DE­SOR­DEM UR­BA­NA NAS RU­AS DE ME­RI­TI

Am­bu­lan­tes e veí­cu­los ocu­pam as cal­ça­das da ci­da­de de 460 mil ha­bi­tan­tes

O Dia - - FRONT PAGE - GUSTAVO RI­BEI­RO gustavo.ri­bei­ro@odia.com.br

Re­por­ta­gem da sé­rie que mos­tra o aban­do­no dos mu­ni­cí­pi­os da Bai­xa­da Flu­mi­nen­se evi­den­cia o ca­os no ter­ri­tó­rio me­ri­ti­en­se. Li­xo, am­bu­lan­tes e car­ros aban­do­na­dos obri­gam pe­des­tres a an­dar no meio da rua.

An­tes ti­ves­se só uma pe­dra no meio do ca­mi­nho em São João de Me­ri­ti, como no po­e­ma de Car­los Drum­mond de An­dra­de. Tem mui­to mais: mon­tes de li­xo, fi­lei­ras de car­ros es­ta­ci­o­na­dos ir­re­gu­lar­men­te e apro­pri­a­ção do es­pa­ço da cal­ça­da por lo­jis­tas e am­bu­lan­tes. Si­nais gri­tan­tes da de­sor­dem ur­ba­na de­nun­ci­am a omis­são do po­der pú­bli­co no quar­to mu­ni­cí­pio mais po­pu­lo­so da Bai­xa­da Flu­mi­nen­se, com 460 mil ha­bi­tan­tes, te­ma do ter­cei­ro ca­pí­tu­lo da sé­rie ‘Bai­xa­da pe­de so­cor­ro’.

Nem pre­ci­sa sair do Cen­tro pa­ra ve­ri­fi­car que a fis­ca­li­za­ção é pre­cá­ria. Eram 10h de on­tem qu­an­do as es­tu­dan­tes Ra­fa­e­la dos San­tos e Bár­ba­ra Do­min­gas, am­bas de 18 anos, an­da­vam do cur­so pa­ra o shop­ping pe­lo meio da Rua São João Ba­tis­ta. As cal­ça­das, es­trei­tís­si­mas, es­ta­vam ocu­pa­das por veí­cu­los, li­xo e en­tu­lho. Um lo­jis­ta blo­que­a­va o pas­seio pú­bli­co pa­ra des­car­re­gar mer­ca­do­ria de um la­do da via, im­pe­din­do a pas­sa­gem pa­ra um pon­to de ôni­bus. No lo­cal já não tem se­má­fo­ro e fai­xa de pe­des­tre pa­ra atra­ves­sar com se­gu­ran­ça. Do ou­tro, ele ex­pu­nha pro­du­tos em fren­te a sua lo­ja, há­bi­to de co­mer­ci­an­tes por to­da a ci­da­de.

“As cal­ça­das já são mui­to ruins, que­bra­das, com pe­dras, e não há fis­ca­li­za­ção. Não sei se é pe­lo fa­to de ser Bai­xa­da, não es­tão nem aí. Ago­ra, che­ga lá na Zo­na Sul. Qua­se não se vê is­so. É sem­pre tu­do or­ga­ni­za­di­nho, bo­ni­ti­nho”, com­pa­rou Bár­ba­ra.

Não im­por­ta o bair­ro, os pro­ble­mas se re­pe­tem. No Éden, o li­xo saía da cal­ça­da e in­va­dia a Ave­ni­da Te­nen­te -Avi­a­dor Nil­ton Cam­pos So­a­res, pró­xi­mo à Ave­ni­da Tôr­res Ho­mem, ao la­do da li­nha fér­rea uti­li­za­da pa­ra trans­por­te de car­ga. O des­pe­jo ir­re­gu­lar va­ria de re­sí­du­os do­més­ti­cos a pneus e so­fá e exa­la mau chei­ro. E qu­an­do cho­ve, as ru­as do en­tor­no en­chem de água e es­go­to.

“Is­so aqui en­che e a água en­tra na mi­nha ca­sa. Já can­sei de to­mar ba­nho de es­go­to qu­an­do pas­sa car­ro. Tem uma va­le­ta de dre­no na li­nha fér­rea que não era pa­ra es­tar sen­do usa­da como es­go­to. Ali on­de mo­ro, por ser mais bai­xo, en­che tu­do. Dá qua­se meio me­tro de água e igua­la com a li­nha fér­rea”, con­tou

o autô­no­mo João Car­los, 62, mo­ra­dor da Rua Im­pe­ra­triz Le­o­pol­di­na, no Éden.

Ce­ná­rio se­me­lhan­te foi fla­gra­do nos bair­ros To­ma­zi­nho, on­de cri­an­ças e ca­va­los an­dam no li­xo, e Jar­dim Jo­sé Bo­ni­fá­cio, on­de mo­ra­do­res te­ri­am cons­truí­do que­bra­mo­las pa­ra di­fi­cul­tar a pas­sa­gem de veí­cu­los que vão à Rua Ge­ral­do Cris­pim de­po­si­tar li­xo na bei­ra do rio, as­sas­si­na­do pe­la po­lui­ção.

A co­le­ta de li­xo ir­re­gu­lar ex­põe mo­ra­do­res a ris­cos em vá­ri­os bair­ros do mu­ni­cí­pio

MAÍrA Co­e­lho

FOTOS MAÍRA CO­E­LHO/AGÊNCIA ODIA

Na Rua Ge­ral­do Cris­pim, em Jar­dim Jo­sé Bo­ni­fá­cio, li­xo, gran­des po­ças de la­ma e mui­to ma­to to­mam con­ta do ca­mi­nho que mo­ra­do­res pas­sam pa­ra sair e vol­tar pa­ra ca­sa

Cal­ça­das em vá­ri­as vi­as são usa­das pa­ra des­car­ga e até es­ta­ci­o­na­men­to, sem fis­ca­li­za­ção

Re­cla­ma­ção da falta de pa­vi­men­ta­ção no Cal­ça­dão do Éden é ge­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.