Li­ber­da­de

Co­ta­do pa­ra in­di­ca­ção ao Os­car de Me­lhor Fil­me Es­tran­gei­ro, “Bar­ba­ra”, do ale­mão Ch­ris­ti­an Pet­zold, mos­tra sen­sa­ção de cul­pa na ex­tin­ta Ale­ma­nha Ori­en­tal

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo

A mu­lher es­tá as­sus­ta­da. Te­me ser vi­gi­a­da o tem­po to­do. On­de quer que vá, pa­re­ce pai­rar a som­bra de um es­pião. Seus mo­vi­men­tos são qua­se me­câ­ni­cos, uma for­ma de não le­van­tar sus­pei­tas. Man­tém um olhar des­con­fi­a­do pa­ra tudo e to­dos. Es­qui­va­se. Sa­be que o pe­ri­go po­de es­tar mais per­to do que po­de adi­vi- nhar. Te­me que seus pen­sa­men­tos pos­sam ser des­co­ber­tos. Tem, no fim de to­das as contas, uma cer­ta “cul­pa”. Es­sa mu­lher é Bar­ba­ra, per­so­na­gem tí­tu­lo do be­lo fil­me do ale­mão Ch­ris­ti­an Pet­zold – que é um dos mais co­ta­dos pa­ra uma in­di­ca­ção no Os­car de Me­lhor Fil­me Es­tran­gei­ro (que se­rá en­tre­gue em fe­ve­rei­ro).

No Fes­ti­val de Ber­lim, es­te ano, Pet­zold le­vou o Ur­so de Pra­ta co­mo me­lhor di­re­tor. Um prê­mio im­por­tan­te pa­ra aque­le que é con­si­de­ra­do o mais ta­len­to­so ci­ne­as­ta da cha­ma­da Es­co­la de Ber­lim, mo­vi­men­to não-ofi­ci­al que, nos úl­ti­mos anos, re­ve­lou no­mes co­mo Hans Wein­gart­ner (de “Edu­ka­tors” e do re­cen­te “A So­ma de To­das as Mi­nhas Par­tes”) e Wolf­gang Bec­ker (de “Adeus, Le­nin”), en­tre ou­tros. Ao con­trá­rio des­tes, no en­tan­to, Pet­zold se man­tém iné­di­to no Bra­sil. “Bar­ba­ra”, atra­ção do Pro­je­to Ou­tro Olhar nes­te sá­ba­do, acom­pa­nha es­sa mu­lher, uma mé­di­ca que, co­mo pu­ni­ção por ter ou­sa­do fa­zer um pe­di­do pa­ra sair da Ale­ma­nha Ori­en­tal, foi en­vi­a­da pa­ra uma pe­que­na ci­da­de do in­te­ri­or, pa­ra tra­ba­lhar num hos­pi- tal, no iní­cio dos anos 80. Mas ela já tem um pla­no tra­ça­do jun­to com seu aman­te que, tran­si­tan­do li­vre­men­te en­tre as du­as Ale­ma­nhas, lhe for­ne­ce di­nhei­ro e uma es­tra­té­gia de fu­ga. Bar­ba­ra só pre­ci­sa to­mar cui­da­do e es­pe­rar o mo­men­to cer­to. En­quan­to is­so, no Hos­pi­tal, em prin­cí­pio ar­re­dia, aca­ba por se en­vol­ver aos pou­cos, mas de for­ma in­ci­si­va, com al­guns pa­ci­en­tes e com o mé­di­co-che­fe André (Ro­nald Zehr­feld).

Se­rá por con­ta des­se en­vol­vi­men­to que o di­re­tor Pet­zold fa­rá o fil­me – que pa­re­cia se­guir em li­nha re­ta, ru­mo a uma es­pé­cie de re­vi­si­o­nis­mo do re­gi­me bru­tal per­pe­tra­do pe­la es­ca­la­da so­ci­a­lis­ta na não tão an­ti­ga RDA – to­mar, abrup­ta­men­te, um ata­lho em di­re­ção à ex­plo­ra­ção, su­til, mas ab­so­lu­ta­men­te lu­mi­no­sa, dos sen­ti­men­tos, da re­lu­tân­cia e re­sis­tên­cia da per­so­na­gem, en­ca­ra­da de for­ma mag­ní­fi­ca pe­la atriz Ni­na Hoss. Le­van­do-nos a olhar, de ou­tra for­ma, tan­to pa­ra aque­les que acei­ta­ram as “nor­mas” im­pos­tas pe­lo re­gi­me tru­cu­len­to, quan­to pa­ra os que per­ce­be­ram que, tal­vez,

Divulgação

Ni­na Hoss (sen­ta­da) vi­ve o per­so­na­gem-tí­tu­lo de “Bar­ba­ra”, de Ch­ris­ti­an Pet­zold: cons­truí­do em for­ma de um th­ril­ler de sus­pen­se, fil­me faz ex­plo­ra­ção su­til do sen­ti­men­to hu­ma­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.