Dil­ma ve­ta lei dos royal­ti­es Dó­lar su­pe­ra R$ 2,12 e si­na­li­za no­vo te­to in­for­mal pa­ra áre­as li­ci­ta­das

MP com no­va fór­mu­la de ra­teio das re­cei­tas do pe­tró­leo va­le­rá ape­nas pa­ra con­tra­tos fir­ma­dos a par­tir de ho­je; ga­nhos com fu­tu­ras con­ces­sões vão pa­ra a Edu­ca­ção

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Es­ta­do

re­da­cao@ A pre­si­den­te Dil­ma Rousseff ve­tou on­tem a mu­dan­ça na di­vi­são dos royal­ti­es do pe­tró­leo das áre­as li­ci­ta­das. O ob­je­ti­vo é res­pei­tar os con­tra­tos fir­ma­dos. O ve­to à lei foi par­ci­al, com a ma­nu­ten­ção das no­vas re­gras de dis­tri­bui­ção dos re­cur­sos en­tre Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pa­ra o mo­de­lo de par­ti­lha, que se­rá ado­ta­do nos no­vos cam­pos do pré-sal.

Na dis­tri­bui­ção pa­ra o fu­tu­ro, os Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pro­du­to­res têm os por­cen­tu­ais de royal­ti­es re­du­zi­dos com o acrés­ci­mo sen­do di­re­ci­o­na­do aos não pro­du­to­res. A mu­dan­ça tam­bém atin­ge a par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al, es­pé­cie de prê­mio que é pa­go ao go­ver­no quan­do a pro­du­ção su­pe­ra a ex­pec­ta­ti­va.

Com a de­ci­são, o go­ver­no fe­de­ral po­de­rá re­a­li­zar lei­lões por es­te mo­de­lo em 2013. Se­gun­do o mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Edi­son Lo­bão, o pri­mei­ro lei­lão de par­ti­lha se­rá fei­to em no­vem­bro do pró­xi­mo ano.

Os ve­tos in­te­gram a es­tra­té­gia do Pla­nal­to pa­ra ten­tar evi­tar uma ba­ta­lha ju­rí­di­ca en­tre Es­ta­dos por cau­sa dos royal­ti­es do pe­tró­leo e, ao mes­mo tem­po, ga­ran­tir que o di­nhei­ro se­ja apli­ca­do na área de Edu­ca­ção. Pres­si­o­na­da, Dil­ma pre­ci­sou usar até as úl­ti­mas ho­ras dis­po­ní­veis pa­ra ba­ter o mar­te­lo.

O anún­cio do ve­to foi fei­to no fim da tar­de de on­tem em co­le­ti­va de im­pren­sa pe­los mi­nis­tros Lo­bão, Glei­si Hoff­mann (Ca­sa Ci­vil), Ide­li Sal­vat­ti (Re­la­ções Ins­ti­tu­ci­o­nais) e Aloi­zio Mer­ca­dan­te (Edu­ca­ção).

Se­gun­do Glei­si, a no­va MP vai re­com­por o ar­ti­go ter­cei­ro, ve­ta­do in­te­gral­men­te na no­va lei, e de­ve ser pu­bli­ca­da nes­ta se- gun­da-fei­ra. Glei­si re­for­çou que o ve­to é o mais sig­ni­fi­ca­ti­vo e que os de­mais são “pe­que­nos, ade­qua­ções da lei”. Ela dis­se ain­da que o go­ver­no es­pe­ra a sen­si­bi­li­da­de do Con­gres­so pa­ra apro­var a no­va MP.

Cons­ti­tui­ção

A mi­nis­tra Glei­si afir­mou que a de­ci­são da pre­si­den­te te­ve co­mo pre­mis­sa “o res­pei­to à Cons­ti­tui­ção, aos con­tra­tos es­ta­be­le­ci­dos, a de­fi­ni­ção de re­gras cla­ras pa­ra ga­ran­tir a re­to­ma­da de li­ci­ta­ções do pe­tró­leo se­ja no mo­de­lo de con­ces­são ou par­ti­lha e a ga­ran­tia da dis­tri­bui­ção a to­do po­vo bra­si­lei­ro”. Se­gun­do ela, além do ar­ti­go que tra­ta das áre­as já li­ci­ta­das, que te­ve um ve­to to­tal, exis­tem ou­tros “qua­tro ou cin­co ve­tos” em tre­chos da lei.

