Otor­ri­no aplau­de a lei

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

O mé­di­co Ra­mi­rez San­ches, es­pe­ci­a­li­za­do em otor­ri­no­la­rin­go­lo­gia há 15 anos, vai pou­cas ve­zes ao ci­ne­ma. Na li­da diá­ria com pa­ci­en­tes que re­cla­mam de do­res no ou­vi­do e di­fi­cul­da­des na au­di­ção, diz que não se re­cor­da de al­guém que te­nha ido ao seu con­sul­tó­rio se quei­xan­do de al­gum pro­ble­ma após sair de uma ses­são de ci­ne­ma. Mes­mo as­sim, aplau­de a lei do de­pu­ta­do Chei­da. Com o pe­ri­go de pro­ble­mas na au­di­ção se tor­na­rem ir­re­ver­sí­veis, afir­ma o mé­di­co, a pre­ven­ção é re­co­men­da­da. “Es­ta lei é mui­to boa, pois pro­te­ge as pes­so­as que não se dão con­ta do ris­co. No en­tan­to, po­de­ria ter nas sa­las de ci­ne­ma ou lo­cais de som al­to pro­te­to­res de ou­vi­do dis­po­ní­veis pa­ra aque­les que não gos­tam ou não po­dem se ex­por a som mais al­to”, con­si­de­ra San­ches.

Pa­ra o mé­di­co, o gran­de pe­ri­go mo­ra nos pi­cos de som al­to, em de­ter­mi­na­das ce­nas. “O som de­ve va­ri­ar com a ce­na e per­ce­be­mos que, mui­tas ve­zes, ul­tra­pas­sa os li­mi­tes de se­gu­ran­ça. Es­ses pi­cos de­vem ser evi­ta­dos, pois pi­cos ele­va­dos e re­pe­ti­dos po­dem le­var a uma per­da au­di­ti­va tem­po­rá­ria ou per­ma­nen­te. Is­so de­pen­de da in­ten­si­da­de so­no­ra e da fi­si­o­lo­gia in­di­vi­du­al de ca­da pes­soa”.

San­ches ex­pli­ca que o li­mi­te da al­tu­ra do som em 92 de­ci­béis, es­ti­pu­la­do pa­ra exi­bi­ções nas sa­las de ci­ne­ma, é acei­tá­vel pa­ra os ou­vi­dos hu­ma­nos. Ele com­pa­ra es­se ín­di­ce com o ba­ru­lho ge­ral­men­te ob­ser­va­do em uma lo­ja lo­ta­da, um ca­mi­nhão a di­e­sel an­dan­do a 80km/h, uma má­qui­na de cor­tar gra­ma, uma mo­to­ci­cle­ta ou um es­cri­tó­rio ba­ru­lhen­to.

Se­gun­do ele, o li­mi­te de se­gu­ran­ça de au­di­ção sem pro­te- to­res au­ri­cu­la­res, pa­ra a mai­o­ria das pes­so­as, é de até 85 de­ci­béis du­ran­te oi­to ho­ras de ex­po­si­ção. “A par­tir daí, exis­te uma es­ca­la pa­drão dos li­mi­tes de tem­pos ver­sus in­ten­si­da­de so­no­ra. Por exem­plo: 95 de­ci­béis (dB), em uma 1h45­min ex­po­si­ção, é per­mi­ti­do sem da­no; 100 dB, ape­nas uma ho­ra de ex­po­si­ção; 110 dB, só 15 mi­nu­tos; 115 dB, ape­nas se­te mi­nu­tos”.

Os pro­ble­mas mais co­muns de qu­em fi­ca mui­to ex­pos­to a ba­ru­lhos são a per­da tem­po­rá­ria de au­di­ção e os zum­bi­dos. Mas é nor­mal tam­bém pa­ci­en­tes se quei­xa­rem de ir­ri­ta­bi­li­da­de e ton­tu­ras, diz. “Em 115 dB du­ran­te se­te mi­nu­tos, po­de ocor­rer a per­da ir­re­ver­sí­vel da au­di­ção”, aler­ta San­ches.

Divulgação

San­ches: “pi­cos ele­va­dos e re­pe­ti­dos po­dem le­var a uma per­da au­di­ti­va”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.