Pa­ra MPF, Hen­ri­que ten­ta ocul­tar bens e va­lo­res de pro­pi­na

Em no­va ope­ra­ção, ba­ti­za­da de La­vat, PF cum­pre 22 man­da­dos de bus­ca e apre­en­são, 3 de prisão tem­po­rá­ria e 2 de con­du­ção co­er­ci­ti­va con­tra as­ses­so­res e fa­mi­li­a­res do ex-mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Hen­ri­que Edu­ar­do Al­ves, pre­so des­de ju­nho

Novo Jornal - - Primeira Página - Na­tá­lia No­ro

Mes­mo pre­so, o ex-de­pu­ta­do fe­de­ral e ex-mi­nis­tro do Tu­ris­mo Hen­ri­que Edu­ar­do Al­ves con­ti­nua ar­ti­cu­lan­do es­que­mas de la­va­gem de di­nhei­ro, se­gun­do afir­mam a Po­lí­cia Fe­de­ral e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Em entrevista co­le­ti­va re­a­li­za­da on­tem (26), re­pre­sen­tan­tes des­tas ins­ti­tui­ções re­ve­la­ram de­ta­lhes da Ope­ra­ção La­vat, de­fla­gra­da em de­cor­rên­cia de in­ves­ti­ga­ções que apon­ta­ram sus­pei­tas de que o ca­ci­que do PMDB, en­car­ce­ra­do, da­va or­dem aos seus as­ses­so­res no sen­ti­do de ocul­ta­ção de bens, trans­fe­rên­cia de pa­trimô­ni­os ob­ti­dos com di­nhei­ro ilí­ci­to e es­que­mas frau­du­len­tos en­vol­ven­do con­vê­ni­os de pre­fei­tu­ras do Rio Gran­de do Nor­te.

Com a con­ti­nui­da­de das in­ves­ti­ga­ções após a Ope­ra­ção Ma­nus, que re­sul­tou na prisão do pe­e­me­de­bis­ta, os in­ves­ti­ga­do­res ob­ser­va­ram que, ape­sar de ter di­mi­nuí­do a in­fluên­cia de Hen­ri­que Al­ves nos mi­nis­té­ri­os, ha­via uma con­ti­nui­da­de na ar­ti­cu­la­ção lo­cal. A PF des­ta­cou a atu­a­ção no mu­ni­cí­pio de Ní­sia Flo­res­ta, on­de fo­ram apre­en­di­dos do­cu­men­tos pa­ra aná­li­se so­bre pro­ce­di­men­tos ado­ta­dos por ser­vi­do­res pú­bli­cos e em­pre­sas que atu­a­ram nos pro­ces­sos.

A Pre­fei­tu­ra do mu­ni­cí­pio emi­tiu uma no­ta de es­cla­re­ci­men­to na qual afir­ma que, em­bo­ra não se­ja alvo di­re­to, es­tá pres­tan­do to­dos os es­cla­re­ci­men­tos ne­ces­sá­ri­os no que diz res­pei­to à Ope­ra­ção La­vat e ma­ni­fes­ta seu apoio e co­la­bo­ra­ção com as in­ves­ti­ga­ções em cur­so. “O cum­pri­men­to do man­da­do de bus­ca e apre­en­são ex­pe­di­do na Ope­ra­ção La­vat ocor­reu ex­clu­si­va­men­te no se­tor de li­ci­ta­ção e no ga­bi­ne­te do se­cre­tá­rio de Fi­nan­ças do Mu­ni­cí­pio de Ní­sia Flo­res­ta, não ten­do qual­quer or­dem di­re­ci­o­na­da ao pre­fei­to ou a ser cum­pri­da no seu ga­bi­ne­te”, diz o tex­to.

Se­gun­do os in­ves­ti­ga­do­res, o es­que­ma frau­du­len­to fun­ci­o­na­va com o di­re­ci­o­na­men­to de li­ci­ta­ções pa­ra em­pre­sas que já en­tram no cer­ta­me li­ci­ta­tó­rio com a de­ci­são de que se­rá a ven­ce­do­ra. Além dis­so, ha­via a de­ter­mi­na­ção pa­ra que as con­tra­ta­das fin­gis­sem que re­ce­be­ram os va­lo­res pe­la pres­ta­ção de ser­vi­ço e par­te des­se mon­tan­te se­ria des­vi­a­do in­di­re­ta­men­te pa­ra os as­ses­so­res do ex-de­pu­ta­do fe­de­ral. Os con­vê­ni­os fir­ma­dos en­tre o go­ver­no fe­de­ral e as pre­fei­tu­ras, por meio dos Mi­nis­té­ri­os do Tu­ris­mo e da Agri­cul­tu­ra, so­mam R$ 5,5 mi­lhões. Ain­da se­rá in­ves­ti­ga­do o per­cen­tu­al da even­tu­al pro­pi­na dis­tri­buí­da pe­los par­ti­ci­pan­tes do es­que­ma.

A ou­tra con­du­ta cri­mi­no­sa ob­ser­va­da pe­los in­ves­ti­ga­do­res foi na ar­ti­cu­la­ção de Hen­ri­que Al­ves com os seus as­ses­so­res di­re­tos pa­ra a ocul­ta­ção de seus bens, si­mu­la­ção de ven­da e trans­fe­rên­cia de pa­trimô­nio pa­ra pes­so­as pró­xi­mas li­ga­das ao ex-mi­nis­tro. O prin­ci­pal sus­pei­to é o só­cio mi­no­ri­tá­rio da In­tetv Ca­bu­gi, Her­man Le­de­bour, que, se­gun­do a Po­lí­cia Fe­de­ral, era um dos res­pon­sá­vel pe­la la­va­gem de di­nhei­ro.

