Pé di­a­bé­ti­co atin­ge mais de 12,5 mi­lhões de pes­so­as no Bra­sil

O Diário do Norte do Paraná - - SAÚDE - Da Redação re­da­cao@odi­a­rio.com

O di­a­be­tes é uma do­en­ça si­len­ci­o­sa que, quan­do não tra­ta­da e con­tro­la­da, ge­ra inú­me­ras com­pli­ca­ções. Se­gun­do da­dos pu­bli­ca­dos na oi­ta­va edi­ção do Di­a­be­tes Atlas, de­sen­vol­vi­do pe­la Fe­de­ra­ção Internacional de Di­a­be­tes, exis­tem 435 mi­lhões de di­a­bé­ti­cos no mun­do e a pre­vi­são é que até 2045 es­se nú­me­ro su­ba pa­ra 629 mi­lhões. Só no Bra­sil, quin­to país em nú­me­ro de in­di­ví­du­os com di­a­be­tes aci­ma de 65 anos, já são 12,5 mi­lhões de pes­so­as di­ag­nos­ti­ca­das com a do­en­ça.

A quan­ti­da­de de pes­so­as com a do­en­ça no país e no mun­do é um da­do pre­o­cu­pan­te. Po­rém, quan­do ava­li­a­mos os nú­me­ros de mor­tes cau­sa­das por com­pli­ca­ções do di­a­be­tes, a si­tu­a­ção fi­ca ain­da mais alar­man­te. Só no ano de 2017, fo­ram re­gis­tra­dos 4 mi­lhões de mor­tes por pro­ble­mas de saú­de re­la­ci­o­na­dos ao di­a­be­tes.Den­tre as com­pli­ca­ções mais sé­ri­as es­tão: a re­ti­no­pa­tia di­a­bé­ti­ca (per­da de vi­são), a ne­fro­pa­tia (le­são ou do­en­ça nos rins), a neu­ro­pa­tia (quan­do os ner­vos não fun­ci­o­nam cor­re­ta­men­te) e o pé di­a­bé­ti­co (fe­ri­das de di­fí­cil ci­ca­tri­za­ção nos pés que po­dem le­var a des­bri­da­men­tos ou até mes­mo am­pu­ta­ção do mem­bro).

Pes­qui­sas apon­tam que a am­pu­ta­ção do mem­bro in­fe­ri­or é de 10 a 20 ve­zes mai­or na po­pu- la­ção com di­a­be­tes do que na po­pu­la­ção ge­ral.

O pa­ci­en­te di­a­bé­ti­co pre­ci­sa to­mar mui­to cui­da­do com a “saú­de dos pés”. Além da di­fi­cul­da­de de ci­ca­tri­za­ção, ele po­de so­frer com a neu­ro­pa­tia di­a­bé­ti­ca - uma com­pli­ca­ção que cau­sa for­mi­ga­men­to, fra­que­za e per­da de sen­si­bi­li­da­de. “A neu­ro­pa­tia di­fi­cul­ta a per­cep­ção do ca­lor, frio e até mes­mo de pe­que­nos trau­mas. Quan­do o pa­ci­en­te per­ce­be, ele já po­de es­tar com uma le­são gran­de e evo­luí­da”, aler­ta Matheus Ca­vi­chi­o­li, ci­rur­gião vas­cu­lar na clí­ni­ca En­do­vas­cu­lar São Pau­lo. O ca­so de um pa­ci­en­te aten­di­do por Ca­vi­chi­o­li, mos­trou a im­por­tân­cia de se fa­lar so­bre o as­sun­to e aler­tar as pes­so­as, prin­ci­pal­men­te os di­a­bé­ti­cos, so­bre os ris­cos de um fe­ri­men­to nos pés e co­mo é ne­ces­sá­rio um tra­ta­men­to rá­pi­do e pa­ra con­se­guir a re­cu­pe­ra­ção e evi­tar a am­pu­ta­ção.

“Tra­tei de um pa­ci­en­te, de 72 anos, com his­tó­ri­co de han­se­nía­se na ju­ven­tu­de. Co­mo se­que­la da do­en­ça, ele per­deu a sen­si­bi­li­da­de dos pés e de­sen­vol­veu uma gran­de fe­ri­da no lo­cal. Fi­ze­mos vá­ri­as cirurgias e cu­ra­ti­vos in­ten­si­vos pa­ra ten­tar fe­char a fe­ri­da, po­rém quan­do ele vol­ta­va a an­dar ou, sim­ples­men­te, apoi­ar o pé no chão, a fe­ri­da abria no­va­men­te. Só con­se­gui­mos uma ci­ca­tri­za­ção to­tal quan­do op­ta­mos pe­lo tra­ta­men­to com bo­ta or­to­pé­di­ca TCC -EZ lo­go após a ci­rur­gia. A bo­ta evi­ta atri­to e so­bre­car­ga no pon­to de mai­or pres­são da fe­ri­da, in­ter­rom­pen­do o ci­clo da úl­ce­ra e pos­si­bi­li­tan­do um re­sul­ta­do de 100% de cu­ra. “, re­la­ta o ci­rur­gião vas­cu­lar.

— DI­VUL­GA­ÇÃO

FI­CAR ATENTO. O pa­ci­en­te di­a­bé­ti­co pre­ci­sa to­mar mui­to cui­da­do com a “saú­de dos pés”, pois, além da di­fi­cul­da­de de ci­ca­tri­za­ção, ele po­de so­frer com a neu­ro­pa­tia di­a­bé­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.