No lu­gar do cen­tro de ima­gens, sóhá­ma­to

Hos­pi­tal em Ni­te­rói foi de­mo­li­do pa­ra a cons­tru­ção da uni­da­de de di­ag­nós­ti­cos, mas es­ta­do não fez na­da

O Dia - - RIO DE JANEIRO - GUS­TA­VO RI­BEI­RO gus­ta­vo.ri­bei­ro@odia.com.br

On­de a po­pu­la­ção de­ve­ria ter um la­bo­ra­tó­rio pa­ra fa­zer exa­mes de ima­gem gra­tui­ta­men­te, restam um ali­cer­ce ina­ca­ba­do e ma­to. O se­gun­do Cen­tro de Di­ag­nós­ti­co por Ima­gem do Es­ta­do (Rio Ima­gem 2) co­me­çou a ser cons­truí­do em mar­ço de 2014, em Ni­te­rói. Qua­se R$ 2,4 mi­lhões fo­ram gas­tos com a im­plo­são do an­ti­go hos­pi­tal que exis­tia no lo­cal. A pre­vi­são de inau­gu­ra­ção era de­zem­bro da­que­le ano. Mas a obra foi in­ter­rom­pi­da se­gui­das ve­zes e con­ti­nua pa­ra­da des­de 2016, sem pra­zo.

En­quan­to is­so, os pa­ci­en­tes so­frem pa­ra agen­dar exa­mes no Rio Ima­gem do Cen­tro do Rio ou pre­ci­sam fa­zer lon­gos des­lo­ca­men­tos. “Às ve­zes, eu não con­si­go vir e fi­ca di­fí­cil pe­dir pa­ra al­guém bus­car o exa­me. Fi­quei uma ho­ra es­pe­ran­do o resultado do raio-x da mão e do pé, de­pois de um tom­bo. A lo­ca­li­za­ção mais pró­xi­ma aju­da­ria”, diz a cui­da­do­ra de idosos Fá­ti­ma Oli­vei­ra Iná­cio, 70 anos, de São Gon­ça­lo.

A apo­sen­ta­da Ma­ria de Lour­des Lo­pes da Sil­va, 86, de Ca­bo Frio, foi atro­pe­la­da, que­brou o fê­mur e não es­tá con­se­guin­do raio-x. Por cau­sa das do­res, ela an­da com uma ben­ga­la. “Che­guei on­tem (segunda-fei­ra) ao Rio e fi­quei na ca­sa da mi­nha filha. Ho­je (terça), vim fa­zer o exa­me e a má­qui­na es­ta­va que­bra­da. Is­so é um ab­sur­do. De­pois me pe­di­ram pa­ra li­gar da­qui a 15 di­as pa­ra ver se es­ta­rá fun­ci­o­nan­do”.

No ter­re­no on­de se­ria o Rio Ima­gem 2, na Ave­ni­da Marquês do Pa­ra­ná, fi­ca­va o Hos­pi­tal San­ta Mô­ni­ca, im­plo­di­do em 2012. Se­ri­am ofe­re­ci­dos res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, ma­mo­gra­fia, to­mo­gra­fia, ul­tras­so­no­gra­fia, eco­car­di­o­gra­ma e ra­di­o­gra­fia. Se­gun­do o Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do (TCE), R$ 2,39 mi­lhões fo­ram gas­tos na im­plo­são. Era pre­vis­to in­ves­ti­men­to de R$ 23 mi­lhões pa­ra a cons­tru­ção. De acor­do com a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Obras, um in­ves­ti­men­to de R$ 3 mi­lhões per­mi­tiu a exe­cu­ção de 12,94% da obra. Ago­ra, a en­ti­da­de aguar­da a li­be­ra­ção de recursos pa­ra dar con­ti­nui­da­de à cons­tru­ção.

Se­gun­do o Con­se­lho Re­gi­o­nal de Téc­ni­cos em Ra­di­o­lo­gia, a uni­da­de do Rio es­tá so­bre­car­re­ga­da. “Na re­de pú­bli­ca da ca­pi­tal, só te­mos res­so­nân­cia no Rio Ima­gem e a do Ins­ti­tu­to do Cé­re­bro vol­tou a fun­ci­o­nar se­ma­na pas­sa­da. E tem uma no In­ca. A de­man­da dos mu­ni­cí­pi­os vai pa­ra o Rio Ima­gem. Es­se exa­me cus­ta de R$ 400 a R$ 900”, afir­mou o pre­si­den­te do con­se­lho, Mar­cel­lo Car­los de Sou­za. Em 2015, o en­tão se­cre­tá­rio de Saú­de, Felipe Pei­xo­to, pro­me­teu que o Rio Ima­gem 2 aca­ba­ria a fi­la pa­ra exa­mes de ima­gem.

A De­fen­so­ria Pú­bli­ca vem co­bran­do explicações do go­ver­no so­bre a obra. “Fi­ze­mos um ofí­cio em mar­ço e de­mos pra­zo de 45 di­as, mas não ti­ve­mos res­pos­ta. O go­ver­no co­me­çou a fa­zer a obra sem ana­li­sar se te­ria con­di­ções de ter­mi­nar, des­per­di­çou di­nhei­ro. Ago­ra, pa­ra con­cluir, sai mui­to mais caro”, afir­mou Raphaela Jahara, co­or­de­na­do­ra de Saú­de e Tu­te­la Co­le­ti­va da De­fen­so­ria Pú­bli­ca.

O go­ver­no co­me­çou a obra sem ava­li­ar se te­ria con­di­ções de ter­mi­nar, des­per­di­çou di­nhei­ro e ago­ra sai mui­to mais caro RAPHAELA JAHARA, de­fen­so­ra pú­bli­ca

Co­la­bo­rou o es­ta­giá­rio Caio Cardoso

MARCIO MERCANTE / AGENCIA O DIA

Área na Av. Marques do Pa­ra­ná es­tá aban­do­na­da des­de 2015. Se­cre­ta­ria de Obras in­ves­tiu R$ 3 mi­lhões. Obra es­tá pa­ra­da, à es­pe­ra de recursos

FO­TOS MAÍRA CO­E­LHO

Ma­ria de Lour­des: os­so que­bra­do

Fá­ti­ma Iná­cio: mui­ta di­fi­cul­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.