Ave­ni­da Bra­sil, do trân­si­to e da in­se­gu­ran­ça

Em obras des­de 2015, a via, cam­peã de de­li­tos, tem no­va in­ter­di­ção a par­tir de ho­je

O Dia - - ESPECIAL - GUS­TA­VO RIBEIRO gus­ta­vo.ribeiro@odia.com.br

An­tes das obras do BRT da Ave­ni­da Bra­sil, o grá­fi­co Car­los Al­ber­to da Silva, 62 anos, po­dia sair às 6h30 de ca­sa, em An­chi­e­ta, que che­ga­va tran­qui­la­men­te às 8h ao tra­ba­lho, em Xe­rém. Ago­ra, dor­me me­nos e tem que sair às 5h15 pa­ra não se atra­sar. “Es­pe­ro que es­se con­ges­ti­o­na­men­to ter­mi­ne lo­go”, dis­se, de­bai­xo de sol a pi­no, en­quan­to su­bia uma pas­sa­re­la. O per­ren­gue diá­rio, que se ar­ras­ta des­de ja­nei­ro de 2015, de­ve du­rar pe­lo me­nos mais dez me­ses, já que a pre­vi­são pa­ra con­clu­são do pri­mei­ro tre­cho do corredor de ôni­bus, en­tre De­o­do­ro e Ca­ju, é ju­lho de 2018. En­quan­to is­so, no­va fa­se de in­ter­di­ção co­me­ça ho­je: qua­tro fai­xas da pis­ta cen­tral, sen­ti­do Cen­tro, se­rão to­tal­men­te fe­cha­das, em um tre­cho de 4,5 quilô­me­tros.

No carro, no co­le­ti­vo ou no pon­to de ôni­bus, a sen­sa­ção é que os en­gar­ra­fa­men­tos pa­re­cem mes­mo ser a mai­or quei­xa dos ca­ri­o­cas que cru­zam di­a­ri­a­men­te a mai­or via ex­pres­sa do Rio. Mas os pro­ble­mas da ave­ni­da que os­ten­ta o no­me do país não se re­su­mem aos trans­tor­nos das obras. Um raio-x re­a­li­za­do pe­lo DIA, ao lon­go de seus 58 quilô­me­tros, mos­tra ou­tros de­sa­fi­os his­tó­ri­cos.

Qu­an­do o as­sun­to é trân­si­to, o tre­cho blo­que­a­do a par­tir de ho­je (en­tre a pas­sa­re­la 14, na Pe­nha, e o Tre­vo das Mis­sões, em Cor­do­vil) ten­de a ser o mais afe­ta­do. Na mes­ma al­tu­ra, sen­ti­do Zo­na Oes­te, a pis­ta cen­tral, que es­ta­va in­ter­di­ta­da, fi­cou pron­ta e se­rá li­be­ra­da tam­bém ho­je. Até que os mo­to­ris­tas se acos­tu­mem com as mudanças, são pre­vis­tos im­pac­tos nos des­vi­os das pas­sa­re­las 19 e 18, de ma­nhã, sen­ti­do Cen­tro, e da pas­sa­re­la 14, à tar­de, no sen­ti­do con­trá­rio. Da pas­sa­re­la 9, em Ra­mos, até a 14, na Pe­nha, con­ti­nu­am in­ter­di­ta­dos 2,9 quilô­me­tros da pis­ta cen­tral pa­ra a Zo­na Oes­te.

Ro­de­a­da por 37 co­mu­ni­da­des, a Bra­sil é a via ex­pres­sa do Rio com mai­or quan­ti­da­de de ocor­rên­ci­as cri­mi­no­sas, em com­pa­ra­ção com as es­ta­tís­ti­cas iso­la­das das li­nhas Ver­me­lha e Ama­re­la e da Tran­so­lím­pi­ca. Quem afir­ma é o Ba­ta­lhão de Po­li­ci­a­men­to em Vi­as Es­pe­ci­ais (BPVE), que, por ques­tões es­tra­té­gi­cas, não des­trin­cha es­ses nú­me­ros. O Ins­ti­tu­to de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca tam­bém não di­vul­ga da­dos es­pe­cí­fi­cos so­bre a via.