Já o mi­nis­tro Edi­son Lo­bão re­for­çou que o ob­je­ti­vo foi res­pei­tar os con­tra­tos já fir­ma­dos. “Não há de­sa­pre­ço com o Con­gres­so, mas a de­fe­sa dos prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais que as­se­gu­ram con­tra­tos fir­ma­dos até es­ta lei”, dis­se. “Es­ta­mos fa­zen­do aper­fei­ço­a­men­to da lei”, com­ple­tou.

Edu­ca­ção

Mer­ca­dan­te des­ta­cou que to­dos os royal­ti­es de fu­tu­ras con­ces­sões do pe­tró­leo se­rão des­ti­na­dos pa­ra a área de Edu­ca­ção. O ob­je­ti­vo do go­ver­no, se­gun­do ele, é cri­ar uma “poupança a lon­go pra­zo do País”, pa­ra que o Bra­sil não en­ve­re­de pe­lo ca­mi­nho da “do­en­ça ho­lan­de­sa”. “In­ves­tir em Edu­ca­ção cons­trói uma na­ção me­lhor, mais jus­ta, ci­da­dã. É o ali­cer­ce pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to”

“(A pre­si­den­te Dil­ma Rousseff) to­mou a de­ci­são que, no meu pon­to de vis­ta, tem gran­de sig­ni­fi­ca­do his­tó­ri­co. To­dos os royal­ti­es a par­tir da da­ta das fu­tu­ras con­ces­sões, se­ja em ter­ra, se­ja no mar, to­dos os royal­ti­es vão pa­ra a Edu­ca­ção, is­so en­vol­ve to­das as pre­fei­tu­ras, to­dos os go­ver­nos e a União”, afir­mou o mi­nis­tro. Se­gun­do Mer­ca­dan­te, “não há fu­tu­ro me­lhor do que in­ves­tir na edu­ca­ção”.

De acor­do com o mi­nis­tro, 50% de to­do o ren­di­men­to do Fun­do So­ci­al, que re­ce­be­rá par­te dos royal­ti­es, tam­bém se­rá des­ti­na­do pa­ra a Edu­ca­ção. “Só Edu­ca­ção fa­rá o Bra­sil ser uma na­ção efe­ti­va­men­te de­sen­vol­vi­da, é um ali­cer­ce do de­sen­vol­vi­men­to”, res­sal­tou. Pa­ra Mer­ca­dan­te, os royal­ti­es são “uma ri­que­za que tem de ser in­ves­ti­da pa­ra pre­pa­rar o Bra­sil pa­ra quan­do não a ti­ver­mos mais”. O dó­lar en­cer­rou a se­ma­na com ga­nho de 2,11%, e aci­ma de R$ 2,12, im­pul­si­o­na­do pe­la per­cep­ção cres­cen­te en­tre os agen­tes do mer­ca­do de que há mais dis­po­si­ção do go­ver­no e do Ban­co Cen­tral pa­ra to­le­rar um re­al mais de­pre­ci­a­do, pa­ra es­ti­mu­lar o cres­ci­men­to econô­mi­co, prin­ci­pal­men­te, a in­dús­tria bra­si­lei­ra. No mer­ca­do do­més­ti­co, o dó­lar à vis­ta fe­chou na má­xi­ma do dia, co­ta­do a R$ 2,127 no bal­cão, com al­ta de 1,38%. Pa­ra fe­cha­men­to, o va­lor da mo­e­da é o mai­or des­de cin­co de maio de 2009, quan­do a di­vi­sa fi­cou em R$ 2,148. Na se­ma­na, os ga­nhos do dó­lar to­ta­li­zam 2,11% e so­mam 4,78% no mês. No ano, o avan­ço acu­mu­la­do é de 13,80%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.