Fim do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho re­ce­be du­ras crí­ti­cas

Po­lí­ti­cos e es­pe­ci­a­lis­tas aler­tam pa­ra pre­ca­ri­za­ção de ser­vi­ços pres­ta­dos pe­la pas­ta com de­ci­são do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro

O Dia - - ECONOMIA - MARTHA IMENES martha.imenes@odia.com.br

O anún­cio de que o Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho vai aca­bar, fei­to es­sa se­ma­na pe­lo pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL), re­ce­beu se­ve­ras crí­ti­cas de po­lí­ti­cos e es­pe­ci­a­lis­tas. De acor­do com per­so­na­li­da­des ou­vi­das pe­lo DIA, “even­tu­al fu­são im­pli­ca­ria na li­mi­ta­ção ou fal­ta de au­to­no­mia de pas­ta es­sen­ci­al pa­ra que o Bra­sil su­pe­re a cri­se por seu pa­pel pre­pon­de­ran­te na ge­ra­ção de em­pre­go e ren­da”. Ad­ver­ti­ram ain­da que o pa­pel de fis­ca­li­za­ção das re­la­ções de tra­ba­lho, ga­ran­tia de di­rei­tos de tra­ba­lha­do­res, e ser­vi­ços nos pos­tos da pas­ta fi­ca­rão com­pro­me­ti­dos. E de­fen­dem que, ao in­vés de pul­ve­ri­zar ou ex­tin­guir a pas­ta, o go­ver­no elei­to de­ve­ria for­ta­le­cer a atu­a­ção do ór­gão.

“Aca­bar com o Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho é um re­tro­ces­so sem pre­ce­den­tes. Es­te go­ver­no elei­to é a con­ti­nui­da­de do an­te­ri­or, e quer fa­zer com o Tra­ba­lho co­mo foi fei­to com o Mi­nis­té­rio da Pre­vi­dên­cia. Ou se­ja, de­sar­ti­cu­lou as po­lí­ti­cas so­ci­ais e to­do o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­la pas­ta”, cri­ti­ca o se­na­dor re­e­lei­to Pau­lo Paim (PT-RS). “O fim do mi­nis­té­rio vai, in­clu­si­ve, di­fi­cul­tar a fis­ca­li­za­ção pa­ra coi­bir o tra­ba­lho es­cra­vo”, ad­ver­te o se­na­dor.

“En­xu­gar a má­qui­na pú­bli­ca às cus­tas do tra­ba­lha­dor é dar po­der a um Es­ta­do ne­o­li­be­ral, em que o di­rei­to ao tra­ba­lho ca­da vez mais se tor­na des­ne­ces­sá­rio co­mo pro­te­ção ao ci­da­dão e à sua fa­mí­lia”, aler­ta Jo­sé Goz­ze, pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção das En­ti­da­des dos Ser­vi­do­res Pú­bli­cos de São Pau­lo e vi­ce-pre­si­den­te da Pú­bli­ca Cen­tral do Ser­vi­dor.

“Um go­ver­no dis­pos­to a mu­dar a si­tu­a­ção do Bra­sil tem a obri­ga­ção de co­me­çar exa­ta­men­te por aque­les que fa­zem o país cres­cer, cui­dan­do de seus di­rei­tos uni­ver­sais, e aqui, não ca­be ex­cluir um dos mi­nis­té­ri­os mais im­por­tan­tes de pro­te­ção ao tra­ba­lha­dor, en­quan­to ou­tros pro­te­gem as gran­des cor­po­ra­ções”, cri­ti­ca Goz­ze.

Ao que o se­na­dor Paim com­ple­men­ta: “Foi es­te mo­de­lo de go­ver­no que par­te dos bra­si­lei­ros es­co­lheu. Ago­ra to­dos te­rão que ar­car com as con­sequên­ci­as de um Es­ta­do an­ti-so­ci­al e pri­va­tis­ta, on­de os di­rei­tos e as con­quis­tas dos tra­ba­lha­do­res não são le­va­dos em con­ta”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.