‘Te­nho uma fé enor­me e is­so me aju­dou du­ran­te o tra­ta­men­to con­tra o cân­cer’

O Dia - - RIO DE JANEIRO - ED­SON CELULARI, ATOR

ED­SON CELULARI é qua­se um Dom Sa­bi­no do sé­cu­lo 21. Edu­ca­do, gen­til, te­men­te a Deus... Na en­tre­vis­ta a se­guir, o ator, que brilha em ‘O Tem­po não Pa­ra’, fa­la so­bre seu per­so­na­gem, o ca­sa­men­to na Itá­lia com Ka­rin Ro­ep­ke, fi­lhos, Deus e o cân­cer, des­co­ber­to em ju­nho de 2016. “A praxe era, a ca­da dois me­ses, vol­tar pa­ra exa­mes. Es­tou in­do na mi­nha úl­ti­ma ses­são de es­pa­ço de dois me­ses. A par­tir des­ta, pas­sa­rei a fa­zer de 6 em 6 me­ses e de­pois de ano em ano. E se­gue vi­da nor­mal”.

Co­mo es­tá a re­per­cus­são nas ruas por con­ta do Dom Sa­bi­no?

Eu já fiz mui­tos pa­peis e já acom­pa­nhei vá­ri­as re­a­ções. Mas nun­ca vi na­da tão ime­di­a­to as­sim e um per­so­na­gem ser tão bem re­ce­bi­do. Nas ruas, uma coi­sa en­gra­ça­da é que tem um pú­bli­co in­fan­til acom­pa­nhan­do. Há al­gum tem­po eu não tra­ba­lha­va com per­so­na­gem que trou­xes­se es­sa pos­si­bi­li­da­de de lei­tu­ra.

O que vo­cê apren­deu com Dom Sa­bi­no?

Eu ve­nho apren­den­do (ri­sos). Eu apren­do a ca­da dia de con­ví­vio com o Dom Sa­bi­no. Na ver­da­de, não é que ele en­si­ne, mas ele tem uma força, uma ener­gia, um en­tu­si­as­mo pe­la vi­da. E um or­gu­lho dos seus va­lo­res que acho que, di­ga­mos, is­so é exemplar no Dom Sa­bi­no não só pa­ra mim, mas co­mo pa­ra o pú­bli­co to­do.

O texto de­le tem pa­la­vras re­bus­ca­das. É um texto di­fí­cil?

É di­fí­cil de de­co­rar, mas es­tou ven­do a re­a­ção do pú­bli­co e tem gen­te que re­pe­te fra­ses in­tei­ras e acha mui­ta gra­ça. Fi­quei sur­pre­so com is­so.

Vi­ven­ci­an­do o ano de 1886 te dá von­ta­de de ter vi­vi­do nes­sa épo­ca?

Eu acho que foi um tem­po bas­tan­te es­pe­ci­al. Pa­ra o Bra­sil, foi mui­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio no sen­ti­do so­ci­al, com o fi­nal do Im­pé­rio e o sur­gi­men­to da Re­pú­bli­ca, a abo­li­ção da es­cra­va­tu­ra, o sur­gi­men­to das má­qui­nas a va­por. Um pou­qui­nho de­pois dis­so, com a re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, tam­bém foi bas­tan­te in­te­res­san­te. Eu acho que ti­nha uma eu­fo­ria de des­co­ber­tas e de va­lo­res in­crí­vel. En­tão acho que es­se fi­nal de sé­cu­lo XIX e prin­cí­pio do sé­cu­lo XX foi um gran­de pe­río­do. Eu es­tou fe­liz no meu tem­po, mas se eu ti­ves­se que es­co­lher se­ria es­se pa­ra vi­ver uma ou­tra vi­da.

Dom Sa­bi­no te mu­dou de al­gu­ma for­ma?

É um per­so­na­gem ma­ra­vi­lho­so, mas eu não te­nho va­lo­res tão opos­tos as­sim ao Dom Sa­bi­no. Eu sei ser mui­to bem cor­tês com mi­nha es­po­sa e com as pes­so­as em ge­ral tam­bém. Acho que nes­se sen­ti­do é uma tro­ca boa en­tre Dom Sa­bi­no e Ed­son.

