RN é o úni­co es­ta­do com ín­di­ce ze­ro de rein­ci­dên­cia

Novo Jornal - - Cotidiano -

Se­gun­do o De­par­ta­men­to Pe­ni­ten­ciá­rio Na­ci­o­nal, o sis­te­ma co­mum, on­de os ho­mens são le­va­dos à prisão tem o ín­di­ce de rein­ci­dên­cia de 70%. O mé­to­do da As­so­ci­a­ção de Pro­te­ção e As­sis­tên­cia aos Con­de­na­dos, a APAC, é 13%. Em ou­tros Es­ta­dos, on­de exis­te o tra­ba­lho do gru­po den­tro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, es­se nú­me­ro che­ga a apro­xi­ma­da­men­te 2%. O Rio Gran­de do Nor­te é o úni­co lu­gar que es­se ín­di­ce é ze­ro du­ran­te os cin­co anos de atu­a­ção.

Éri­ca Ca­nu­to é pro­mo­to­ra de justiça da 68ª pro­mo­to­ria de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e faz par­te da Co­mis­são Na­ci­o­nal de Pro­mo­to­res que atu­am com Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca (COPEVID), den­tro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Ela fa­la da im­por­tân­cia de se ou­vir os ho­mens e ter es­se es­pa­ço pa­ra aco­lhe-los. “Cri­a­mos es­se es­pa­ço pa­ra que es­ses ho­mens que se en­vol­vem com ações de vi­o­lên­cia, fa­lem. Um gru­po mul­ti­fo­cal que tra­ba­lha as ações e os pen­sa­men­tos des­ses ho­mens.”

ATI­TU­DE DE PAZ

Em 2014, o Nú­cleo de Apoio à Mu­lher Ví­ti­ma de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e Fa­mi­li­ar cri­ou uma cam­pa­nha de com­ba­te à vi­o­lên­cia. “La­ço Bran­co: ho­mens pe­lo fim da vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher” tem como ob­je­ti­vo aler­tar e ori­en­tar a sociedade so­bre a prá­ti­ca de agres­são às mu­lhe­res. Ou­tro ho­mem que par­ti­ci­pou do gru­po re­fle­xi­vo é iden­ti­fi­ca­do como F.D.C., de 49 anos. Ele foi in­ti­ma­do a fre­quen­tar as ses­sões após uma dis­cus­são con­ju­gal e se pron­ti­fi­cou a ser o sím­bo­lo da cam­pa­nha da­que­le ano. Du­ran­te to­do o pro­ces­so, F.D.C. foi de­mons­tran­do mai­or in­te­res­se pe­lo tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­lo nú­cleo. Ca­da ses­são fa­zia com que ele re­fle­tis­se ain­da mais so­bre a ação que o le­vou àque­le lu­gar.

“Re­al­men­te pra mim foi uma opor­tu­ni­da­de úni­ca. A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca é uma do­en­ça so­ci­al que atin­ge to­das as ca­ma­das da po­pu­la­ção. Co­mi­go não foi di­fe­ren­te. Co­me­çou com uma dis­cus­são nor­mal, lo­go de­pois não ti­nha mais con­tro­le. Quando vi, ti­nha me tor­na­do um agres­sor”, afir­mou ele.

No fim do pro­ces­so, mes­mo com o avan­ço pes­so­al, F.D.C. viu que ain­da pre­ci­sa­va de aju­da, por ter pro­ble­mas com be­bi­das al­coó­li­cas. Se­pa­ra­do da mu­lher, por con­ta do pro­ces­so de vi­o­lên­cia, ele bus­cou aju­da no Nú­cleo de Apoio à Mu­lher Ví­ti­ma de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e Fa­mi­li­ar, des­ta vez por con­ta pró­pria. “Fo­ram dois ou três me­ses de te­ra­pi­as re­fle­xi­vas, já no fi­nal ti­ve uma re­caí­da. Fui no gru­po de te­ra­pia e pe­di à juí­za que me pren­des­se. Ela dis­se que pe­la mi­nha sin­ce­ri­da­de, me­re­cia uma opor­tu­ni­da­de. O Nam­vid não só me aju­dou, como tam­bém, res­ga­tou a mi­nha dig­ni­da­de”, lem­bra com or­gu­lho de re­co­nhe­cer que ne­ces­si­ta­va de aju­da.

Tem­pos de­pois, F.D.C. con­cluiu o pro­ces­so das par­ti­ci­pa­ções no gru­po, e re­to­mou o seu ca­sa­men­to, co­me­çan­do uma no­va his­tó­ria. De acor­do com as in­for­ma­ções do pró­prio Nú­cleo, o ín­di­ce de rein­ci­dên­cia en­vol­ven­do os pro­ces­sos dos par­ti­ci­pan­tes é ze­ro, um re­sul­ta­do sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra o tra­ba­lho re­a­li­za­do pe­lo Nam­vid. O pro­je­to de­ve ex­pan­dir ao lon­go dos anos e aten­der ou­tros mu­ni­cí­pi­os, che­gan­do à to­ta­li­da­de no Es­ta­do. Pa­ra is­so, ca­pa­ci­ta­ções são pro­gra­ma­das e re­a­li­za­das pa­ra aten­der os mais de 200 ho­mens, que com­põem uma lis­ta pa­ra as pró­xi­mas tur­mas do gru­po re­fle­xi­vo.

// Gru­po Al­fa pro­du­ziu ma­té­ria so­bre o Nú­cleo de Apoio à Mu­lher

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.