Ve­ja o que fa­zer pa­ra evi­tar cor­te de be­ne­fí­cio do INSS

Se­guin­do dicas de es­pe­ci­a­lis­tas, se­gu­ra­do po­de evi­tar sur­pre­sas de­sa­gra­dá­veis. Sai­ba ga­ran­tir pa­ga­men­to in­te­gral.

O Dia - - FRONT PAGE - MARTHA IMENES martha.imenes@odia.com.br

Os apo­sen­ta­dos, pen­si­o­nis­tas e se­gu­ra­dos do INSS de­vem ter aten­ção re­do­bra­da em datas, pra­zos e no pró­prio ca­das­tro de in­for­ma­ções no ins­ti­tu­to. Is­so por­que uma con­vo­ca­ção não vis­ta ou a per­da de al­gum pra­zo pa­ra atu­a­li­za­ção po­de dar à Pre­vi­dên­cia o di­rei­to de cor­tar o pa­ga­men­to. E re­a­ti­var o be­ne­fí­cio dá uma tre­men­da dor de ca­be­ça! Atu­al­men­te du­as fer­ra­men­tas usa­das pa­ra cor­te pe­lo INSS têm es­ta­do em evi­dên­cia. São elas: pen­te-fi­no, que é fei­to em au­xí­lio-do­en­ça ou apo­sen­ta­do­ria por in­va­li­dez que não pas­sa­ram por pe­rí­cia mé­di­ca nos úl­ti­mos dois anos; e a pro­va de vi­da ou re­ca­das­tra­men­to, que de­vem ser fei­tos di­re­ta­men­te no ban­co em que o apo­sen­ta­do ou pen­si­o­nis­ta recebe men­sal­men­te.

Pa­ra não dar de ca­ra com a con­ta-cor­ren­te ze­ra­da, O DIA ou­viu es­pe­ci­a­lis­tas que pas­sa­ram dicas im­por­tan­tes que po­dem aju­dar o apo­sen­ta­do a não ser pe­go de sur­pre­sa. A prin­ci­pal de­las é man­ter o ca­das­tro no INSS atu­a­li­za­do, in­clu­si­ve nú­me­ro de te­le­fo­ne. É por ele que o ins­ti­tu­to en­tra em con­ta­to com o se­gu­ra­do. A segunda: fi­car aten­to aos pra­zos es­ti­pu­la­dos pa­ra apre­sen­ta­ção de da­dos ou mar­ca­ção de pe­rí­ci­as mé­di­cas. Quem es­tá no al­vo do pen­te-fi­no pre­ci­sa cui­dar mui­to des­ses dois itens: en­de­re­ço e pra­zo pa­ra agen­dar exa­me. Após re­ce­ber a car­ta de con­vo­ca­ção (por is­so a im­por­tân­cia de ter o en­de­re­ço atu­a­li­za­do), o se­gu­ra­do tem cin­co di­as úteis pa­ra agen­dar a pe­rí­cia pe­la Cen­tral 135. Quem não aten­der à con­vo­ca­ção ou não com­pa­re­cer na da­ta mar­ca­da te­rá o be­ne­fí­cio sus­pen­so. A par­tir da sus­pen­são, se­rão até 60 di­as pa­ra pro­cu­rar o INSS a agen­dar a pe­rí­cia.

“Ca­so o se­gu­ra­do não pro­cu­re o INSS nes­te pra­zo, o be­ne­fí­cio será can­ce­la­do”, aler­ta Herbert Alen­car, pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to Pre­vi­den­ciá­rio da OAB-Bar­ra.

PRO­VA DE VI­DA

Mais uma vez o pra­zo... Só que des­ta vez é pa­ra a pro­va de vi­da. Mas, se o se­gu­ra­do recebe o pa­ga­men­to to­do mês, por que fa­zer a pro­va de vi­da? Bom, de acor­do com o INSS, é fei­ta pa­ra evi­tar frau­des. Por is­so quem tem va­lo­res de­po­si­ta­dos em con­ta cor­ren­te, pou­pan­ça ou via car­tão mag­né­ti­co e não faz a com­pro­va­ção tem o pa­ga­men­to sus­pen­so.

Pa­ra fa­zer a pro­va de vi­da bas­ta com­pa­re­cer ao ban­co em que o be­ne­fí­cio é cre­di­ta­do e apre­sen­tar do­cu­men­to de iden­ti­da­de com foto. Um pon­to im­por­tan­te des­ta­ca­do pe­lo ad­vo­ga­do Mar­cel­lus Amorim é que mui­tos têm fei­to re­ca­das­tra­men­to no ban­co, mas ti­ve­ram be­ne­fí­cio sus­pen­so. Is­so acon­te­ce por­que há pro­ce­di­men­to do pró­prio ban­co que não tem re­la­ção com o INSS.

“Quan­do o se­gu­ra­do che­gar à ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra têm que es­pe­ci­fi­car que é pro­va de vi­da pa­ra o INSS, se­não te­rá o be­ne­fí­cio sus­pen­so”, ad­ver­te. Ca­so o se­gu­ra­do per­ca o pra­zo, a ori­en­ta­ção é pro­cu­rar o ban­co e re­gu­la­ri­zar a si­tu­a­ção.

Ca­so o se­gu­ra­do não pro­cu­re o INSS nes­te pra­zo, o be­ne­fí­cio será can­ce­la­do”

HERBERT ALEN­CAR, pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to Pre­vi­den­ciá­rio da OAB-Bar­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.