‘Con­fes­so que er­rei’

Gru­po Re­fle­xi­vo pa­ra Ho­mens: por uma ati­tu­de de paz, do MPRN aju­da no com­ba­te à vi­o­lên­cia con­tra mu­lhe­res a par­tir do diá­lo­go

Novo Jornal - - Cotidiano -

Após che­gar em ca­sa, agre­dir a mu­lher e ser de­nun­ci­a­do, Wil­li­an Sil­ves­tre, 31 anos, autô­no­mo, mo­ra­dor da Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Natal, foi au­tu­a­do com ba­se na Lei Maria da Pe­nha e te­ve que par­ti­ci­par de 10 ses­sões do "Gru­po Re­fle­xi­vo pa­ra Ho­mens: por uma ati­tu­de de paz". Ele é um dos 353 ho­mens que já par­ti­ci­pa­ram das ses­sões du­ran­te os cin­co anos de atu­a­ção do gru­po, no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio Gran­de do Nor­te. "A agres­são foi al­go in­co­mum, nun­ca en­fren­tei es­se ti­po de pro­ble­ma no meu re­la­ci­o­na­men­to. Par­ti­ci­par des­se tra­ba­lho, me fez pen­sar e re­ver os meus con­cei­tos", de­cla­ra Wil­li­an.

Du­as tur­mas se reú­nem nas ter­ças e quin­tas-fei­ras, du­as ho­ras se­ma­nal­men­te, em uma das sa­las do pré­dio do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, em La­goa No­va, pa­ra tra­tar de te­mas como ques­tão de gê­ne­ro e di­rei­tos hu­ma­nos. A reu­nião do gru­po atu­al­men­te é com­pos­ta por 30 ho­mens, que apre­sen­tam du­ran­te as reu­niões, as su­as vi­vên­ci­as pes­so­ais, ge­ran­do de­ba­tes re­fle­xi­vos.

O pro­je­to é co­or­de­na­do pe­la pro­mo­to­ra de justiça, Éri­ca Ca­nu­to, e exe­cu­ta­do pe­la as­sis­ten­te so­ci­al, Il­dé­ri­ca Cas­tro, jun­ta­men­te com a psi­có­lo­ga, Jac­ke­li­ne Cos­ta, do Nú­cleo de Apoio à Mu­lher Ví­ti­ma de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e Fa­mi­li­ar (Nam­vid). Ten­do como ba­se a po­lí­ti­ca de Di­rei­tos Hu­ma­nos, e tam­bém, a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de En­fren­ta­men­to à Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca con­tra a Mu­lher, são es­ta­be­le­ci­das di­re­tri­zes pa­ra o com­ba­te, atra­vés de atu­a­ções pau­ta­das na igual­da­de de gê­ne­ro.

Au­xi­li­ar e ori­en­tar ho­mens que se en­vol­vem em dis­cus­sões fa­mi­li­a­res, com pro­ble­mas nos re­la­ci­o­na­men­tos afe­ti­vos e com o pró­xi­mo, como tam­bém, fa­lar so­bre o uso de dro­gas, be­bi­das al­coó­li­cas e ge­rar a re­fle­xão dos ho­mens, fa­zem par­te das ações de­sen­vol­vi­das des­de o ano de 2012, pe­lo Nam­vid. Com apoio do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, 26 tur­mas já fo­ram for­ma­das so­men­te em Natal. Em Ma­caí­ba, Par­na­mi­rim e São Gon­ça­lo do Ama­ran­te, o pro­je­to fun­ci­o­na de for­ma in­de­pen­den­te. Em ou­tros 23 mu­ni­cí­pi­os, os ser­vi­do­res já re­ce­be­ram as ca­pa­ci­ta­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra o an­da­men­to do pro­je­to.

Pa­ra Wil­li­an, a pri­mei­ra ses­são é a mais di­fí­cil. "Foi um cho­que. No iní­cio fui re­sis­ten­te, ain­da mais por­que ti­nha que dei­xar o tra­ba­lho pa­ra par­ti­ci­par das reu­niões. Mas vi que foi es­sen­ci­al pa­ra fa­zer com que eu re­fle­tis­se so­bre o meu er­ro". A re­sis­tên­cia é al­go cor­ri­quei­ro en­tre os ho­mens. Ini­ci­al­men­te, eles fre­quen­tam as reu­niões qua­se que por obri­ga­ção, obe­de­cen­do a or­dem ju­di­ci­al, po­rém, ao lon­go das ses­sões, per­ce­bem a trans­for­ma­ção pes­so­al.

Par­ti­ci­par do tra­ba­lho re­a­li­za­do pe­lo Nam­vid, trou­xe a Wil­li­an uma sé­rie de be­ne­fí­ci­os pes­so­ais e pa­ra o seu re­la­ci­o­na­men­to, se­gun­do con­tou. "Des­de a mi­nha pas­sa­gem pe­lo gru­po re­fle­xi­vo, o meu ca­sa­men­to vem me­lho­ran­do di­a­ri­a­men­te. Sou uma pes­soa mais pa­ci­en­te, com­pa­nhei­ra. Sim­ples ações que an­tes não eram per­ce­bi­das, me aju­da­ram a ser al­guém melhor”.

Em 2016, o Nú­cleo de Apoio à Mu­lher Ví­ti­ma de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e Fa­mi­li­ar con­quis­tou o pri­mei­ro lu­gar em um prê­mio do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, com o pro­je­to do gru­po re­fle­xi­vo de ho­mens. A as­sis­ten­te so­ci­al do Nam­vid, Il­dé­ri­ca Cas­tro, des­ta­ca a im­por­tân­cia do tra­ba­lho re­a­li­za­do den­tro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. “A gen­te acre­di­ta na mu­dan­ça so­ci­al. Pre­ci­sa­mos dis­cu­tir e pen­sar na vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher apro­xi­man­do eles de ca­sos re­ais. Fa­zen­do com que eles re­fli­tam so­bre vi­o­lên­cia, com­por­ta­men­to. O gru­po é um es­pa­ço de es­cu­ta, de re­fle­xão. Um lu­gar que não exis­tia pa­ra es­ses ho­mens”, afir­ma a as­sis­ten­te so­ci­al.

CEDIDA

// As­sis­ten­te so­ci­al Il­dé­ri­ca Cas­tro, do MP, atua no Gru­po Re­fle­xi­vo de Ho­mens des­de o ano de 2012

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.