Fa­to­res que le­va­ram ao tí­tu­lo

Novo Jornal - - Esportes -

Lewis Ha­mil­ton po­de atri­buir o tí­tu­lo con­quis­ta­do nes­te do­min­go, no Mé­xi­co, a dois fa­to­res: às tra­pa­lha­das da Fer­ra­ri na se­gun­da me­ta­de do cam­pe­o­na­to e à in­crí­vel re­gu­la­ri­da­de que vem exi­bin­do na ca­te­go­ria nos úl­ti­mos anos.

O pi­lo­to da Mer­ce­des co­me­çou a tem­po­ra­da de 2017 com uma pos­tu­ra dis­cre­ta, ofus­ca­do pe­lo ale­mão Se­bas­ti­an Vet­tel e até pe­lo no­vo com­pa­nhei­ro de equi­pe, o fin­lan­dês Valt­te­ri Bot­tas. Mes­mo sem ser o pro­ta­go­nis­ta do cam­pe­o­na­to, co­mo vi­nha acon­te­cen­do desde 2014, se man­te­ve en­tre os pri­mei­ros co­lo­ca­dos.

Es­sa re­gu­la­ri­da­de é uma das prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas do in­glês desde sua es­treia na ca­te­go­ria em 2007. Nes­tes 10 anos, nun­ca dei­xou de lar­gar em uma cor­ri­da - dis­pu­tou 205 GPs. Só es­tá atrás do ale­mão Ni­co Ros­berg, que tem 206 e se­rá su­pe­ra­do ain­da nes­te ano. Por­tan­to, lo­go o in­glês as­su­mi­rá es­te re­cor­de.

Co­mo con­sequên­cia, se tor­nou o re­cor­dis­ta de pon­tos so­ma­dos na história, de­ten­do ain­da a me­lhor mé­dia por cor­ri­da dis­pu­ta­da, ain­da que es­ta mar­ca de­va ser re­la­ti­vi­za­da di­an­te das fre­quen­tes mu­dan­ças no sis­te­ma de pon­tu­a­ção e no número de pro­vas da F-1 desde a sua cri­a­ção.

A re­gu­la­ri­da­de ge­rou a opor­tu­ni­da­de na 13.ª das 20 eta­pas do cam­pe­o­na­to des­te ano. Foi no GP da Itá­lia, no início de se­tem­bro, que o in­glês apro­vei­tou a sequên­cia de fa­lhas da Fer­ra­ri para des­ban­car Vet­tel da li­de­ran­ça. Na 1.ª co­lo­ca­ção, ga­nhou “gor­du­ra” na ta­be­la na cor­ri­da se­guin­te, em Cin­ga­pu­ra, quan­do Vet­tel e o com­pa­nhei­ro Ki­mi Raik­ko­nen es­pre­me­ram o ho­lan­dês Max Vers­tap­pen na lar­ga­da - o ale­mão não com­ple­tou a pro­va.

Na pa­ra­da se­guin­te do cam­pe­o­na­to, na Malásia, a van­ta­gem ga­nhou cor­po di­an­te dos pro­ble­mas nos mo­to­res da Fer­ra­ri. Por iro­nia do des­ti­no, a equi­pe italiana ti­nha o car­ro mais ve­loz nes­tas du­as eta­pas e a Mer­ce­des es­ta­va lon­ge de exi­bir a sua me­lhor forma nes­tes úl­ti­mos anos. Não por aca­so Vet­tel lar­gou em úl­ti­mo na Malásia e conseguiu ter­mi­nar em 4.º.

A si­tu­a­ção se tor­nou in­sus­ten­tá­vel para a Fer­ra­ri no Japão, lo­go na cor­ri­da se­guin­te, quan­do uma no­va fa­lha no mo­tor ti­rou Vet­tel da pis­ta nas pri­mei­ras vol­tas. Ha­mil­ton não per­do­ou e ven­ceu, abrin­do 59 pon­tos de van­ta­gem. Ain­da cam­ba­le­an­do, a Fer­ra­ri não te­ve for­ças para se re­cu­pe­rar nos Es­ta­dos Uni­dos, pois Vet­tel fi­cou atrás do ri­val mais uma vez. E, no Mé­xi­co, o in­glês con­ver­teu no­va­men­te a sua re­gu­la­ri­da­de em tí­tu­lo, após dei­xar es­ca­par na tem­po­ra­da pas­sa­da o tro­féu que pa­re­cia per­to mas aca­bou nas mãos de Ros­berg.

O te­tra­cam­pe­o­na­to co­ro­ou a grande tem­po­ra­da do pi­lo­to da Mer­ce­des. Mes­mo ain­da fal­tan­do du­as eta­pas para o fim do Mundial, Ha­mil­ton os­ten­ta no­ve vi­tó­ri­as e 11 po­les po­si­ti­ons no ano.

É com es­ta per­for­man­ce que ele en­tra no clu­be dos gran­des cam­peões da história da Fór­mu­la 1. O mais no­vo te­tra da ca­te­go­ria se igua­la ao fran­cês Alain Prost e ao pró­prio Vet­tel em número de tí­tu­los. Fi­ca­rá atrás so­men­te do ar­gen­ti­no Ju­an Ma­nu­el Fan­gio, do­no de cin­co tro­féus, e do re­cor­dis­ta Mi­cha­el Schu­ma­cher, cam­peão se­te ve­zes do Mundial de Pi­lo­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.