Abai­xe o som, se­não eu gri­to

ME­NOS Lei que es­ti­pu­la vo­lu­me de som má­xi­mo nas sa­las de ci­ne­ma vem pa­ra aca­bar com pro­ble­ma que ir­ri­ta es­pec­ta­dor e po­de cau­sar da­nos ir­re­ver­sí­veis à au­di­ção

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Prado

wi­la­me@odi­a­rio.com No do­min­go pas­sa­do, a fo­tó­gra­fa e mo­ra­do­ra da zo­na 7 Stella Bra­zil, 44 anos, foi as­sis­tir ao fil­me “Gon­za­ga – De Pai Pra Fi­lho” em um ci­ne­ma no cen­tro de Ma­rin­gá. Acom­pa­nha­da do ma­ri­do, pre­ci­sou es­pe­rar o iní­cio do fil­me pa­ra tro­car de pol­tro­na. Ex­tre­ma­men­te in­co­mo­da­da com o som al­to do fil­me, ali­vi­ou-se ao ver lu­ga­res va­gos no fun­do da sa­la, pa­ra on­de pron­ta­men­te se di­ri­giu pa­ra fi­nal­men­te as­sis­tir ao lon­ga-me­tra­gem em paz. Is­so por­que a fo­tó­gra­fa as­sis­tia a um fil­me que, na­tu­ral­men­te, te­ria um som mais bai­xo quan­do com­pa­ra­do aos ex­plo­si­vos fil­mes de ação ou às ani­ma­ções hollywo­o­di­a­nas.

O con­tra­tem­po en­vol­ven­do som al­to na sa­la de ci­ne­ma po­de­rá ter si­do o úl­ti­mo a ser en­fren­ta­do por Stella. Pe­lo me­nos em ci­ne­mas pa­ra­na­en­ses. É que, no úl­ti­mo dia 21 de no­vem­bro, foi san­ci­o­na­da pe­lo go­ver­na­dor Be­to Richa (PSDB) a lei Lei nº 17.354, que, en­tre ou­tras exi­gên­ci­as, es­ti­pu­la um vo­lu­me má­xi­mo de 92 de­ci­béis (dB) pa­ra o som das sa­las de ci­ne­ma do Pa­ra­ná. Além dis­so, an­tes de a pro­je­ção ser ini­ci­a­da, o pú­bli­co de­ve ser in­for­ma­do, por meio de men­sa­gem de som e ima­gem, es­se li­mi­te do vo­lu­me do áu­dio.

O mé­di­co e de­pu­ta­do es­ta­du­al Luiz Edu­ar­do Chei­da (PMDB), au­tor da lei, de­mons­trou pre­o­cu­pa­ção com a saú­de dos es­pec­ta­do­res ao de­fen­der o pro­je­to-de-lei quan­do de sua apre­sen­ta­ção na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va. “O ci­ne­ma es­tá ca­da vez mais aces­sí­vel, mas é pre­ci­so lem­brar que a saú­de é o nos­so bem mais pre­ci­o­so e não po­de­mos ad­mi­tir que se­ja co­lo­ca­da em ris­co com equi­pa­men­tos que não são de­vi­da­men­te afe­ri­dos. A de­fi­ci­ên­cia au­di­ti­va cau­sa­da pe­la agres­são so­no­ra é ir­re­ver­sí­vel e cu­mu­la­ti­va e de­ve ser evi­ta­da em qual­quer am­bi­en­te”, bem lem­brou o par­la­men­tar.

A Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Saú­de e do De­par­ta­men­to de Vi­gi­lân­cia Am­bi­en­tal fi­cam res­pon­sa­bi­li­za­dos por fis­ca­li­zar as sa­las de ci­ne­ma. Qu­em des­cum­prir a me­di­da es­tá su­jei­to à mul­ta de 100 Uni­da­des Pa­drão Fis­cal do Pa­ra­ná (UPF), com o va­lor po­den­do ser do­bra­do a ca­da rein­ci­dên­cia com­pro­va­da.

Stella co­me­mo­ra ao fi­car sa­ben­do da apro­va­ção da lei. Mas ad­mi­te que, pa­ra ba­ru­lhos den­tro da sa­la do ci­ne­ma, é mui­to exi­gen­te. Gos­ta­ria tam­bém, diz ela, de uma lei proi­bin­do sons exa­cer­ba­dos de pes­so­as co­men­do e con­ver­san­do en­quan­to o fil­me es­tá sen­do exi­bi­do. “Sem­pre ti­ve pro­ble­mas com ba­ru­lhos das pes­so­as co­men­do e con­ver­san­do. Sou mui­to cha­ta mes­mo, tan­to que sem­pre pro­cu­ro lu­ga­res on­de eu fi­que lon­ge de pes­so­as ba­ru­lhen­tas, mas nem sem­pre é pos­sí­vel. Fi­co mui­to ir­ri­ta­da. Mui­tas ve­zes já mu­dei de lu­gar por­que es­ses ba­ru­lhos me ti­ram a aten­ção do fil­me”.

Pou­cas re­cla­ma­ções

O ge­ren­te do Ci­ne­flix Ci­ne­mas, Cas­si­a­no Mi­né, 32, con­ta que são ra­ras as re­cla­ma­ções em ra­zão do al­to vo­lu­me do som nas sa­las de ci­ne­ma. “A mai­or in­ci­dên­cia de re­cla­ma- ções é so­bre a tem­pe­ra­tu­ra am­bi­en­te da sa­la de ci­ne­ma: um acha que es­tá mui­to quen­te, ou­tro acha que es­tá mui­to frio. Po­rém, quan­do acon­te­ce uma re­cla­ma­ção de que o som es­tá mui­to al­to, o nos­so ge­ren­te ve­ri­fi­ca se os pa­râ­me­tros es­ta­be­le­ci­dos pa­ra aque­le fil­me es­tão sen­do se­gui­dos e se o equi­pa­men­to es­tá fun­ci­o­nan­do ade­qua­da­men­te”, ex­pli­ca.

Mi­né, que se diz con­tra a lei que es­ti­pu­la um li­mi­te má­xi­mo do som nas sa­las de ci­ne­ma, in­for­ma que, nas sa­las do Ci­ne­flix, lo­ca­li­za­do no Ma­rin­gá Park Shop­ping, a ca­pa­ci­da­de má­xi­ma do som é de 128dB. No en­tan­to, o nú­me­ro mé­dio é de 82dB nos fil­mes exi­bi­dos. “Uti­li­za­mos o som Dolby Di­gi­tal 7.1 pa­ra sa­las di­gi­tais e 5.1 pa­ra sa­las con­ven­ci­o­nais”, de­ta­lha o ge­ren­te.

“Não te­nho co­nhe­ci­men­to de re­co­men­da­ções e nor­mas das dis­tri­bui­do­ras que su­gi­ram um vo­lu­me que cau­sa­ria des­con­for­to e/ou da­nos au­di­ti­vos aos nos­sos cli­en­tes. Evi­den­te­men­te, fil­mes de ação – de um mo­do ge­ral – apre­sen­tam um ní­vel de vo­lu­me mai­or do que o de um fil­me do gê­ne­ro dra­ma”, con­si­de­ra Mi­né, que, pe­lo me­nos até an­tes de a lei ser san­ci­o­na­da, se­guia as re­co­men­da­ções da com­pa­nhia dis­tri­bui­do­ra pa­ra ajus­tar o vo­lu­me do som do fil­me que se­ria exi­bi­do.

Divulgação

“Trans­for­mers 3 - O La­do Ocul­to da Lua”: show de ex­plo­sões que po­dem afe­tar os ou­vi­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.