OS DISSABORES DE UMA VILÃ TALENTOSA

An­to­nio Car­los e Jo­ca­fi ce­le­bram no pal­co os 50 anos de car­rei­ra

O Dia - - FRONT PAGE - Ga­bri­el.so­brei­ra@odia.com.br

A atriz Da­ni­e­la Gal­li con­ta as pre­cau­ções que te­ve que to­mar pa­ra não so­frer com a ira do pú­bli­co con­tra sua per­so­na­gem ra­cis­ta em ‘Ma­lha­ção’.

Ga­nan­ci­o­sa, ego­cên­tri­ca, an­tié­ti­ca, ra­cis­ta, fal­sa, in­ve­jo­sa, clas­sis­ta, in­fi­el e ma­ni­pu­la­do­ra. Es­sas são ape­nas al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas de Ma­lu, a de­tes­tá­vel per­so­na­gem de Da­ni­e­la Gal­li em ‘Ma­lha­ção: Vi­va a Di­fe­ren­ça’, da Glo­bo. “Ado­ro ir à fei­ra e an­dar na rua. Mas evi­tei de pe­gar me­trô en­quan­to es­ta­vam no ar as ce­nas de ra­cis­mo con­tra El­len. An­tes e de­pois des­se blo­co, as pes­so­as fa­lam que odei­am a mi­nha per­so­na­gem, e pe­dem pa­ra ti­rar fo­to co­mi­go”, con­ta Da­ni­e­la Gal­li, aos ri­sos.

HUMILHAÇÃO

A sequên­cia a que a atriz se re­fe­re pro­vo­cou a ira de qu­em acom­pa­nha a no­ve­li­nha. Ma­lu, a ori­en­ta­do­ra do co­lé­gio, re­ce­be a no­va alu­na El­len (Hes­lai­ne Vi­ei­ra), que pas­sou pa­ra a ins­ti­tui­ção com no­ta má­xi­ma em um tes­te. An­tes da es­tu­dan­te en­trar na sa­la de au­la, a edu­ca­do­ra des­me­re­ce o fei­to da jo­vem e diz que, ape­sar da óti­ma no­ta, a ga­ro­ta só en­trou na es­co­la de fa­vor e que, en­quan­to El­len pas­sa as fé­ri­as em ca­sa, seus co­le­gas vi­a­jam pa­ra No­va York.

“A Ma­lu é mes­tre em di­zer as pi­o­res coi­sas do mun­do co­mo se não fos­se na­da. Aque­la fa­la foi mui­to di­fí­cil pa­ra mim, o ra­cis­mo é inad­mis­sí­vel, a El­len já ti­nha con­quis­ta­do a bol­sa que ten­tei im­pe­dir, por que tem que mi­nar a con­fi­an­ça da me­ni­na de en­trar na sa­la? Ter­mi­na­mos a ce­na, eu abra­cei a El­len e pe­di des­cul­pas. Me deu um em­bru­lho no estô­ma­go”, con­ta a atriz.

REVOLTA

Nas re­des so­ci­ais, os fãs são mais afoi­tos. En­quan­to no Ins­ta­gram os se­gui­do­res são um pou­co mais con­ti­dos, no Twit­ter eles perdem a li­nha de vez. “Os co­men­tá­ri­os vão des­de ‘Da­ni­e­la, pa­ra­béns pe­lo tra­ba­lho’ a ‘ Te­nho von­ta­de de vo­mi­tar’, ou ‘ ti­nha que ra­lar a ca­ra des­sa mu­lher na rua’”, lem­bra Da­ni­e­la, im­pres­sio- na­da. “Tem dias que dou um mer­gu­lho no mar pa­ra que o sal aju­de a ti­rar es­sa car­ga”, com­ple­ta a l ou­ra, com bom hu­mor.

Da­ni­e­la Gal­li - que, ape­sar do so­bre­no­me, não tem ne­nhum pa­ren­tes­co com a tam­bém atriz, e co­le­ga de elen­co, Ma­lu Gal­li - con­ta que vê a re­per­cus­são co­mo um fa­tor po­si­ti­vo. “É um elo­gio ao tra­ba­lho. Fi­ca­ria pre­o­cu­pa­da se não acon­te­ces­se. Pen­sa­ria que não es­tou fa­zen­do meu tra­ba­lho co­mo de­ve­ria ou en­tão que a so­ci­e­da­de es­tá ma­lu­ca por gos­tar de al­guém que faz es­sas coi­sas”, afir­ma ela, que é na­tu­ral de Cam­pi­nas (SP).

