Jo­es­ley vol­ta pa­ra a pri­são, jun­to com vi­ce-go­ver­na­dor

Ope­ra­ção apu­rou obs­tru­ção da Jus­ti­ça e far­ta dis­tri­bui­ção de pro­pi­na pe­la JBS

O Dia - - POLÍTICA E PAÍS -

com­pre­en­são da so­ci­e­da­de so­bre a ne­ces­si­da­de de apro­var mu­dan­ças no sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio. “To­dos têm de en­ten­der que es­tá di­fí­cil”, afir­mou. Pa­ra o pre­si­den­te elei­to, “o Bra­sil tem mui­tos di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, mas não tem em­pre­go”. “Va­mos des­tra­var a eco­no­mia”, ga­ran­tiu.

O pre­si­den­te elei­to tam­bém lem­brou que o re­a­jus­te do Ju­di­ciá­rio não é res­pon­sa­bi­li­da­de de­le, mas sim do go­ver­no Te­mer. “Es­tão bo­tan­do na mi­nha con­ta pa­ra eu co­me­çar o go­ver­no com pro­ble­mas. Mas eu só dei a mi­nha opi­nião. Achei ino­por­tu­no”, dis­se.

Aa­pro­va­ção­do­re­a­jus­te­pe­lo Se­na­do foi vis­ta co­mo re­a­ção a de­cla­ra­ções do fu­tu­ro mi­nis­tro Pau­lo Guedes de que era pre­ci­so “dar uma pren­sa” no Con­gres­so pa­ra apro­var a Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia - re­for­ma cu­ja pro­pos­ta a no­va ges­tão ain­da não con­se­guiu fe­char. O em­pre­sá­rio Jo­es­ley Batista, da Fri­boi-JBS, vol­tou on­tem pa­ra a ca­deia. O vi­ce-go­ver­na­dor de Mi­nas Ge­rais, Antô­nio Andrade (MDB), foi pre­so na mes­ma ope­ra­ção, ba­ti­za­da de Ca­pi­tu. A Jus­ti­ça de­cre­tou a pri­são de­les e de ou­tros 17 acu­sa­dos de par­ti­ci­par de um es­que­ma de propinas pa­ra de­pu­ta­dos e in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra.

Se­gun­do a PF, “hou­ve cla­ra com­pro­va­ção” de que Jo­es­ley e fun­ci­o­ná­ri­os da JBS men­ti­ram em su­as de­la­ções pa­ra obs­truir a Jus­ti­ça. A for­ma dis­far­ça­da de agir de Jo­es­ley ins­pi­rou o no­me da ope­ra­ção, que ho­me­na­geia uma per­so­na­gem de Ma­cha­do de As­sis su­pos­ta­men­te dis­si­mu­la­da.

O es­que­ma fez en­tre­gas de di­nhei­ro em cai­xas de sa­bão e ma­las. Se­gun­do a for­ça-ta­re­fa da Po­lí­cia Fe­de­ral, Re­cei­ta e Pro­cu­ra­do­ria, uma das mai­o­res re­des de su­per­mer­ca­dos do país, a BH, aju­da­va a la­var di­nhei­ro do es­que­ma, re­pas­san­do va­lo­res ilí­ci­tos em di­nhei­ro vi­vo e dis­far­ça­dos em con­tri­bui­ções de cam­pa­nha.

Só as do­a­ções “ofi­ci­ais” nas elei­ções de 2014 to­ta­li­za­ram R$ 8,5 mi­lhões.O inqué­ri­to tem co­mo ba­se a de­la­ção do do­lei­ro Lú­cio Fu­na­ro. Se­gun­do o de­la­tor, a JBS te­ria re­pas­sa­do R$ 7 mi­lhões pa­ra o gru­po po­lí­ti­co do MDB da Câ­ma­ra.

Des­se va­lor, Andrade, ex­mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra e atu­al vi­ce-go­ver­na­dor de Mi­nas, te­ria re­ce­bi­do R$ 3 mi­lhões da pro­pi­na de Jo­es­ley e ou­tro R$ 1,5 mi­lhão te­ria ido pa­ra Edu­ar­do Cunha.

A JBS re­ce­bia em tro­ca be­ne­fí­ci­os: R$ 2 mi­lhões te­ri­am si­do pa­gos pe­la re­gu­la­men­ta­ção da ex­por­ta­ção de des­po­jos e R$ 5 mi­lhões pe­la proi­bi­ção do uso de um in­se­ti­ci­da. Um de­pu­ta­do fe­de­ral te­ria re­ce­bi­do R$ 50 mil pa­ra di­fi­cul­tar as ins­pe­ções de fri­go­rí­fi­cos por meio de uma emen­da.

Um dos 17 pre­sos na ope­ra­ção, o ad­vo­ga­do Ma­teus de Mou­ra Li­ma Gomes ten­tou des­car­tar R$ 3 mil em di­nhei­ro pe­la pri­va­da quan­do os agen­tes che­ga­ram a sua ca­sa, em No­va Li­ma, na Gran­de Be­lo Ho­ri­zon­te (MG).

WIL­LI­AN MO­REI­RA/FU­TU­RA PRESS/ESTADÃO CON­TEÚ­DO

Jo­es­ley Batista dei­xa o IML, em São Pau­lo, após ser pre­so pe­la PF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.