MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

O cer­to e o jus­to

Pro­pa­gan­da en­ga­no­sa

Des­de es­te sá­ba­do, to­do o pa­ra­na­en­se que se dispôs a por o car­ro na es­tra­da ex­pe­ri­men­tou o sa­bor amar­go do au­men­to nas pra­ças de pe­dá­gio. Ne­nhu­ma no­vi­da­de, to­do pri­mei­ro de de­zem­bro vem com o re­a­jus­te anu­al das ta­ri­fas pa­ra man­ter o “equi­lí­brio econô­mi­co fi­nan­cei­ro” do con­tra­to fir­ma­do en­tre as con­ces­si­o­ná­ri­as e o Go­ver­no do Es­ta­do. Se olhar­mos ape­nas pe­lo la­do da cor­re­ção dos va­lo­res - pa­ra que a in­fla­ção não co­ma a ta­ri­fa no pas­sar dos anos -, o re­a­jus­te des­te ano é até me­nor do que o es­pe­ra­do. De 4,69%, me­nor do que a in­fla­ção do pe­río­do. Mas, co­mo a con­ta já é sal­ga­da, qual­quer cor­re­ção é mui­to. Bem, is­so nos lem­bra a di­co­to­mia do cer­to e do jus­to. Por for­ça do con­tra­to que es­tá em vi­gor, o re­a­jus­te anu­al é fa­to. É cer­to que ele ocor­re­rá to­do pri­mei­ro de de­zem­bro. Mas, é jus­to? Quan­do a ideia da con­ces­são das es­tra­das fe­de­rais do Pa­ra­ná foi ven­di­da pa­ra a so­ci­e­da­de, Jai­me Ler­ner, o go­ver­na­dor da épo­ca, apa­re­ceu na TV com um ma­pa do Es­ta­do com umas li­nhas tra­ça­das que mos­tra­vam o que ele cu­nhou de “anel de in­te­gra­ção”. O anel, co­mo foi apre­sen­ta­do, se­ria um con­jun­to de vi­as que se­ri­am du­pli­ca­dos pe­la ini­ci­a­ti­va pri­va­da ao lon­go do pe­río­do de con­ces­são. Pois bem: as com­pa­nhi­as, há 14 anos ex­plo­ram a co­bran­ça dos pe­dá­gi­os e du­pli­ca­ção mes­mo, pa­ra va­ler, só nas ima­gens ilu­só­ri­as do ex-go­ver­na­dor. Acon­te­ceu sim - é ine­gá­vel - uma con­ser­va­ção que me­lho­rou o es­ta­do da vi­as. Mas, con­ve­nha­mos, o que foi ofe­re­ci­do à po­pu­la­ção pa­ra jus­ti­fi­car a con­ces­são de uma obri­ga­ção es­ta­tal, de man­ter as es­tra­das em con­di­ções de tra­fe­ga­bi­li­da­de, foi a du­pli­ca­ção das ro­do­vi­as en­tre­gues à ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

Ma­ma­ta

Pois bem. Depois de elei­to, Jai­me Ler­ner fez o que to­do po­lí­ti­co faz: cor­reu atrás da re­e­lei­ção. E pa­ra con­so­li­dá-la, deu o gol­pe fa­tal pa­ra os pa­ra­na­en­ses ao re­du­zir, por de­cre­to e con­tra o que foi acor­da­do nos con­tra­tos, as ta­ri­fas pe­la me­ta­de. Uma jo­ga­da elei­to­rei­ra do mais bai­xo ní­vel que ga­ran­tiu mais qua­tro anos de go­ver­no. E o Pa­ra­ná pa­gou a con­ta. Depois de um ano, Ler­ner re­sol­veu o pre­juí­zo das con­ces­si­o­ná­ri­as, por meio de um adi­ti­vo e en­ter­rou a es­pe­ran­ça do pa­ra­na­en­se de ver as du­pli­ca­ções se con­cre­ti­za­rem no cur­to pra­zo. Ele pror­ro­gou o pra­zo pa­ra que as em­pre­sas efe­ti­vas­sem as obras de du­pli­ca­ção dan­do uma fol­ga de oi­to anos, além de re­ti­rar de­las vá­ri­os en­car­gos que cons­ta­vam no con­tra­to ori­gi­nal. O de in­de­ni­zar as áre­as de­sa­pro­pri­a­das, por exem­plo. Pa­ra as con­ces­si­o­ná­ri­as, foi uma be­le­za.

Opi­nião pú­bli­ca

Pas­sa­dos 14 anos de ex­plo­ra­ção e com mais oi­to de con­tra­to, as pe­da­gi­a­do­ras só vão bo­tar as má­qui­nas nas pis­tas pa­ra va­ler a par­tir de 2014, com o in­cre­men­to das obras em 2018. E, até lá, vão se ca­pi­ta­li­zan­do. E o pa­ra­na­en­se fi­ca sem a es­tra­da du­pli­ca­da e pa­gan­do a con­ta. Do pon­to de vis­ta ju­rí­di­co, as em­pre­sas es­tão no go­zo dos di­rei­tos de­las e não têm mo­ti­vos pa­ra an­te­ci­par os en­car­gos. Mas do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, agem mal. É in­te­res­se das em­pre­sas re­no­va­rem as con­ces­sões a par­tir de 2022. Cla­ro que em ou­tras con­di­ções, já que em te­se, to­das as obras de­vem es­tar pron­tas até lá. Em te­se, é bom lem­brar. Ora, se é in­te­res­se da tur­ma re­no­var as con­ces­sões - ou pror­ro­gá-las em no­vo adi­ti­vo - por­que não cri­am uma ba­se de apoio jun­to à opi­nião pú­bli­ca, an­te­ci­pan­do o cro­no­gra­ma das obras? Ora, ale­gar que não há re­cur­sos pa­ra is­so é ina­cei­tá­vel, por­que o con­tra­to ori­gi­nal pre­via um ca­len­dá­rio mais aper­ta­do. O que fal­ta, en­tão?

Re­jei­ção

O pa­ra­na­en­se re­co­nhe­ce que as es­tra­das me­lho­ra­ram. Não gos­ta de pagar pe­dá­gio, por­que nin­guém gos­ta de pagar coi­sa al­gu­ma. Mas en­ten­de a me­lho­ria nas con­di­ções de tra­fe­ga­bi­li­da­de que as du­pli­ca­ções ofe­re­cem. O que é ne­ces­sá­rio, por­tan­to, é que as obras es­te­jam dis­po­ní­veis pa­ra o usuá­rio. Aí qual­quer dis­cus­são so­bre a opor­tu­ni­da­de e vi­a­bi­li­da­de das con­ces­sões di­mi­nui mui­to a re­jei­ção. E, com as obras, fi­ca mais acei­tá­vel o con­cei­to de jus­ti­ça da co­bran­ça. Ho­je, sem elas, o pe­dá­gio é al­go cer­to, por­que es­tá em­ba­sa­do em con­tra­to e acon­te­ce­rá anu­al­men­te em de­zem­bro, mas não é na­da jus­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.