O Museu e os vira-la­tas da His­tó­ria

O Dia - - OPINIÃO - Al­fre­do Sir­kis

EEs­cri­tor e jor­na­lis­ta

vi­den­te­men­te que o in­cên­dio do Museu Na­ci­o­nal pro­pi­cia, em ple­na cam­pa­nha elei­to­ral, a bus­ca dos “culpados”. A mí­dia não vi­ve sem eles, a ex­tre­ma es­quer­da e a ex­tre­ma di­re­ta pre­ci­sam de al­guém pa­ra acu­sar. O “in­dig­nis­mo” vi­gen­te pro­cu­ra quem foi o cor­rup­to res­pon­sá­vel pe­lo si­nis­tro. O go­ver­no Te­mer, com sua im­po­pu­la­ri­da­de abis­sal, é um óti­mo bo­de ex­pi­a­tó­rio. Mas o PT, que exer­ce­ra o go­ver­no nos 16 anos an­te­ri­o­res aos úl­ti­mos dois, tam­bém é for­te can­di­da­to.

A rei­to­ria da UFRJ, com for­te pre­sen­ça da ex­tre­ma es­quer­da, idem. Ou se­ja, tem cul­pa­do pa­ra to­do gos­to e fei­tio, po­de­mos ati­rar pa­ra vá­ri­os la­dos. Com tan­tos mu­seus in­cen­di­a­dos nas úl­ti­mas dé­ca­das (MAM, Museu da Lín­gua Por­tu­gue­sa, Bu­tan­tã, Museu da Amé­ri­ca La­ti­na) era evi­den­te que o ve­lho ca­sa­rão im­pe­ri­al era de al­to ris­co, em par­ti­cu­lar por cau­sa de seu aban­do­no.

De fa­to, se fôs­se­mos atri­buir cul­pas, elas se di­vi­dem na pro­por­ção do tem­po, de po­der e da pro­xi­mi­da­de di­re­ta com a ins­ti­tui­ção. Du­ran­te to­dos es­ses anos, hou­ve es­sa cons­tan­te: o des­ca­so. Cu­ri­o­sa­men­te, foi no úl­ti­mo pe­río­do que se mo­bi­li­za­ram in­su­fi­ci­en­tes R$ 21 mi­lhões, uma par­te des­ti­na­da à pre­ven­ção de in­cên­di­os. Mas não po­de­ria ser gas­to em pe­río­do elei­to­ral. Ima­gi­nem a mí­dia e o MP se o fos­sem. E o fo­go foi mais rá­pi­do no ga­ti­lho...

Se de­ci­dir­mos olhar com mais am­pli­tu­de e me­nos opor­tu­nis­mo po­lí­ti­co, per­ce­be­re­mos que a res­pon­sa­bi­li­da­de é bem mais am­pla. Ela tem a ver com a for­ma com que olha­mos a nos­sa his­tó­ria. O Museu Na­ci­o­nal es­ta­va aban­do­na­do há mui­to tem­po. Na ho­ra de de­fi­nir pri­o­ri­da­des cul­tu­ais, sem­pre foi o pa­ti­nho feio. Mui­to tra­di­ci­o­nal e eclé­ti­co no ti­po de acer­vo - di­nos­sau­ros mis­tu­ra­dos com pre­sen­tes, mú­mi­as, mó­veis e qua­dros do im­pé­rio -, sem o mo­der­no char­me au­di­o­vi­su­al e de tec­no­lo­gi­as di­gi­tais, era a tia ve­lha que a gen­te só des­co­briu que gos­ta­va quan­do a ido­sa ate­ou fo­go às ves­tes.

Há al­go mai­or que ex­pli­ca es­se des­ca­so de ma­nei­ra mais abran­gen­te: tra­ta-se de um pré­dio on­de, du­ran­te um lon­go pe­río­do, se tra­va­ram epi­só­di­os e se to­ma­ram de­ci­sões cha­ves da nos­sa his­tó­ria po­lí­ti­ca. Museu ou não museu foi a se­de do po­der no Im­pé­rio lá, on­de eram to­ma­das as de­ci­sões, on­de o po­der era exer­ci­do, on­de se fez his­tó­ria do Bra­sil. Em ou­tros paí­ses, um lo­cal des­sa na­tu­re­za es­ta­ria en­vol­to nu­ma mís­ti­ca histórica, e cul­ti­va­do co­mo um pre­ci­o­so bem na­ci­o­nal.

Mas, aqui te­mos nos­so bom e ve­lho com­ple­xo de vira-la­tas que con­si­de­ra a his­tó­ria do Bra­sil, nes­se e nou­tros pe­río­dos, uma su­ces­são de pe­que­nos fol­clo­res: as co­xas de ga­li­nha de D. João VI, o tú­nel usa­do por D Pedro I pa­ra en­con­trar-se com a mar­que­sa da San­tos, sua aman­te. Uma re­pú­bli­ca ins­ti­tuí­da --qua­se a con­tra gos­to-- por um gol­pe mi­li­tar tor­tu­o­so ne­gou a fi­gu­ras his­tó­ri­cas co­mo D. João VI e D.Pedro II a di­men­são de es­ta­dis­tas que ti­ve­ram à épo­ca. D. Pedro I es­ca­pou, por pou­co, por cau­sa do gri­to jun­to do Ipi­ran­ga ain­da que tam­bém so­bre es­se úl­ti­mo epi­só­dio se cul­ti­vem ver­sões es­ca­to­ló­gi­cas. Uma his­to­ri­o­gra­fia de pseu­do­es­quer­da che­ga a glo­ri­fi­car o agres­sor, aven­tu­rei­ro, So­la­no Lo­pes fa­zen­do de­le um “he­rói an­ti­im­pe­ri­a­lis­ta”.

Com tan­to de­sa­mor pe­la nos­sa his­tó­ria à di­fe­ren­ça do que sen­tem ar­gen­ti­nos, me­xi­ca­nos e nor­te-ame­ri­ca­nos, pe­la de­les, não che­ga a ser sur­pre­en­den­te que o ca­sa­rão da Quin­ta da Boa Vis­ta e seu museu te­nham si­do sem­pre co­lo­ca­dos na lan­ter­ni­nha das do­ta­ções or­ça­men­tá­ri­as dos go­ver­nos e da uni­ver­si­da­de. Mas, quan­do tu­do pe­ga fo­go, pa­ra­do­xal­men­te, pas­sa a pos­suir um va­lor mór­bi­do já con­tri­bui pa­ra a nar­ra­ti­va do nos­so com­ple­xo de vira-la­tas: so­mos re­al­men­te uns mer­das, dei­xa­mos flam­bar nos­so Museu Na­ci­o­nal.

Que escândalo! Pro­cu­ra-se o cul­pa­do. E o cul­pa­do so­mos nós...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.