UFRN en­via carta so­bre de­mis­são vo­lun­tá­ria a seus pro­fes­so­res

Emi­te co­mu­ni­ca­do so­bre de­mis­são vo­lun­tá­ria e re­du­ção da jor­na­da de tra­ba­lho; e As­so­ci­a­ção de Do­cen­tes con­si­de­ra is­so ata­que fron­tal aos ser­vi­do­res fe­de­rais

Novo Jornal - - Primeira Página - Fe­li­pe Gal­di­no Do NO­VO

AU­ni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio Gran­de do Nor­te (UFRN) co­me­çou nes­ta se­ma­na a di­vul­gar pa­ra seus ser­vi­do­res efe­ti­vos o Pro­gra­ma de Des­li­ga­men­to Vo­lun­tá­rio (PDV), ins­tau­ra­do pelo Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to, De­sen­vol­vi­men­to e Ges­tão em se­tem­bro pas­sa­do, via por­ta­ria no Diá­rio Ofi­ci­al da União (DOU). A ins­ti­tui­ção fe­de­ral po­ti­guar co­me­çou a en­vi­ar emails pa­ra seus téc­ni­cos e pro­fes­so­res efe­ti­vos a fim de in­for­má-los so­bre o pro­gra­ma de de­mis­são vo­lun­tá­ria. Os in­te­res­sa­dos, de acor­do com o in­for­me, têm até dia 31 de de­zem­bro des­te ano pa­ra for­mu­lar re­que­ri­men­to de ade­são ao pla­no.

Se­gun­do a pró-rei­to­ra de Ges­tão de Pes­so­as (Pro­gesp), Mi­ri­an Dan­tas dos San­tos, até o mo­men­to ape­nas um ser­vi­dor in­gres­sou ofi­ci­al­men­te com pe­di­do de de­mis­são vo­lun­tá­ria e ou­tro de­mons­trou in­te­res­se até o iní­cio da tar­de de on­tem. Da­dos do Por­tal da Trans­pa­rên­cia da UFRN in­di­ca que a ins­ti­tui­ção pos­sui 10.073 ser­vi­do­res em seu qua­dro de pro­fis­si­o­nais es­ta­tu­tá­ri­os e apo­sen­ta­dos. Co­mo os apo­sen­ta­dos não en­tram no PDV, 5.380 pro­fes­so­res e téc­ni­cos estão ap­tos a participar do pro­gra­ma.

A pró-rei­to­ra Mi­ri­an Dan­tas ga­ran­te que a UFRN ape­nas está cum­prin­do a le­gis­la­ção de in­for­mar aos seus ser­vi­do­res so­bre o pla­no, mas que não há im­po­si­ção pa­ra que os pro­fis­si­o­nais in­gres­sem. Pelo con­trá­rio, diz a ges­to­ra, que não es­pe­ra mui­tas ade­sões ao PDV. “Não in­te­res­sa em na­da à UFRN participar des­se pla­no, não te­mos in­te­res­se nis­so. Nos­so in­te­res­se é que as pes­so­as não sai­am, mas te­mos que cum­prir a lei e in­for­mar os pra­zos le­gais pa­ra quem quei­ra participar”, es­cla­re­ceu.

Além das ori­en­ta­ções so­bre de­mis­são vo­lun­tá­ria, o email da UFRN aos ser­vi­do­res tam­bém traz ori­en­ta­ções so­bre a “jor­na­da de tra­ba­lho re­du­zi­da com re­mu­ne­ra­ção pro­por­ci­o­nal” e “li­cen­ça in­cen­ti­va­da sem re­mu­ne­ra­ção”.

O pri­mei­ro tó­pi­co traz in­for­mes pa­ra o ser­vi­dor in­te­res­sa­do em re­que­rer a re­du­ção da jor­na­da de tra­ba­lho pa­ra seis ou qua­tro ho­ras diá­ri­as e 30 ou 20 se­ma­nais, com re­mu­ne­ra­ção pro­por­ci­o­nal cal­cu­la­da so­bre a to­ta­li­da­de da re­mu­ne­ra­ção.

O ser­vi­dor que op­tar pe­la jor­na­da de tra­ba­lho re­du­zi­da com re­mu­ne­ra­ção pro­por­ci­o­nal fa­rá jus ao pa­ga­men­to adi­ci­o­nal de meia ho­ra diá­ria, a par­tir da da­ta de iní­cio da re­du­ção de jor­na­da.

