­en­tí­fi­ca? Há di­fi­cul­da­des ou é uma im­pres­são cri­a­da pe­las re­des so­ci­ais?

As du­as coi­sas. Quer di­zer, há mais ata­ques à ciência e à ver­da­de, há mais “fa­ke news”, fa­tos al­ter­na­ti­vos, click­bait [ca­ça cli­ques], to­do es­se li­xo na in­ter­net, mas, por ou­tro la­do, nós to­dos po­de­mos ter nos­sas pá­gi­nas web, nos­sos pró­pri­os ca­nais no YouTube, po­de­mos fa­zer nos­sos fil­mes, pro­gra­mas de TV, blogs, pod­casts e as­sim por di­an­te. En­tão é co­mo as pu­bli­ca­ções de pa­pel, que cor­tam pa­ra os dois la­dos. Ela im­pri­me Sha­kes­pe­a­re e im­pri­me “Mein Kampf” [au­to­bi­o­gra­fia de Hi­tler]. Tu­do que po­de­mos fa­zer é se­guir adi­an­te e bo­lar fer­ra­men­tas me­lho­res de co­mu­ni­ca­ção. Ou­tro pro­ble­ma é o fa­to de as em­pre­sas de re­des so­ci­ais, co­mo o Fa­ce­bo­ok, te­rem al­go­rit­mos que o ali­men­tam com no­tí­ci­as ba­se­a­das no que vo­cê já es­tá bus­can­do, en­tão sua bo­lha vai fi­can­do ca­da vez pi­or, mes­mo que vo­cê não se es­for­ce pa­ra is­so. Vo­cê tem de ati­va­men­te pro­cu­rar e ler pon­tos de vis­ta con­tra­di­tó­ri­os.

Mas as pes­so­as não fa­zem is­so.

Não fa­zem. Acho que uma so­lu­ção é al­guém bo­lar um apli­ca­ti­vo – pro­va­vel­men­te al­guém já fez– que con­tor­ne is­so e envie au­to­ma­ti­ca­men­te pa­ra vo­cê in­for­ma­ções que são de al­gum ou­tro jor­nal com o qual vo­cê não con­cor­da.

Não se­ria uma for­ma li­mi­ta­da de con­tor­nar? A mai­o­ria das pes­so­as não fi­ca­ria ir­ri­ta­da?

Es­tá cer­to. O que fa­zer quan­to a is­so? En­tão, eu não sei.

Sa­be­mos por es­tu­dos de ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos que os par­ti­dos es­tão fi­can­do mais ex­tre­ma­dos, es­tão se afas­tan­do do cen­tro. Quer di­zer, os elei­to­res in­de­ci­sos, aque­le gru­po do cen­tro es­tá fi­can­do me­nor, en­quan­to es­quer­da e di­rei­ta es­tão fi­can­do mai­o­res e se afas­tan­do. E is­so, em par­te, é ali­men­ta­do pe­la bo­lha. Is­so me pre­o­cu­pa, por­que a men­te hu­ma­na é pro­je­ta­da pa­ra fa­zer is­so. So­mos mui­to xe­no­fó­bi­cos e vo­cê po­de di­vi­dir, clas­si­fi­car pes­so­as em qu­al­quer ca­te­go­ria que qui­ser, não ape­nas cor da pe­le ou gê­ne­ro, mas par­ti­do po­lí­ti­co, ide­o­lo­gia, cren­ças re­li­gi­o­sas.

Pa­re­ce que a mai­o­ria das pes­so­as vê a ciência co­mo uma nar­ra­ti­va, mais uma ver­são, e não al­go que vo­cê tes­te e dei­xe a na­tu­re­za ar­bi­trar.

Acho que a re­so­lu­ção dis­so co­me­ça com edu­ca­ção pri­má­ria. Pre­ci­sa­mos en­si­nar às cri­an­ças que há um mun­do re­al e que po­de­mos sa­ber al­go a res­pei­to de­le, e a ciência é a me­lhor fer­ra­men­ta que te­mos, e en­si­nar aos es­tu­dan­tes não só os fa­tos da ciência, mas co­mo ci­en­tis­tas pen­sam so­bre as coi­sas. Que não há cer­te­zas. Há hi­pó­te­ses pro­vi­só­ri­as que tes­ta­mos e pro­gre­di­mos e te­mos mo­de­los ca­da vez me­lho­res de co­mo o mun­do fun­ci­o­na, mas é um pro­ces­so con­tí­nuo.

É mais co­mo um mo­do de pen­sar so­bre o mun­do e abor­dar ques­tões. É dis­so que se tra­ta o pen­sa­men­to crí­ti­co. Nós en­si­na­mos co­mo pen­sar, não en­si­na­mos o que pen­sar.

Mu­dan­do de as­sun­to pa­ra a ame­a­ça nu­cle­ar, ain­da não nos li­vra­mos de­la, co­mo po­de­mos ver no no­ti­ciá­rio.

Há bem me­nos armas nu­cle­a­res ago­ra do que quan­do elas atin­gi­ram o pi­co, em 1987. Ha­via, acho, cer­ca de 70 mil armas nu­cle­a­res no mun­do in­tei­ro. São cer­ca de 10 mil ago­ra. En­tão ti­ve­mos al­go co­mo uma re­du­ção de 80%. Is­so é bas­tan­te. Mas te­ría­mos de che­gar abai­xo de mil pa­ra im­pe­dir a ex­tin­ção da nos­sa es­pé­cie ou ou­tra gran­de ca­tás­tro­fe.