RE­TOR­NO

Ain­da que, na his­tó­ria de Cao Ham­bur­ger, Ma­lu te­nha con­se­gui­do vi­tó­ri­as co­mo pu­xar o ta­pe­te do co­le­ga Bó­ris e con­quis­ta­do o car­go de­le e se tor­na­do ori­en­ta­do­ra do co­lé­gio, ela tam­bém pa­ga por su­as mal­da­des. “Eu acre­di­to que a gen­te co­lhe o que plan­ta. A Ma­lu já re­ce­be coi­sas ruins. Ela es­tá con­quis­tan­do ódio e revolta dos alu­nos e de gen­te em vol­ta. Ela não per­ce­be, mas o re­tor­no vem, e até eu vou co­me­mo­rar”.

BROADWAY

For­ma­da em Ar­qui­te­tu­ra e Ur­ba­nis­mo, Da­ni­e­la já atu­ou co­mo ce­nó­gra­fa na Broadway, no Lin­coln Cen­ter for The Per­for­ming Arts, em No­va York, nos Es­ta­dos Uni­dos, e no cir­cui­to off-Broadway, co­mo são cha­ma­dos os te­a­tros me­no­res do que o fa­mo­so pal­co ame­ri­ca­no. “Ti­ve gran­de chan­ce de tra­ba­lhar com pro­fis­si­o­nais, ato­res, ce­nó­gra­fos e di­re­to­res in­crí­veis. Saí do Bra­sil ar­qui­te­ta e vol­tei atriz”, lem­bra ela, que fi­cou oi­to anos em No­va York.

A vol­ta pa­ra o Bra­sil veio sa­cra­men­ta­da quan­do ela foi

apro­va­da pa­ra se apre­sen­tar em um es­pe­tá­cu­lo na Broadway, mas co­mo ain­da não ti­nha o gre­en card - ela es­ta­va no pro­ces­so pa­ra o vis­to de re­si­dên­cia per­ma­nen­te nos Es­ta­dos Uni­dos há um ano e meio - te­ve que dar adeus à va­ga. “Pen­sei: ‘Qu­em sa­be não é o mo­men­to de eu ir pa­ra o Bra­sil?’ Qu­e­ria atu­ar no Bra­sil na mi­nha lín­gua. E foi o que eu fiz”, co­me­mo­ra ela, que já tem o gre­en card. De vol­ta à ter­ra na­tal, Da­ni­e­la, que es­tre­ou na TV em 2006, na no­ve­la ‘Pá­gi­nas da Vi­da’, da Glo­bo, fez ‘Man­dra­ke’, sé­rie da HBO, e fi­cou se­te anos tra­ba­lhan­do nas pro­du­ções da Re­cord. “Fui mui­to fe­liz”, re­su­me. Aos 43 anos e mãe do pe­que­no Ga­bri­el, de 2 anos e meio, do ca­sa­men­to com o ci­en­tis­ta de com­pu­ta­ção Yu­ri de Wit, Da­ni­e­la acha que ca­da fa­se da vi­da tem a sua be­le­za. “Me sin­to mui­to me­ni­na, em­bo­ra mais ma­du­ra”, fri­sa. E não des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de au­men­tar a fa­mí­lia. “Já con­ver­sa­mos so­bre is­so. Gos­ta­ría­mos que o Ga­bri­el ti­ves­se um ir­mão ou ir­mã. Es­tou com 43 anos e su­per­sau­dá­vel, tra­ba­lho mui­to e es­ta­mos mui­to fe­li­zes. Va­mos ver”, des­con­ver­sa, en­tre ri­sos.

Tem dias que dou um mer­gu­lho no mar pa­ra que o sal aju­de a ti­rar es­sa car­ga (ne­ga­ti­va)” DA­NI­E­LA GAL­LI, Atriz

QUAR­TA-FEI­RA, 15.11.2017 I

I QUAR­TA-FEI­RA, 15.11.2017 Na pá­gi­na ao la­do, Da­ni­e­la Gal­li em ce­nas de ‘Ma­lha­ção’ e nos bas­ti­do­res. No al­to, com o ma­ri­do e o fi­lho, Ga­bri­el

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.