Fu­ja das ci­la­das do pla­no de saú­de

Ler o con­tra­to, ve­ri­fi­car as ca­rên­ci­as e as co­ber­tu­ras são di­cas pa­ra evi­tar ter pro­ble­mas com ope­ra­do­ras

O Dia - - ECONOMIA SERVIDOR - MARTHA IMENES martha.imenes@odia.com.br

Um che­fe de fa­mí­lia as­sa­la­ri­a­do so­fre um aci­den­te do­més­ti­co e que­bra o bra­ço. Mu­ni­do de car­tei­ri­nha do pla­no de saú­de e iden­ti­da­de, pe­de ao vi­zi­nho que o le­ve até a uma clí­ni­ca. Aí co­me­çam os pro­ble­mas do “as­sis­ti­do”, ou me­lhor “de­sas­sis­ti­do”. O con­vê­nio mé­di­co em ques­tão não da­va di­rei­to a aten­di­men­to de or­to­pe­dis­ta. Co­me­ça, en­tão, uma ver­da­dei­ra cru­za­da pa­ra con­se­guir aten­di­men­to mé­di­co. O ca­so é fic­ção, mas faz par­te do co­ti­di­a­no de mi­lha­res de pes­so­as que pen­sam es­tar se­gu­ras com o seu pla­no, mas não sa­bem que com­pra­ram “ga­to por le­bre”.

“Nos pla­nos in­di­vi­du­ais e co­le­ti­vos é im­por­tan­te co­nhe­cer pra­zos de ca­rên­cia, co­ber­tu­ras, pro­ce­di­men­tos, re­de de cre­den­ci­a­men­to, de pro­fis­si­o­nais, hos­pi­tais, clí­ni­cas e la­bo­ra­tó­ri­os”, aler­ta Mar­ce­lo Sou­za, da Flap Cor­re­to­ra de Se­gu­ros.

Ou­tros pon­tos re­le­van­tes des­ta­ca­dos pe­lo cor­re­tor é ter in­for­ma­ções so­bre a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra da ope­ra­do­ra es­co­lhi­da.

“Is­so po­de ser fei­to no si­te da Agência Na­ci­o­nal de Saú­de (ANS), na mes­ma pá­gi­na é pos­sí­vel ve­ri­fi­car os grá­fi­cos de aten­di­men­tos fei­tos e re­cu­sa­dos de to­dos os pla­nos de saú­de co­mer­ci­a­li­za­dos no país. E ain­da se o pla­no que es­tá sen­do ven­di­do per­ma­ne­ce au­to­ri­za­do pe­la ANS”, ori­en­ta Mar­ce­lo Sou­za.

Va­le lem­brar que a ANS di­vul­ga com frequên­cia lis­ta de pla­nos de saú­de que te­rão a ven­da sus­pen­sa de­vi­do a re­cla­ma­ções so­bre co­ber­tu­ra as­sis­ten­ci­al. A úl­ti­ma lis­ta­gem que saiu foi no dia 1 des­te mês, re­la­ti­va ao se­gun­do tri­mes­tre des­te ano. En­tre as quei­xas, es­tão ne­ga­ti­vas e de­mo­ra no aten­di­men­to. A me­di­da, se­gun­do a ANS, atin­giu 41 pla­nos de dez ope­ra­do­ras e a sus­pen­são da ven­da co­me­çou a par­tir do úl­ti­mo dia 8. O nú­me­ro de be­ne­fi­ciá­ri­os dos pla­nos sus­pen­sos é de 175.071.

Se­gun­do a ANS, os cli­en­tes con­ti­nu­am a ter as­sis­tên­cia re­gu­lar. A co­mer­ci­a­li­za­ção só é sus­pen­sa pa­ra no­vos

con­su­mi­do­res. As ope­ra­do­ras que ne­ga­ram in­de­vi­da­men­te co­ber­tu­ra tam­bém po­dem ser mul­ta­das. Um ou­tro pon­to sa­li­en­ta­do por Clau­dio Zog­bi, da cor­re­to­ra Uni­ted­class, é a im­por­tân­cia de con­tra­tar o ser­vi­ço por meio de um cor­re­tor ca­das­tra­do. “Na ver­da­de tu­do o que for acer­ta­do es­ta­rá no pa­pel. Se o cli­en­te fi­zer o pla­no de saú­de com um cor­re­tor ca­das­tra­do ele não te­rá pro­ble­ma”, ga­ran­te Zog­bi.

E aler­ta: “É im­por­tan­te o se­gu­ra­do pro­cu­rar uma cor­re­to­ra que te­nha có­di­go nas ope­ra­do­ras”, diz. “Ca­da cor­re­tor é ca­das­tra­do nas em­pre­sas com seu có­di­go. Se hou­ver al­gum ti­po de fal­ca­trua ele per­de es­se nú­me­ro de ca­das­tro”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.