Vo­cê in­flu­en­cia nas de­ci­sões pro­fis­si­o­nais de seus fi­lhos?

Eu acho que até in­di­re­ta­men­te a gen­te faz is­so por­que a gen­te ou­ve, opi­na e ten­ta di­re­ci­o­nar pa­ra aqui- lo que acha que é o me­lhor. São eles que fa­rão as es­co­lhas e is­so é sau­dá­vel, mas nem sem­pre eles têm uma opi­nião for­ma­da. Es­se é um mo­men­to em que a gen­te, co­mo pai, en­tra.

Vo­cê se cu­rou de um cân­cer. Co­mo é sua ro­ti­na ho­je em re­la­ção à do­en­ça? Vo­cê ain­da faz exa­mes pe­rió­di­cos?

Nor­mal. Eu si­go o pro­to­co­lo pa­drão de­pois de uma qui­mi­o­te­ra­pia de um lin­fo­ma não-Hodg­kin. A do­en­ça foi su­pe­ra­da, gra­ças a Deus. A praxe era, a ca­da dois me­ses, vol­tar pa­ra exa­mes. Es­tou in­do pa­ra mi­nha úl­ti­ma ses­são de es­pa­ço de dois me­ses. A par­tir des­ta, pas­sa­rei a fa­zer de 6 em 6 me­ses e de­pois de ano em ano. E se­gue vi­da nor­mal com ati­vi­da­de fí­si­ca, ali­men­ta­ção sau­dá­vel, que eu sem­pre ti­ve, e com bo­as ho­ras de so­no.

Que li­ção o cân­cer te en­si­nou?

Eu acho que uma do­en­ça co­mo es­sa te dá um sus­to. É cla­ro que nem to­do mun­do que recebe es­sa no­tí­cia tem a sor­te de ter um fi­nal fe­liz co­mo es­tou ten­do. Acho que du­ran­te o pro­ces­so do tra­ta­men­to vem a opor­tu­ni­da­de de pa­rar pa­ra pen­sar. Por­que tem o sus­to de uma fi­ni­tu­de e eu nun­ca ti­nha pas­sa­do por is­so. Vo­cê pas­sa a ter a chan­ce de re­a­va­li­ar mui­ta coi­sa, de cri­ar uma or­dem de im­por­tân­cia di­fe­ren­ci­a­da do que vo­cê ti­nha, per­ce­ber coi­sas que pas­sa­vam des­per­ce­bi­das, de va­lo­ri­zar o que de­ve ser re­al­men­te va­lo­ri­za­do e acho que apro­vei­tei. Agra­de­ci mui­tas coi­sas da mi­nha vi­da in­tei­ra. Não que eu não fos­se gra­to. Sem­pre fui.

Vo­cê es­tá ca­sa­do com a Ka­rin Ro­ep­ke. Pen­sa em au­men­tar a fa­mí­lia?

Não é o mo­men­to pa­ra se pen­sar ten­do um per­so­na­gem co­mo Dom Sa­bi­no (ri­sos). Não é um as­sun­to que a gen­te des­vie, mas a gen­te acha que ain­da não é o mo­men­to.

Por que se ca­sar se­cre­ta­men­te na Itá­lia?

Foi um de­se­jo que sur­giu du­ran­te o meu tra­ta­men­to, um de­se­jo nos­so de fa­zer al­go nes­te lo­cal que pra nós é mui­to par­ti­cu­lar, que a gen­te gos­ta mui­to. Quan­do aca­bou ‘A Força do Que­rer’, a gen­te con­se­guiu re­a­li­zar es­sa pe­que­na ce­rimô­nia pa­ra 12 fa­mi­li­a­res. Foi a re­a­li­za­ção de um so­nho.

Vo­cê acre­di­ta em Deus?

Acre­di­to em Deus, te­nho uma fé enor­me e acho que is­so me aju­dou mui­tís­si­mo du­ran­te o meu tra­ta­men­to con­tra o cân­cer. Sou ca­tó­li­co de for­ma­ção, já es­ti­ve bu­dis­ta tam­bém, que além de ser uma re­li­gião é uma fi­lo­so­fia de vi­da. Mas acho que o mais im­por­tan­te é a fé. É vo­cê sa­ber que exis­te al­go su­pe­ri­or a nós e que is­so nos dá um sen­ti­do de es­pa­ço en­tre o re­al e o di­vi­no. Não que is­so nos dei­xe me­no­res. Ao con­trá­rio. Acho que is­so é uma di­men­são que nos le­va à fren­te, adi­an­te. É sa­ber que al­gu­ma coi­sa nos ilu­mi­na e que de­ve­mos es­tar nes­se fo­co.

