Alegre, por na­tu­re­za

Nas fei­ras li­vres do­mi­ni­cais da Ave­ni­da Mauá, o que mais cha­ma a aten­ção no san­fo­nei­ro Abel Bar­bo­sa da Sil­va, que não tem o bra­ço di­rei­to, é o sor­ri­so

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Abel é o san­fo­nei­ro mais co­nhe­ci­do da fei­ra-li­vre de do­min­go na Ave­ni­da Mauá, mas não por to­car ou can­tar bem.

Ba­te o pé no chão, não pa­ra mar­car o rit­mo, mas sim pa­ra ajei­tar a san­fo­na que es­tá sem­pre cain­do, já que por ter ape­nas um bra­ço não con­se­gue man­tê-la pró­xi­ma ao pei­to.

Abel Bar­bo­sa da Sil­va tal­vez não se­ja o me­lhor mú­si­co, mas com cer­te­za é o mais ani­ma­do. Can­ta, sol­ta gri­tos, cha­co­a­lha o cor­po pa­ra lá e pa­ra cá... Anima mes­mo o am­bi­en­te. O chapéu, no chão e com a “bo­ca” pa­ra ci­ma, vai en­chen­do de mo­e­das e al­gu­mas no­tas. Quan­do co­me­ça uma mú­si­ca, a ve­lha Scan­dal­li de 80 bai­xos es­tá em pé, mas na me­di­da que vai to­can­do ela vai es­cor­re­gan­do. Por fal­ta do bra­ço pa­ra se­gu­rá-la, ele ten­ta ajei­tá-la com a per­na. Quan­do ter­mi­na a mú­si­ca, a san­fo­na es­tá dei­ta­da.

Qu­em vê tan­to âni­mo não ima­gi­na que tal­vez aque­la ale­gria to­da se­ja pa­ra es­ca­mo­te­ar os so­fri­men­tos que mar­ca­ram a vi­da do to­ca­dor. Bai­a­no que che­gou a Ma­rin­gá quan­do a ci­da­de es­ta­va ain­da co­me­çan­do, con­si­de­ra-se um so­bre­vi­ven­te, pois de on­de veio “era nor­mal” cri­an­ças mor­re­rem ao nas­cer ou pou­cos di­as depois. Vem de uma fa­mí­lia na qual al­guns dos irmãos têm pro­ble­mas men­tais ou ce­guei­ra, e por fim, so­bre­vi­veu a um cho­que elé­tri­co em uma re­de de al­ta ten­são que lhe cus­tou o bra­ço di­rei­to - e que por pou­co não lhe ti­rou a vi­da.

“To­co por­que gos­to, sem­pre gos­tei de mú­si­ca, e na fei­ra eu me re­a­li­zo, en­con­tro ve­lhos co­nhe­ci­dos, me sin­to ar­tis­ta e ain­da ga­nho um tro­ca­di­nho pa­ra com­ple­men­tar a ma­gra apo­sen­ta­do­ria”, diz o san­fo­nei­ro, ale­gan­do que to­can­do se es­que­ce das amar­gu­ras, da vi­da du­ra quan­do cri­an­ça e dos pro­ble­mas de fa­mí­lia. “Eu gos­to das mú­si­cas an­ti­gas, aque­las de me­lo­dia bo­ni­ta e le­tras que con­tam uma his­tó­ria, mas meu to­que é li­mi­ta­do. Fa­ço ape­nas os fra­se­a­dos com a mão es­quer­da e dei­xo de fa­zer a bai­xa­ria por não ter o bra­ço di­rei­to.”

Abel vi­veu a mo­ci­da­de na Vi­la 7, mo­rou com os pais e oi­to irmãos nos fun­dos de um ca­sa­rão de ma­dei­ra na Rua Jan­ga­da, on­de vi­vi­am vá­ri­as fa­mí­li­as com mui­tos fi­lhos. Em um sa­lão na par­te da fren­te, fun­ci­o­na­va a Es­co­la San­ta Maria Go­ret­ti.

Ele nun­ca foi pro­ta­go­nis­ta na fa­mí­lia, pois os irmãos es­ta­vam en­tre as pes­so­as mais co­nhe­ci­das do bair­ro. José, o mais ve­lho da ca­sa, era de­fi­ci­en­te men­tal, e fez his­tó­ria nos anos 60 e 70 co­mo “Zé Bo­bo”. Val­de­mar, um dos ca­çu­las, era ce­go, mas per­cor­ria so­zi­nho to­da a ci­da­de, co­nhe­cia ca­sa por ca­sa da Vi­la 7 e era bem re­ce­bi­do em to­das. Ti­nha tam­bém uma ir­mã com de­fi­ci­ên­cia men­tal, mas es­ta não saía de ca­sa.

Anal­fa­be­to, Abel pas­sou par­te da mo­ci­da­de em su­bem­pre­gos, até que aos 21 anos con­se­guiu um tra­ba­lho na Co­pel. Lo­go no co­me­ço da car­rei­ra, a ani­ma­ção qua­se lhe cus­tou a vi­da. Ele su­biu em um pos­te apres­sa­da­men­te e aca­bou to­can­do a re­de de al­ta ten­são. Foi ati­ra­do lon­ge. Acor­dou tem­pos depois, em um hos­pi­tal. Quan­do tentou mo­ver-se, viu que não ti­nha mais o bra­ço di­rei­to.

Abel não sa­be qu­an­tos anos tem, já que on­de nas­ceu os pais dei­xa­vam os fi­lhos cres­ce­rem, pa­ra depois re­gis­trá­los, mas cal­cu­la que es­te­ja por vol­ta dos 80 anos.

“O que me­nos me pre­o­cu­pa é a ida­de ver­da­dei­ra. O que va­le é que cri­ei meus fi­lhos e te­nho dis­po­si­ção pa­ra con­ti­nu­ar to­can­do na fei­ra ain­da por mui­tos anos”.

Dou­glas Mar­çal

Abel Bar­bo­sa to­can­do a san­fo­na em fren­te de ca­sa: um vi­to­ri­o­so, co­mo ele mes­mo diz, por so­bre­vi­ver a uma in­fân­cia di­fí­cil e ter cri­a­do to­dos os fi­lhos com afin­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.