Gen­te que (ain­da) exis­te

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Num dia des­ta se­ma­na, encontrei por aca­so du­as ami­gas que­ri­das. Tro­ca­mos al­gu­mas pa­la­vras. Con­ver­sa en­tre ami­gos não se­gue pla­ne­ja­men­to nem co­nhe­ce tra­va ou se­gre­do. É pa­po aber­to, que bro­ta da li­ber­da­de e da con­fi­an­ça, so­bre qual­quer as­sun­to. Não se su­jei­ta à cen­su­ra, que fis­ca­li­za as pa­la­vras. É ine­vi­tá­vel sair al­go que es­tra­nhos to­ma­ri­am por gros­se­ria. Co­mo um da­que­les des­pau­té­ri­os do per­so­na­gem Cha­ves, da TV, que, após sol­tá-lo, cor­re lo­go a des­cul­par­se: “Me es­ca­pou!”. Uma das ami­gas fa­la­va so­bre seu fi­lhi­nho, que se mos­tra sem­pre aten­to às ne­ces­si­da­des dos ou­tros. Deu um exem­plo pa­ra ilus­trar. A uma se­nho­ra que, por pou­co, não ti­nha le­va­do um tom­bo ca­paz de fe­ri-la com se­ri­e­da­de, ele per­gun­tou: “A se­nho­ra es­tá bem? Es­tá pre­ci­san­do de al­gu­ma coi­sa?” Is­so lá é con­ver­sa de um me­ni­no de cin­co anos? Mal ti­nha a mãe con­ta­do o epi­só­dio, ba­teu-me o es­pí­ri­to do Cha­ves. Sem re­fle­tir, sol­tei em voz al­ta: “Vai ser um bo­bo a vi­da in­tei­ra”. Eu não pen­sa­va só no ga­ro­ti­nho. Nem me re­fe­ria di­re­ta­men­te a ele. Ti­nha em men­te o meu ve­lho e o seu pe­cu­li­ar jei­to de en­fren­tar a vi­da. O pai foi, em to­dos os seus di­as, um da­que­les que ho­je a mai­o­ria das pes­so­as cha­ma de ton­to. Nun­ca foi ca­paz de ad­mi­tir men­ti­ra. Acre­di­ta­va pi­a­men­te no que es­cu­ta­va. Afer­ra­va-se à ver­da­de com pai­xão. Não sa­bia en­ga­nar. Não con­se­guia pu­xar o ta­pe­te de qu­em quer que fos­se; pas­sá-lo pa­ra trás, de qual­quer ma­nei­ra. Se to­pas­se na rua com um pa­co­te de di­nhei­ro, não ia sos­se­gar en­quan­to não achas­se o do­no. Na épo­ca em que nas­ci, pos­suía um sí­tio em so­ci­e­da­de com tio Chi­co Zan­ga­li (em ca­sa, sem­pre ou­vi ma­ra­vi­lhas so­bre o sí­tio da San­ta Bár­ba­ra, que não co­nhe­ci). Na mes­ma épo­ca, o pai so­freu uma ci­rur­gia de estô­ma­go. Qui­çá pa­ra pagar tra­ta­men­to de saú­de – os fi­lhos ja­mais co­bra­ram ex­pli­ca­ção –, ele ven­deu ao tio Chi­co a sua par­te do sí­tio. Nun­ca mais foi pro­pri­e­tá­rio de um pal­mo de ter­ra. Se­quer do lo­te em que re­pou­sam seus os­sos, por mim con­se­gui­do, trin­ta anos depois. Não pre­ci­sei, fe­liz­men­te, ex­pli­car às ami­gas por­que o fi­lhi­nho de uma de­las ia ser um bo­bo, vi­da afo­ra. Bas­tou con­tar pou­cas “aven­tu­ras” do pai. Mi­nha ami­ga pôs-se a dis­cor­rer so­bre as do seu que, pa­ra sua fe­li­ci­da­de, ain­da vi­ve. Em­bo­ra mais no­vo, a es­co­la da vi­da em que se for­mou com­pro­va que não se ve­ri­fi­cou mu­dan­ça no con­teú­do pro­gra­má­ti­co. Am­bos nos­sos pais per­ten­cem àque­la es­pé­cie de ho­mens que su­po­mos inen­con­trá­veis no nos­so in­fe­liz mun­do de ho­je. Ela con­tou coi­sas lin­das a res­pei­to de­le, ho­mem bom, des­ti­tuí­do de qual­quer ma­lí­cia. Não des­con­fia da mal­da­de de nin­guém. Pa­ra ele, to­dos são bons. Se fa­mi­li­a­res colocam re­pa­ro na in­ge­nui­da­de do seu jul­ga­men­to, ele se con­tra­ria: “Vo­cês não acre­di­tam em nin­guém. Pen­sam que só exis­te gen­te ruim”. Há tem­po ve­nho re­fle­tin­do. As no­tí­ci­as aju­dam a for­mar nos­sa opi­nião so­bre fa­tos e pes­so­as. Mas só se no­ti­ci­am coi­sas ruins. Nin­guém es­cu­ta que mães são ca­pa­zes de pas­sar fo­me pe­los fi­lhos. Que pais tra­ba­lham à exaus­tão pa­ra lhes ga­ran­tir um fu­tu­ro dig­no. Na mí­dia, pes­so­as hu­mil­des só apa­re­cem co­mo ban­di­dos ou ví­ti­mas. No en­tan­to, são elas que car­re­gam o mun­do nas cos­tas. For­mam a ab­so­lu­ta mai­o­ria do po­vo. On­de en­con­trá­las? Em nos­sas ca­sas. Bas­ta olhar nos­so pai, nos­sa mãe. E to­dos que pa­re­cem com eles. Aí es­tão os cons­tru­to­res do mun­do bom que qu­e­re­mos. Ain­da bem que exis­tem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.