Vi­da es­tu­pra­da

O Diario do Norte do Parana - - ESPORTES -

Uma ado­les­cen­te de 17 anos saiu com ami­gos e foi a uma ba­la­da em uma casa no­tur­na de San­tos. Pas­sou mal, após ter in­ge­ri­do be­bi­da al­coó­li­ca. Mo­men­tos de­pois, ela foi en­con­tra­da de­sa­cor­da­da no ba­nhei­ro, com as cal­ças ar­ri­a­das e si­nais de agres­são. Além de ter si­do es­pan­ca­da, os exa­mes pro­va­ram que ela so­freu coi­to anal. A du­re­za dos de­ta­lhes ser­ve de aler­ta pa­ra pais, mães e seus re­ben­tos. Ao er­ro da casa no­tur­na em não so­li­ci­tar a iden­ti­fi­ca­ção da ga­ro­ta (a ba­la­da é proibida pa­ra me­no­res) e per­mi­tir o con­su­mo de ál­co­ol por ado­les­cen­tes so­ma-se a ne­gli­gên­cia na es­co­lha dos fun­ci­o­ná­ri­os – um se­gu­ran­ça da casa é sus­pei­to de ter es­tu­pra­do a jo­vem. A per­mis­si­vi­da­de dos pais da mo­ça tam­bém po­de ter con­cor­ri­do pa­ra o tris­te fa­to, e eis uma cons­ta­ta­ção tris­te de se fa­zer. E a me­ni­na, cu­ja ima­tu­ri­da­de a dei­xou ao al­can­ce da mal­da­de de se­res que não me­re­cem ser cha­ma­dos de hu­ma­nos? Tal­vez pen­san­do que a di­ver­são se­ria mais in­ten­sa com o apoio de uns drinks, que­ren­do ser acei­ta em um no­vo cír­cu­lo de ami­za­des ou pro­vo­ca­da por apu­pos do ti­po “be­be aí, vo­cê é fra­ca, não tem co­ra­gem, eu aguen­to vin­te co­pos...” (al­go co­mum en­tre pes­so­as des­sa fai­xa etá­ria) co­lo­cou-se em uma tra­je­tó­ria cu­jo pon­to de in­fle­xão mu­dou sua vi­da. Pa­ra pi­or. Pa­ra sem­pre. Agre­di­da mo­ral e fi­si­ca­men­te, te­rá gran­de di­fi­cul­da­de em re­to­mar seu ca­mi­nho. Si­len­ci­o­sa­men­te, o trau­ma vai es­pa­lhar su­as raízes por to­das as es­fe­ras da exis­tên­cia da mo­ça e de sua fa­mí­lia. Co­mo um cân­cer. Uma noi­te de ba­la­da se trans­for­mou, em um áti­mo, em um pe­río­do de so­fri­men­to e ten­ta­ti­vas de su­pe­ra­ção que po­de du­rar a vi­da to­da. Ago­ra va­mos à “par­tí­cu­la atra­pa­lha­ti­va”, o “se”. Se os pais ti­ves­sem proi­bi­do a mo­ça de sair, te­ri­am que aguen­tar uma se­ma­na de ca­ra em­bur­ra­da, e tu­do bem. Se a mo­ça não es­ti­ves­se fo­ra de seu pa­drão nor­mal de com­por­ta­men­to, te­ria vol­ta­do pa­ra casa sem pro­ble­mas. Se a casa no­tur­na exi­gis­se iden­ti­fi­ca­ção das pes­so­as na en­tra­da, na­da dis­so te­ria acon­te­ci­do. Se ban­di­dos e ma­nía­cos não exis­tis­sem, não ha­ve­ria com que se pre­o­cu­par. São mui­tos os fa­tos que con­ver­gem pa­ra que se atin­ja um “momentum” crí­ti­co co­mo es­se. A que­bra de qual­quer um des­ses ele­men­tos pre­ju­di­ca­ria a ca­deia de even­tos que le­vou à tra­gé­dia des­sa me­ni­na. Um des­ses ve­to­res es­tá den­tro de casa. Per­mi­tir, proi­bir e vi­gi­ar são atri­bui­ções dos pais e que, cor­re­ta­men­te