Go­ver­no Pe­zão de­sis­te de fa­zer PDV em es­ta­tais

Com im­pe­di­men­to de ex­tin­ção de es­ta­tais, Exe­cu­ti­vo te­ve que re­cu­ar e dei­xa­rá pro­gra­ma pa­ra a pró­xi­ma ges­tão

O Dia - - FRONT PAGE - Pa­lo­ma Sa­ve­dra

Após a Alerj proi­bir a ex­tin­ção de 19 ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, Se­cre­ta­ria es­ta­du­al de Fa­zen­da anun­cia que não fa­rá mais Pro­gra­ma de De­mis­são Vo­lun­tá­ria.

Ogo­ver­no do Rio de­sis­tiu do Pro­gra­ma de De­mis­são Vo­lun­tá­ria (PDV) nas es­ta­tais. Des­de a ade­são ao Re­gi­me de Re­cu­pe­ra­ção Fis­cal, em se­tem­bro de 2017, o PDV es­ta­va no ho­ri­zon­te do go­ver­na­dor Luiz Fer­nan­do Pe­zão — in­clu­si­ve, a me­di­da es­tá no pla­no de re­es­tru­tu­ra­ção es­ta­du­al apre­sen­ta­do ao Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da.

O Exe­cu­ti­vo te­ve que re­cu­ar de­pois que a Alerj proi­biu, em agos­to, a ex­tin­ção de 19 ins­ti­tui­ções pú­bli­cas. Ago­ra, faz es­tu­dos pa­ra apre­sen­tar um no­vo for­ma­to do pro­gra­ma, que fi­ca­rá pa­ra a pró­xi­ma ges­tão.

Com is­so, mes­mo que a equi­pe fa­zen­dá­ria do es­ta­do con­clua a ela­bo­ra­ção de um PDV, o pro­gra­ma só será im­ple­men­ta­do ca­so o su­ces­sor de Pe­zão te­nha es­sa in­ten­ção. Em en­tre­vis­ta à Co­lu­na, o se­cre­tá­rio de Fa­zen­da, Luiz Cláudio Go­mes, dis­se que a mu­dan­ça de pla­nos foi em de­cor­rên­cia da de­ci­são da Alerj de im­pe­dir a ex­tin­ção das es­ta­tais.

“A me­di­da ori­gi­nal do Re­gi­me de Re­cu­pe­ra­ção Fis­cal era a ex­tin­ção de al­gu­mas so­ci­e­da­des de eco­no­mia mis­ta. A Alerj não apro­vou, en­tão te­ve que se mu­dar o pro­je­to pa­ra ape­nas um pro­gra­ma de PDV den­tro das es­ta­tais, e não da ex­tin­ção e Pro­gra­ma de De­mis­são Vo­lun­tá­ria. A gen­te fi­cou com um sub­con­jun­to da me­di­da. É tam­bém uma me­di­da com­ple­xa, es­tru­tu­ral, que uma vez fei­ta vai du­rar pa­ra sem­pre, mas que ain­da es­ta­mos tra­ba­lhan­do. E a gen­te es­pe­ra que em ja­nei­ro e fe­ve­rei­ro es­se pro­ces­so pos­sa es­tar con­cluí­do”, ex­pli­cou o se­cre­tá­rio.

Mas, além dis­so, nos bas­ti­do­res do Pa­lá­cio Gu­a­na­ba­ra há in­for­ma­ções de que o cus­to da ope­ra­ção fi­nan­cei­ra — o em­prés­ti­mo de R$ 200 mi­lhões — pa­ra fi­nan­ci­ar o pro­gra­ma de de­mis­são não com­pen­sa­ria: fi­ca­ria mais caro que o pró­prio PDV.

Em re­la­ção ao pro­gra­ma de de­mis­são fi­car pa­ra o pró­xi­mo go­ver­no, is­so de­pen­de­rá da von­ta­de de o en­tão che­fe do Exe­cu­ti­vo do Rio. E ao que tu­do in­di­ca, não se­ria uma me­di­da mui­to sim­pá­ti­ca, já que re­pre­sen­tan­tes de funcionários de es­ta­tais vêm cri­ti­can­do a ideia.

Por ou­tro la­do, in­te­gran­tes do go­ver­no Pe­zão afir­mam o con­trá­rio, e di­zem que mui­tos em­pre­ga­dos des­sas em­pre­sas de­se­jam se apo­sen­tar e que um pro­gra­ma de de­mis­são vo­lun­tá­ria — com in­cen­ti­vo fi­nan­cei­ro — se­ria uma aju­da.

GO­MES DE­FEN­DE PRO­JE­TO

O se­cre­tá­rio de­fen­deu ain­da o fa­to de o pro­gra­ma es­tar pre­vis­to no re­gi­me de re­cu­pe­ra­ção. Pa­ra ele, fi­ca­ria in­viá­vel o pró­xi­mo go­ver­no não man­ter o con­vê­nio com a União — que pos­si­bi­li­ta a sus­pen­são do pa­ga­men­to da dí­vi­da, no va­lor de R$ 29,4 bi­lhões até 2020. “Es­ta­mos tra­tan­do de um re­gi­me. Se­ja quem sen­tar na ca­dei­ra de go­ver­no vai es­tar com um re­gi­me de es­ta­do, que vai ter ul­tra­pas­sa­do di­ver­sos go­ver­nos, e que vem a par­tir de uma si­tu­a­ção crí­ti­ca, e é uma opor­tu­ni­da­de de o es­ta­do vol­tar à saú­de fi­nan­cei­ra”, dis­se.

ALE­XAN­DRE BRUM / AGÊN­CIA O DIA

Luiz Cláudio Go­mes: Se­cre­ta­ria de Fa­zen­da es­tá re­for­mu­lan­do PDV

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.