Tem al­gu­ma ma­nia?

Leio o jor­nal to­das as ma­nhãs. Gos­to de fa­lar com meus fi­lhos to­dos os di­as, de con­vi­dar os ami­gos pra jogar tê­nis de me­sa na mi­nha ca­sa, de di­vi­dir a me­sa com fa­mi­li­a­res e ami­gos...

É vai­do­so?

Eu vou à der­ma­to­lo­gis­ta, prin­ci­pal­men­te ago­ra de­pois da qui­mi­o­te­ra­pia, que eu te­nho cui­da­do de não to­mar sol. Ago­ra fi­quei mais dis­ci­pli­na­do. An­tes eu ia, com­pra­va os pro­du­tos que a dou­to­ra pas­sa­va e aca­bam ven­cen­do. Uso pro­te­tor so­lar e hi­dra­tan­te.

Na épo­ca de A Força do Que­rer (2017), as pes­so­as fa­la­vam que vo­cê era um ‘fi­gu­ran­te de lu­xo’ na pe­le do Dan­tas. Co­mo vo­cê li­da com as crí­ti­cas?

Em ne­nhum mo­men­to me sen­ti fa­zen­do uma fi­gu­ra­ção de lu­xo. Ti­nha si­do es­ca­la­do e foi quan­do re­ce­bi a no­tí­cia da do­en­ça. A Glo­ria (Pe­rez, au­to­ra) me li­gou quan­do sou­be e ela me dis­se que me qu­e­ria de qual­quer for­ma. Lá no iní­cio das gra­va­ções nós não sa­bía­mos co­mo eu es­ta­ria. Eu sa­bia que fa­ria um per­so­na­gem pe­que­no e is­so não me dei­xou tris­te de for­ma al­gu­ma. Mui­to pe­lo con­trá­rio: eu vi­nha com o mai­or pra­zer fa­zer a no­ve­la. Eu me di­ver­tia com os co­le­gas e eu es­ta­va ain­da em re­cu­pe­ra­ção re­cen­te do meu tra­ta­men­to. Foi uma gran­de força pa­ra mim. Aqui­lo tu­do me aju­dou e agra­de­ço mui­to à Glo­ria por is­so.

Co­mo vo­cê li­da com as re­des so­ci­ais?

Eu vi­vo apren­den­do coi­sas no­vas e acho in­crí­vel es­sa pos­si­bi­li­da­de de re­la­ci­o­na­men­to. A úni­ca re­de que te­nho é o Ins­ta­gram. Es­tou cu­ri­o­so com a for­ma de re­ce­ber o re­tor­no do meu tra­ba­lho. Es­tou apren­den­do a li­dar com is­so de uma for­ma útil pa­ra meu ofi­cio não só di­a­lo­gan­do com meus fãs, mas tam­bém que­ren­do sa­ber a opi­nião de­les so­bre meu tra­ba­lho. Mas te­mos que sa­ber li­dar e não de­ve­mos fi­car es­cra­vos dis­so. Es­se ti­po de in­te­ra­ção não tem o mes­mo va­lor do con­ta­to pes­so­al, do olhar, de vo­cê es­cu­tar o ou­tro, de es­tar ali ao vi­vo num al­mo­ço com a sua fa­mí­lia e com seus ami­gos. A vi­da é mais im­por­tan­te do que is­so, mas acho que, se is­so po­de aju­dar, por que não usar?

Se vo­cê ti­ves­se uma má­qui­na do tem­po, o que vo­cê tra­ria do sé­cu­lo 19 pa­ra o sé­cu­lo 21?

Acho que re­cu­pe­rar um pou­co do res­pei­to ao ou­tro, do cui­da­do com o es­pa­ço do ou­tro. Is­so se­ria a prin­ci­pal coi­sa.

PAU­LO BELOTE/TV GLO­BO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.