DÚ­VI­DAS FRE­QUEN­TES

O Dia - - RECLAMAR ADIANTA -

■ A Lei 13.313 ti­nha co­mo ob­je­ti­vo di­mi­nuir a ta­xa de ju­ros. O que não acon­te­ceu! O Con­se­lho Cu­ra­dor do Fun­do de Ga­ran­tia apro­vou um li­mi­te de 3,5% ao mês, que dá os 46% ao ano, o que é um ab­sur­do, já que além da ga­ran­tia dos 35% do lí­qui­do da res­ci­são do tra­ba­lha­dor quan­do ele é de­mi­ti­do sem jus­ta cau­sa que exis­te des­de 2003, o ban­co te­rá mais 10% do sal­do do Fun­do mais 100% da mul­ta de 40%. A ga­ran­tia dos ban­cos é to­tal, e os ju­ros dos tra­ba­lha­do­res de­ve­ri­am ser no mí­ni­mo igual ao dos apo­sen­ta­dos e es­ta­tu­tá­ri­os, em mé­dia 26% ao ano. Re­co­men­do que o tra­ba­lha­dor só fa­ça o em­prés­ti­mo se pre­ci­sar de fa­to, e não se en­di­vi­de. Ho­je ele não tem ne­nhu­ma ga­ran­tia de em­pre­go.

MARIO AVE­LI­NO, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Fun­do De­vi­do ao Tra­ba­lha­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.