Abas­te­ci­men­to de gás ca­ro e pe­ri­go­so

O Dia - - OPINIÃO - Sér­gio Ban­dei­ra de Mel­lo Pre­si­den­te do Sin­di­gás

Apro­pos­ta de re­car­ga de bo­ti­jões de GLP (po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­do como gás de co­zi­nha), de for­ma vo­lan­te, é in­viá­vel como ne­gó­cio. No Bra­sil, per­sis­te a ideia de que es­te mo­de­lo vai le­var o gás a pre­ços mais bai­xos pa­ra a so­ci­e­da­de, e ain­da per­mi­tir que o con­su­mi­dor com­pre a quan­ti­da­de que de­se­ja. No en­tan­to, es­tu­do da consultoria econô­mi­ca LCA ve­ri­fi­cou que per­mi­tir o mo­de­lo de en­chi­men­to par­ci­al e vo­lan­te de pe­que­nos ci­lin­dros fa­rá o con­su­mi­dor que pa­gar mais ca­ro pe­lo gás. A ra­zão é sim­ples: es­se for­ma­to traz ine­fi­ci­ên­ci­as do pon­to de vis­ta lo­gís­ti­co e econô­mi­co e tra­ria pre­juí­zos à se­gu­ran­ça e à qua­li­da­de do abas­te­ci­men­to.

Es­se no­vo mo­de­lo es­tá na con­tra­mão do que há dé­ca­das é fei­to com efi­ci­ên­cia e se­gu­ran­ça – os bo­ti­jões va­zi­os vão até cen­tros de re­car­ga pa­ra se­rem ins­pe­ci­o­na­dos, abas­te- ci­dos e, en­tão, en­tre­gues na por­ta do con­su­mi­dor fi­nal. No Pa­ra­guai, on­de a em­pre­sa de pe­tró­leo es­ta­tal lo­cal ofe­re­ce re­car­ga de gás por­ta a por­ta, o que se vê é um ser­vi­ço to­tal­men­te de­sa­jus­ta­do, pe­ri­go­so e com vá­ri­as ir­re­gu­la­ri­da­des, como o des­res­pei­to à mar­ca da em­pre­sa for­ne­ce­do­ra do gás, es­tam­pa­da no bo­ti­jão.

O en­chi­men­to de bo­ti­jões de gás de ou­tras mar­cas cria uma si­tu­a­ção de to­tal in­se­gu­ran­ça pa­ra o con­su­mi­dor, que em ca­so aci­den­te não po­de­rá mais re­cla­mar a res­pon­sa­bi­li­da­de de um ou de ou­tro, pois tan­to a em­pre­sa que abas­te­ce o bo­ti­jão de gás quan­to a em­pre­sa da mar­ca es­tam­pa­da no re­ci­pi­en­te po­de­rão ale­gar que não po­dem ga­ran­tir qu­em fez aque­la ven­da. O res­pei­to à mar­ca es­tam­pa­da em al­to re­le­vo no cor­po do ci­lin­dro de gás não é uma exi­gên­cia sem jus­ti­fi­ca­ti­va, é um re­qui­si­to que ga­ran­te a res­pon­sa­bi­li­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, ci­vil e cri­mi­nal so­bre pro­ble­mas que pos­sam vir do es­ta­do de con­ser­va­ção da em­ba­la­gem. Faz com que os res­pon­sá­veis pe­las mar­cas as­su­mam os cus­tos da ma­nu­ten­ção e do per­fei­to es­ta­do de con­ser­va­ção e uso dos mi­lha­res de bo­ti­jões que cir­cu­lam no mer­ca­do.

No ca­so pa­ra­guaio, em vi­si­ta ao país, ve­ri­fi­quei que ao con­trá­rio do pro­me­ti­do ao con­su­mi­dor, o ca­mi­nhão que re­car­re­ga os ci­lin­dros não ia de por­ta em por­ta, mas pa­ra­va na rua e fa­zia um pro­ces­so de en­chi­men­to de gás em con­di­ções pre­cá­ri­as, com o ris­co de, se hou­ver va­za­men­to de gás, ocor­rer um aci­den­te de pro­por­ções im­pre­vi­sí­veis

É cu­ri­o­so que a pro­pos­ta de ofe­re­cer ser­vi­ços des­ta na­tu­re­za não en­con­tra apoio ou de­man­da por par­te dos con­su­mi­do­res, que não pre­ci­sam – nem que­rem – com­prar um pou­qui­nho de GLP. Pre­fe­rem sem­pre com­prar a mai­or quan­ti­da­de pe­la qual po­dem pa­gar, por­que dis­põem de al­ter­na­ti­vas de ta­ma­nhos me­no­res de bo­ti­jões e tam­bém têm a pos­si­bi­li­da­de de par­ce­lar o pa­ga­men­to com o car­tão de cré­di­to. A pro­pos­ta de ofe­re­cer tal ser­vi­ço vem de fa­bri­can­tes de equi­pa­men­tos que que­rem vender su­as ba­lan­ças, me­di­do­res, tan­ques e ou­tros ma­qui­ná­ri­os pa­ra pres­tar um ser­vi­ço pe­ri­go­so e que não é de­se­ja­do por nin­guém.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.