Trump tui­tou di­zen­do que Clin­ton, Bush e Oba­ma fra­cas­sa­ram com a Co­reia do Nor­te, e que ele não ia fra­cas­sar. Eles não fa­lha­ram. Na­da acon­te­ceu e is­so é su­ces­so. Nós não qu­e­re­mos que es­se ca­ra fa­ça na­da, en­tão é só aper­tar as san­ções econô­mi­cas e é as­sim que fun­ci­o­na. Não hou­ve guer­ras, en­tão na ver­da­de es­tá fun­ci­o­nan­do.Mas tam­bém há o ar­gu­men­to de que a Co­reia do Nor­te é um pe­ri­go cres­cen­te. Sim, tal­vez sim, por­que Kim Jong-un de­sen­vol­veu mís­seis. Po­de ser que os quei­ra pa­ra de­fe­sa. Pa­ra que se­ria? Ele re­al­men­te os usa­ria? Du­vi­do. Ele não é um doi­do re­li­gi­o­so. Eu fi­ca­ria mais pre­o­cu­pa­do se o Es­ta­do Is­lâ­mi­co pe­gas­se uma ar­ma nu­cle­ar, por­que es­ses ca­ras, eles que­rem mor­rer, eles acham que vão pa­ra o céu, eles re­al­men­te acre­di­tam nes­se pa­po de doi­do.

O sr. já foi re­li­gi­o­so e se tor­nou ateu. Co­mo

Eu não fui cri­a­do com re­li­gião. Foi uma ex­pe­ri­ên­cia pe­la qual eu pas­sei com meus co­le­gas no en­si­no mé­dio, mas fiz is­so por se­te anos e le­va­va a sé­rio. E fi­co fe­liz de ter fei­to is­so, por­que eu re­al­men­te en­ten­do a men­ta­li­da­de re­li­gi­o­sa. Em uma bo­lha, co­mo uma es­co­la re­li­gi­o­sa, cer­ca­do por co­le­gas de re­li­gião, há um es­cu­do em tor­no de vo­cê pro­te­gen­do-o de idei­as de fo­ra. Quan­do eu aban­do­nei mi­nha re­li­gião, foi meio que “tan­to faz”. Acho que meus ami­gos e mi­nha fa­mí­lia fi­ca­ram ali­vi­a­dos, por­que pa­rei de pre­gar pa­ra eles. Evan­gé­li­co, sa­be co­mo é, a coi­sa to­da é so­bre evan­ge­li­zar, con­tar às pes­so­as so­bre Je­sus pa­ra sal­var as al­mas de­les. Acho que eu era cha­to. Mas ago­ra en­ten­do is­so, por que eles fa­zem aqui­lo. Eles sen­tem que têm de fa­zer.

O sr. acha que a re­li­gião ain­da tem uma fun­ção na so­ci­e­da­de? Cla­ro, no pas­sa­do foi im­por­tan­te pa­ra cri­ar co­e­são so­ci­al, mas atu­al­men­te...

Em paí­ses eu­ro­peus, on­de há bons sis­te­mas de pro­te­ção so­ci­al e tu­do mais, eles não pre­ci­sam de re­li­gião. Es­sa é uma das ra­zões por que os per­cen­tu­ais de re­li­gi­o­sos são bem mais bai­xos lá do que em paí­ses ame­ri­ca­nos, in­cluin­do a Amé­ri­ca do Sul. Vi­si­to ca­te­drais na Eu­ro­pa e elas es­tão va­zi­as ou fe­cha­das. Eles as alu­gam pa­ra fes­tas ou as usam co­mo mu­seus de ar­te –o que é óti­mo, por­que são cons­tru­ções bo­ni­tas. É um si­nal de que a re­li­gião es­tá de­cli­nan­do, por­que não pre­ci­sa­mos de­la pa­ra ex­pli­car o mun­do. A ciência faz is­so. Vo­cê não pre­ci­sa de­la pa­ra cui­dar dos po­bres, o go­ver­no e ins­ti­tui­ções de ca­ri­da­de es­tão fa­zen­do is­so. Pre­ve­jo que não vá acon­te­cer lo­go, mas em sé­cu­los acho que a re­li­gião vai cair em de­su­so.

E is­so é uma coi­sa boa?

É uma coi­sa boa. É, por­que ela é re­ple­ta de bagagem, is­so não é bom pa­ra a so­ci­e­da­de. A cren­ça no so­bre­na­tu­ral e a na vi­da após a mor­te não é boa. Eu não acho, quer di­zer, eu en­ten­do por que po­de con­for­tar, quan­do há um en­te que­ri­do mor­ren­do e há a pro­mes­sa de uma vi­da após a mor­te. En­ten­do is­so. Mas a ideia de ban­car um pós­vi­da po­de le­var vo­cê a per­der o aqui e o ago­ra. Ago­ra é a hora de ten­tar fa­zer o mun­do me­lhor.

Pre­ci­sa­mos en­si­nar às cri­an­ças que há um mun­do re­al e que po­de­mos sa­ber al­go a res­pei­to de­le, e a ciência é a me­lhor fer­ra­men­ta que te­mos, e en­si­nar aos es­tu­dan­tes não só fa­tos da ciência, mas co­mo ci­en­tis­tas pen­sam Nós en­si­na­mos co­mo pen­sar, não en­si­na­mos o que pen­sar” Vi­si­to ca­te­drais na Eu­ro­pa e elas es­tão va­zi­as ou fe­cha­das. Eles as alu­gam pa­ra fes­tas ou as usam co­mo mu­seus de ar­te –o que é óti­mo, por­que são cons­tru­ções bo­ni­tas. É um si­nal de que a re­li­gião es­tá de­cli­nan­do, por­que não pre­ci­sa­mos de­la pa­ra ex­pli­car o mun­do”

RE­PRO­DU­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.