“Ele ti­nha um con­tro­le mui­to es­pe­cí­fi­co e am­plo de boa par­te dos bens de Hen­ri­que, da for­ma como es­ses bens se­ri­am trans­fe­ri­dos, do pa­ga­men­to de con­tas pes­so­ais do ex-de­pu­ta­do, das trans­fe­rên­ci­as ban­cá­ri­as e de bens. En­tão ele era um ad­mi­nis­tra­dor de fa­to e ocul­ta­dor des­se pa­trimô­nio”, afir­ma o de­le­ga­do da PF, Os­val­do Sca­le­zi.

Um de­le­ga­do e seis po­li­ci­as fe­de­rais re­a­li­za­ram man­da­do de bus­ca e apre­en­são na emis­so­ra de te­le­vi­são fi­li­a­da à Re­de Globo no Rio Gran­de do Nor­te por vol­ta das 5h30 da ma­nhã. Na oca­sião, os agen­tes le­va­ram có­pi­as de ba­lan­ços fis­cais des­de 2013. Em re­la­ção à em­pre­sa, os re­pre­sen­tan­tes dos ór­gãos de in­ves­ti­ga­ção ga­ran­tem que ela não es­tá in­clu­sa na ope­ra­ção, fun­ci­o­nan­do ape­nas como lo­cal de tra­ba­lho do as­ses­sor en­vol­vi­do.

Além da ob­ten­ção de pro­vas atra­vés de in­ter­cep­ta­ções te­lefô­ni­cas, aná­li­ses do­cu­men­tais e do que já ha­via si­do apre­en­di­do na pri­mei­ra eta­pa da in­ves­ti­ga­ção, a Ope­ra­ção La­vat tam­bém foi an­co­ra­da com ba­se na de­la­ção pre­mi­a­da do em­pre­sá­rio Fred Qu­ei­roz, que con­fes­sou ter ope­ra­do R$ 11 mi­lhões de re­ais pa­ra a cam­pa­nha de Hen­ri­que Al­ves ao Go­ver­no do Es­ta­do em 2014. Qu­ei­roz tam­bém foi pre­so na Ope­ra­ção Ma­nus, sen­do li­be­ra­do de­pois que sua de­la­ção foi ho­mo­lo­ga­da.

PRI­SÕES E MAN­DA­DOS

A La­vat é um des­do­bra­men­to da Ope­ra­ção Ma­nus, de­fla­gra­da em ju­nho des­te ano, que re­sul­tou na prisão de Hen­ri­que Al­ves após in­ves­ti­ga­ções de cor­rup­ção ati­va e pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro na cons­tru­ção da Are­na das Du­nas. Além das bus­cas na se­de do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo, em Brasília, os man­da­dos tam­bém abran­ge­ram os mu­ni­cí­pi­os de Natal, Par­na­mi­rim, Ní­sia Flo­res­ta, São Jo­sé de Mi­pi­bu e An­gi­cos, no RN, nos en­de­re­ços pes­so­ais, fun­ci­o­nais e em­pre­sa­ri­ais dos en­vol­vi­dos.

A Ope­ra­ção con­tou com a ação de 110 po­li­ci­ais fe­de­rais no cum­pri­men­to de 27 man­da­dos ju­di­ci­ais, den­tre eles 22 man­da­dos de bus­ca e apre­en­são, que atin­giu o pro­cu­ra­dor e re­pre­sen­tan­te de Hen­ri­que, Her­man Le­de­bour, três pri­sões tem­po­rá­ria en­vol­ven­do os as­ses­so­res Aluí­sio Hen­ri­que Du­tra de Al­mei­da, Jo­sé Ge­ral­do Mou­ra Fon­se­ca Jú­ni­or e Nor­ton Do­min­gues Ma­se­ra, che­fe da as­ses­so­ria par­la­men­tar do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo.

Tam­bém hou­ve du­as con­du­ções co­er­ci­ti­vas em que Do­mi­ci­ni­a­no Fernandes da Silva e Fer­nan­do Leitão de Moraes Jú­ni­or fo­ram le­va­dos pa­ra pres­tar de­poi­men­to. O ob­je­ti­vo das me­di­das foi a ar­re­ca­da­ção de pro­vas e de­poi­men­tos de in­ves­ti­ga­dos em re­la­ção a ma­no­bras que es­ta­vam sen­do re­a­li­za­das mes­mo após a prisão de Hen­ri­que Al­ves.

A es­co­lha do no­me da Ope­ra­ção La­vat, as­sim como a an­te­ces­so­ra Ma­nus, faz re­fe­rên­cia a um pro­vér­bio la­ti­no. Em la­tim, “Ma­nus Ma­num Fri­cat, Et Ma­nus Ma­nus La­vat” sig­ni­fi­ca: uma mão es­fre­ga a ou­tra; uma mão lava a ou­tra.

FRANKIE MARCONE / NO­VO

// Re­pre­sen­tan­tes da Po­lí­cia Fe­de­ral e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral ex­pli­ca­ram de­ta­lhes da Ope­ra­ção La­vat

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.