“O ser­vi­dor in­te­res­sa­do po­de­rá for­mu­lar re­que­ri­men­to (Dis­po­ní­vel no Por­tal da PRO­GESP) e en­ca­mi­nhar o pro­ces­so à Di­re­to­ria de Ad­mi­nis­tra­ção de Pes­so­al. É ne­ces­sá­rio ha­ver a jus­ti­fi­ca­ti­va da che­fia do ser­vi­dor, in­for­man­do a ne­ces­si­da­de da ma­nu­ten­ção do ser­vi­dor em sua jor­na­da re­gu­lar de tra­ba­lho e os im­pac­tos que a re­du­ção pro­vo­ca­ria no de­sem­pe­nho das ati­vi­da­des da uni­da­de”, des­ta­ca o email ofi­ci­al en­vi­a­do aos ser­vi­do­res da UFRN.

Quan­to à li­cen­ça, que de­ve ser re­que­ri­da até 31 de de­zem­bro de 2018, con­sis­te na con­ces­são de li­cen­ça sem re­mu­ne­ra­ção, pelo pe­río­do de 03 anos (pror­ro­gá­vel por mais 03 anos), com o pa­ga­men­to de in­cen­ti­vo em pe­cú­nia cor­res­pon­den­te a três ve­zes a re­mu­ne­ra­ção a que faz jus o ser­vi­dor na da­ta em que for con­ce­di­da a li­cen­ça. O pa­ga­men­to se­rá re­a­li­za­do de for­ma par­ce­la­da, obe­de­cen­do ao cro­no­gra­ma da fo­lha de pa­ga­men­to do ser­vi­ço pú­bli­co fe­de­ral.

O NO­VO pro­cu­rou pro­fes­so­res quem re­ce­be­ram o email, mas não con­se­guiu con­ta­to ou não qui­se­ram con­ver­sar so­bre o as­sun­to. Nas re­des so­ci­ais, con­tu­do, al­guns do­cen­tes co­men­ta­ram o in­for­me e se mos­tra­ram pre­o­cu­pa­dos com o que cha­ma­ram de pla­no pa­ra o su­ca­te­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or pú­bli­co.

O Adurn-Sin­di­ca­to, en­te que re­pre­sen­ta os do­cen­tes da UFRN, emi­tiu no­ta cri­ti­can­do o PDV. A di­re­to­ria do en­te afir­mou re­ce­ber com pre­o­cu­pa­ção a por­ta­ria do Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to, De­sen­vol­vi­men­to e Ges­tão, que traz as ori­en­ta­ções so­bre o PDV. “Mais um ata­que fron­tal ao ser­vi­dor da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca fe­de­ral que apon­ta pa­ra o des­mon­te de ser­vi­ços es­sen­ci­ais à so­ci­e­da­de”, la­men­tou.

“As van­ta­gens da ade­são ao pro­gra­ma são es­tri­ta­men­te fi­nan­cei­ras e mo­men­tâ­ne­as. Os atos nor­ma­ti­vos são ab­so­lu­ta­men­te omis­sos com re­la­ção à ques­tão ex­tre­ma­men­te re­le­van­te pa­ra to­dos os ser­vi­do­res públicos: a per­da do re­gi­me pre­vi­den­ciá­rio a que es­ti­ve­rem sub­me­ti­dos”, com­ple­men­tou o Adurn-Sin­di­ca­to.

Na no­ta as­si­na­da pe­la di­re­to­ria do gru­po re­pre­sen­ta­ti­vo dos do­cen­tes, foi des­ta­ca­do ain­da o mo­men­to de agra­va­men­to da cri­se po­lí­ti­ca, ins­ti­tu­ci­o­nal e fi­nan­cei­ra do país, com ca­rên­cia de pro­fis­si­o­nais em áre­as fun­da­men­tais, co­mo a saú­de e edu­ca­ção. “É in­con­ce­bí­vel um pro­gra­ma que in­cen­ti­ve o au­men­to do de­sem­pre­go e não aler­te pa­ra as con­sequên­ci­as des­sa op­ção”, fi­na­li­zou.

Não in­te­res­sa em na­da à UFRN participar des­se pla­no, não te­mos in­te­res­se nis­so. Nos­so in­te­res­se é que as pes­so­as não sai­am, mas te­mos que cum­prir a lei e in­for­mar os pra­zos le­gais” Mi­ri­an Dan­tas dos San­tos Pró-rei­to­ra de Ges­tão de Pes­so­as

REPRODUÇÃO

// UFRN tem 5.380 pro­fes­so­res e téc­ni­cos que estão ap­tos a participar do PDV do go­ver­no fe­de­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.