apli­ca­das, trans­cen­dem a es­fe­ra do uso da au­to­ri­da­de ou da in­va­são de pri­va­ci­da­de e se trans­for­mam em pro­ces­so pe­da­gó­gi­co – ou se­ja, edu­ca­ção pa­ra a vi­da. Jo­vens têm a to­la ma­nia de cha­mar to­do mun­do de “ami­go” e, mui­tas ve­zes, pa­gam ca­ro por acre­di­tar nes­sas ami­za­des fun­da­men­ta­das ape­nas em um tro­car de meia dú­zia de pa­la­vras, se­ja ao vi­vo ou no meio vir­tu­al. O fi­ló­so­fo gre­go Só­cra­tes va­ti­ci­nou, há qu­a­se 2,5 mil anos: Co­nhe­ce-te a ti mes­mo. Tro­can­do em miú­dos, se vo­cê não sa­be nem de su­as ca­pa­ci­da­des e li­mi­tes, que di­zer so­bre seu su­pos­to co­nhe­ci­men­to em re­la­ção a ou­tro ser hu­ma­no, ami­go ou fun­ci­o­ná­rio de casa no­tur­na? Sem pa­ra­noi­as, mas com um pé atrás, po­de­mos evi­tar mui­tas rou­ba­das. A iden­ti­fi­ca­ção e pu­ni­ção do agres­sor são ações es­pe­ra­das, ne­ces­sá­ri­as, fun­da­men­tais e ur­gen­tes. O apoio à jo­vem e à sua fa­mí­lia é im­pres­cin­dí­vel. In­fe­liz­men­te, tra­tam-se de pro­ces­sos re­a­ti­vos e so­bra a cer­te­za de que mais es­sa tra­gé­dia po­de­ria ter si­do evi­ta­da. Fa­zer pre­vi­sões so­bre acon­te­ci­men­tos pas­sa­dos é uma ciência exa­ta, mas ir­ri­ta a frequên­cia com que o pas­sa­do se re­pe­te no pre­sen­te – e, no fu­tu­ro, não des­lum­bra­mos mu­dan­ça nes­se sis­te­ma. Can­sa­do de ver vi­das es­tu­pra­das nes­se mun­do, eu me per­gun­to: até quan­do va­mos pôr nos­sa exis­tên­cia na ro­le­ta, em um oti­mis­mo in­fun­da­do que tem co­mo má­xi­mas “tu­do vai dar cer­to”, “ela es­tá com ami­gos”, “a ba­la­da é chi­que”, “fu­la­no é de fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal”? Quem es­tá dis­pos­to a, cons­ci­en­te­men­te, apos­tar a vi­da de seus fi­lhos e fi­lhas des­sa ma­nei­ra? Pen­so que qual­quer ga­nho é ir­re­le­van­te quan­do com­pa­ra­do ao mui­to que se po­de per­der nes­se jo­go. Quem du­vi­da po­de fi­car com as pa­la­vras da mãe da me­ni­na, quan­do sou­be do que havia ocor­ri­do com a fi­lha: “Nunca vi a minha fi­lha da­que­le jei­to. Foi um ba­que. Não sei o que fa­zer, me sin­to im­po­ten­te. A cul­pa é minha por­que ela só tem 17 anos e es­ta­va be­ben­do, mas nunca ima­gi­nei que as coi­sas fos­sem aca­bar as­sim.” Dis­cor­do quan­do a mãe afir­ma ser a cul­pa­da, pois não foi ela quem es­tu­prou a fi­lha. Mas en­ten­do per­fei­ta­men­te por que ela se sen­te as­sim. E, a mais de 700 km e sem nunca tê-la co­nhe­ci­do, so­li­da­ri­zo-me com seu so­fri­men­to e de sua fi­lha. E, do fun­do de minha in­dig­na­ção, so­fro tam­bém. Ex­cep­ci­o­nal­men­te ho­je, dei­xa­mos de pu­bli­car nes­te es­pa­ço a crô­ni­ca de Ade­mir De­mar­chi, que se­rá pu­bli­ca­da ama­nhã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.