A re­li­gião na his­tó­ria II

Novo Jornal - - Cotidiano - Mé­di­co Ge­ral­do Fer­rei­ra ge­ral­do­fer­rei­ra@no­vo­no­ti­ci­as.com

Se há no ser hu­ma­no um pe­no­so sen­so de im­per­fei­ção mo­ral, o pe­ca­do é cen­tral na men­sa­gem de sal­va­ção das re­li­giões. É a aver­são ao pe­ca­do que re­for­ça a co­e­são e for­ta­le­ce a Igre­ja. Paulo, ma­gis­tral­men­te lis­ta aos Gá­la­tas que evi­tem for­ni­ca­ção, im­pu­re­za, li­ber­ti­na­gem, ido­la­tria, fei­ti­ça­ria, ini­mi­za­des, bri­gas, ciú­mes, ira, dis­cus­sões, dis­cór­dia, dis­sen­ções, in­ve­jas, be­be­dei­ras, or­gi­as e ou­tras coi­sas se­me­lhan­tes. Pa­ra Ro­bert Wright em A Evo­lu­ção de Deus, sal­vo fei­ti­ça­ria e ido­la­tria, que se re­fe­rem à te­o­lo­gia, be­be­dei­ras e or­gi­as, que tor­nam as pes­so­as ir­res­pon­sá­veis e im­pro­du­ti­vas pa­ra a sociedade, ou ex­ces­sos se­xu­ais como for­ni­ca­ção e li­ber­ti­na­gem, que po­de­ri­am ame­a­çar a con­gre­ga­ção, ame­a­çan­do ca­sa­men­tos, os ou­tros itens a evi­tar cla­ra­men­te são de­sa­gre­ga­do­res e des­vi­os da men­sa­gem cen­tral do Cris­ti­a­nis­mo, o amor fra­ter­no.

A crí­ti­ca fe­roz de vi­o­lên­cia, in­to­le­rân­cia ou fa­na­tis­mo, in­cen­ti­va­das por su­as es­cri­tu­ras, se­gun­do Daniel Den­nett , é con­tras­ta­da com pas­sa­gens sa­pi­en­ci­ais, de paz, mi­se­ri­cór­dia e per­dão. O Al­co­rão, ape­sar da frequên­cia de pas­sa­gens be­li­ge­ran­tes, ou dos ver­sí­cu­los Jiha­dis­tas, on­de se lê foi or­de­na­do a lu­tar con­tra to­dos os ho­mens até eles di­ze­rem não há deu­ses se­não Deus, que se ma­tem os po­li­teís­tas on­de quer que os en­con­trem, que abor­dam o tor­men­to dos ini­mi­gos do Is­lam, enal­te­ce os que con­têm o ran­cor e in­dul­tam as ou­tras pes­soa - e Deus ama os ben­fei­to­res, re­vi­da o mal com o que é melhor, saú­da os opo­nen­te com paz, são re­tos con­vos­co se­de re­tos com eles, por cer­to Deus ama os pi­e­do­sos, se eles se in­cli­nam à paz, in­cli­na-te tam­bém a ela, e con­fia em Deus, qui­çá Deus fa­ça exis­tir a boa von­ta­de en­tre vós e aque­les com quem vos ini­mi­zas­tes, Deus é oni­po­ten­te, e Deus é mi­se­ri­cor­di­o­so. Ch­ris­topher Daw­son diz que são frá­geis e vul­ne­rá­veis as bar­rei­ras que se­pa­ram a ci­vi­li­za­ção da bar­bá­rie, e que são os ele­men­tos ra­ci­o­nais e es­pi­ri­tu­ais de uma cul­tu­ra que de­ter­mi­nam sua ati­vi­da­de cri­a­ti­va.

Pa­ra Ro­bert Wright, as es­cri­tu­ras tem sua im­por­tân­cia, po­den­do mol­dar o com­por­ta­men­to, em­bo­ra se di­ga que é mais co­mum o com­por­ta­men­to mol­dar a in­ter­pre­ta­ção das es­cri­tu­ras. Quando as pes­so­as es­tão im­pe­li­das a um pro­pó­si­to, bus­cam mo­ti­vos que as jus­ti­fi­quem. O Deus se­ve­ro da Bí­blia he­brai­ca, que manda pas­sar ini­mi­gos no fio da es­pa­da, é o mes­mo Deus do ama­rás o teu pró­xi­mo como a ti mes­mo, que veio a tor­nar-se o pi­lar bí­bli­co do in­ter­na­ci­o­na­lis­mo, do con­cei­to de fra­ter­ni­da­de mun­di­al e da igual­da­de es­sen­ci­al de to­da hu­ma­ni­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.