Co­mo o DIA di­vul­gou na sé­rie ‘Pas­sa­gei­ros da Ago­nia’, em ja­nei­ro, os 3,7 quilô­me­tros que mar­gei­am o Com­ple­xo da Ma­ré, en­tre as pas­sa­re­las 5 e 9, li­de­ram o ran­king de as­sal­tos a ôni­bus do es­ta­do, com 1.633 ví­ti­mas no ano pas­sa­do.

A ma­jor Fa­bi­a­na Silva de Sou­za, sub­co­man­dan­te do BPVE, enu­me­ra pos­sí­veis mo­ti­vos pa­ra a Bra­sil ser a via ex­pres­sa com mais de­li­tos. “Ex­ten­são; pro­xi­mi­da­de de co­mu­ni­da­des; in­fi­ni­da­de de aces­so e ro­tas de fu­gas; aces­sos a ro­do­vi­as es­ta­du­ais; con­cen­tra­ção de pon­tos de ôni­bus e cir­cu­la­ção de pessoas; flu­xo de veí­cu­los e li­vre cir­cu­la­ção de ca­mi­nhões.”

Se­gun­do a ma­jor, rou­bo de rua (que abran­ge rou­bos a co­le­ti­vos, a tran­seun­tes e de ce­lu­lar) é o de­li­to de mai­or im­pac­to do Ca­ju ao Tre­vo das Mis­sões. É jus­ta­men­te o tre­cho em que se con­cen­tra o au­men­to da po­pu­la­ção em pon­tos de ôni­bus. En­tre o Tre­vo das Mis­sões e San­ta Cruz, o cri­me prin­ci­pal é rou­bo de veí­cu­los.

O téc­ni­co em se­gu­ran­ça do tra­ba­lho Jor­ge Fei­to­sa, 35, man­tém a aten­ção re­do­bra­da en­quan­to es­pe­ra o ôni­bus pa­ra No­va Igua­çu na en­tra­da da Vi­la do João. “Nun­ca fui as­sal­ta­do aqui, mas co­le­gas que an­dam em ôni­bus de uma por­ta só, ti­po fres­cões, re­la­tam que es­ses são os mais as­sal­ta­dos”, de­cla­rou.

O BPVE pos­sui pos­tos no Ca­ju, em Pa­ra­da de Lu­cas e em San­ta Cruz, mas re­ce­be re­for­ço de ou­tros ba­ta­lhões. A ma­jor Fa­bi­a­na atri­bui a que­da de pri­sões e apre­en­sões na via em 2017 (ver in­fo­grá­fi­co) ao re­for­ço que ha­via pa­ra a Olim­pía­da no ano pas­sa­do. De ja­nei­ro a se­tem­bro, o nú­me­ro de pre­sos caiu de 371, em 2016, pa­ra 275, es­te ano. Fu­zis apre­en­di­dos pas­sa­ram de cin­co pa­ra um.

Obras pa­ra o BRT Trans­bra­sil, de De­o­do­ro ao Ca­ju, ter­mi­nam em ju­lho do ano que vem

Pro­xi­mi­da­de de co­mu­ni­da­des, ex­ten­são, ro­tas de fu­ga e aces­sos a ro­do­vi­as são mo­ti­vos pa­ra a via ter tan­tos de­li­tos FA­BI­A­NA SILVA, sub­co­man­dan­te BPVE

MAR­CIO MERCANTE

Pis­ta cen­tral, no sen­ti­do Zo­na Oes­te, que es­ta­va blo­que­a­da pa­ra obras, se­rá li­be­ra­da nes­ta no­va fa­se

MAR­CIO MERCANTE

Jor­ge re­do­bra aten­ção no pon­to de ôni­bus em fren­te à Vi­la do João

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.