Flu­zão ini­cia ho­je sequên­cia de­ci­si­va lon­ge da tor­ci­da

De­pois de pe­gar o Atlé­ti­co-PR, ti­me vai jogar fo­ra na Sul-Ame­ri­ca­na e no Bra­si­lei­ro

O Dia - - ATAQUE -

Cu­ri­ti­ba, Qui­to e Cha­pe­có em ape­nas oi­to di­as. Além de ga­ran­tir mui­tas mi­lhas, a du­ra maratona na pró­xi­ma se­ma­na será um gran­de tes­te pa­ra o Flu­mi­nen­se de­fi­nir co­mo será o res­tan­te da tem­po­ra­da. O pri­mei­ro pas­so fo­ra do Rio será da­do ho­je, às 16h, con­tra o Atlé­ti­co-PR, na Are­na da Bai­xa­da, pe­lo Bra­si­lei­ro.

“É sem­pre di­fí­cil en­fren­tar o Atlé­ti­co na Are­na. Eles têm gran­de apro­vei­ta­men­to em ca­sa, se­ja pe­lo tra­ba­lho, pe­la tor­ci­da e até li­gei­ra­men­te pe­lo cam­po. Tam­bém es­ta­mos com uma con­fi­an­ça mui­to gran­de, fi­ze­mos uma boa pre­pa­ra­ção na se­ma­na”, dis­se o téc­ni­co Mar­ce­lo Oli­vei­ra.

Com um 2018 mui­to di­fí­cil até o mo­men­to, cheio de pro­ble­mas fi­nan­cei­ros e de de­cep­ções em cam­po, o Flu­mi­nen­se ain­da tem a es­pe­ran­ça de sal­var o ano. Com 31 pon­tos, a dis­tân­cia pa­ra a zo­na de re­bai­xa­men­to au­men­tou na úl­ti­ma ro­da­da, o que per­mi­tiu so­nhar com uma va­ga na Li­ber­ta­do­res.

An­tes da ro­da­da, o Tri­co­lor não ti­nha chan­ces ma­te­má­ti­cas, mas, com a gran­de pos­si­bi­li­da­de de ver o G-6 se trans­for­mar em G-7, is­so po­de mu­dar. Só que nos du­e­los com o Atlé­ti­co-PR e a Cha­pe­co­en­se fo­ra de ca­sa a equi­pe do téc­ni­co Mar­ce­lo Oli­vei­ra não po­de er­rar e vai pre­ci­sar pon­tu­ar.

Tan­to pa­ra se­guir dis­tan­te da de­go­la quan­to pa­ra man­ter vi­vo o so­nho de Li­ber­ta­do­res. En­tre­tan­to, dois re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos po­dem sig­ni­fi­car a volta do fan­tas­ma do re­bai­xa­men­to.

“Se­rão três jo­gos di­fi­cí­li­mos. Atlé­ti­co e Cha­pe­co­en­se jo­gan­do em ca­sa são mui­to fortes. Mas o Flu­mi­nen­se é ti­me gran­de, va­mos em bus­ca das vi­tó­ri­as. Tem que pen­sar gran­de. Es­ta­mos a uma dis­tân­cia, mas te­mos nos­so ob­je­ti­vo, que é che­gar à Li­ber­ta­do­res”, dis­se Di­gão.

No meio des­ses dois con­fron­tos, o Flu­mi­nen­se ain­da fa­rá o pri­mei­ro jogo das oi­ta­vas da Sul-Ame­ri­ca­na, con­tra o De­por­ti­vo Cu­en­ca. A al­ti­tu­de (de 2.850m) é sem­pre um pro­ble­ma, mes­mo com os re­cen­tes con­fron­tos fa­vo­rá­veis (clas­si­fi­ca­ção so­bre LDU em 2017 e Na­ci­o­nal Po­to­sí, em 2018). Por ex­pe­ri­ên­cia pró­pria em Qui­to, o Tri­co­lor sa­be a im­por­tân­cia de um bom resultado pa­ra não atra­pa­lhar a bus­ca pe­la clas­si­fi­ca­ção no Rio e man­ter vi­vo o so­nho de um tí­tu­lo em 2018.

LU­CAS MERÇON / FLU­MI­NEN­SE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.