Fal­ta de pi­so tá­til pro­vo­ca pro­ble­mas na ro­do­viá­ria

De­fi­ci­en­tes vi­su­ais re­cla­mam que se sen­tem em “um la­bi­rin­to” ao cir­cu­lar pe­lo lo­cal. Uma das di­fi­cul­da­des é se lo­ca­li­zar nas pla­ta­for­mas de de­sem­bar­que, on­de fal­tam re­fe­rên­ci­as

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Renato Oli­vei­ra

re­na­to­o­li­vei­ra@odi­a­rio.com A au­sên­cia do pi­so tá­til pro­vo­ca di­fi­cul­da­de de lo­co­mo­ção de de­fi­ci­en­tes vi­su­ais den­tro do Ter­mi­nal Ro­do­viá­rio Ve­re­a­dor Dou­tor Ja­mil Jo­se­pet­ti, em Ma­rin­gá. Qu­em pre­ci­sa cir­cu­lar pe­lo lo­cal, sen­te-se em um la­bi­rin­to. O pre­si­den­te do Con­se­lho Mu­ni­ci­pal da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia (CMDPD), Ricardo Alexandre Vi­ei­ra, diz que o pro­ble­ma se di­vi­de em três pon­tos den­tro do ter­mi­nal ro­do­viá­rio. O pri­mei­ro es­tá no fim da pas­sa­re­la de aces­so na en­tra­da da Ave­ni­da Tuiu­ti. Ele afir­ma que a fal­ta do pi­so tá­til di­fi­cul­ta a lo­ca­li­za­ção da ram­pa que li­ga o pi­so su­pe­ri­or ao sa­guão, na par­te in­fe­ri­or da ro­do­viá­ria.

O se­gun­do pon­to es­tá lo­ca­li­za­do na par­te de bai­xo do ter­mi­nal. Vi­ei­ra afir­ma que sem o item de aces­si­bi­li­da­de, o de­fi­ci­en­te vi­su­al fi­ca de­sor­de­na­do na ho­ra de se di­ri­gir ao gui­chê de com­pra de pas­sa­gens, por­tões de aces­so às pla­ta­for­mas de em­bar­que, ba­nhei­ros, ban­ca de re­vis­tas e lan­cho­ne­tes.

O trans­tor­no tam­bém ocor­re na ho­ra de des­cer dos ôni­bus. Sem o pi­so tá­til, de­sem­bar­car nas pla­ta­for­mas e en­con­trar as por­tas de aces­so ao sa­guão é uma ta­re­fa que, se­gun­do o de­fi­ci­en­te, che­ga a de­mo­rar qua­se meia ho­ra. “Eu já fi­quei 15 mi­nu­tos ten­tan­do en­con­trar a saí­da. Is­so, por­que eu co­nhe­ço o lo­cal. Um ami­go e até meu ir­mão de­mo­ra­ram mais de 25 mi­nu­tos até achar o pi­so tá­til”, des­ta­ca.

Pro­ble­ma se­me­lhan­te vi­ve o mas­so­te­ra­peu­ta Pe­dro Abel da Sil­va. To­da vez que ele pre­ci­sa bus­car um pa­ren­te que che­ga de vi­a­gem, o pro­ble­ma se re­pe­te. “Não tem na­da que ori­en­te o de­fi­ci­en­te vi­su­al no des­lo­ca­men­to. Na ho­ra de achar os gui­chês ou ram­pas de aces­so é com­pli­ca­do”, ale­ga.

Sil­va res­sal­ta que o mai­or pro­ble­ma é na ho­ra de des­cer do ôni­bus e achar a por­ta do sa­guão. “Não tem pa­re­de, não tem na­da. Sin­to-me den­tro de um la­bi­rin­to. Já re­qui­si­ta­ram a re­for­ma faz al­gum tem­po, mas até ago­ra na­da”, acres­cen­ta.

Rei­vin­di­ca­ção

O pre­si­den­te do CMDPD in­for­ma que as re­cla­ma­ções já fo­ram re­pas­sa­das à di­re­ção do ter­mi­nal ro­do­viá­rio. “A úl­ti­ma reu­nião ocor­reu em ju­lho des­te ano, mas, até ago­ra, na­da de obra. Já man­da­mos ofí­cio à Pro­mo­to­ria, mas a di­re­ção res­pon­deu que iria li­ci­tar a co­lo­ca­ção do pi­so tá­til pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma”, de­cla­ra. “Já até en­tre­ga­mos um ma­pa di­zen­do on­de ele tem que ser co­lo­ca­do”, re­ve­la.

O ad­mi­nis­tra­dor da ro­do­viá­ria, Mu­ri­lo Ro­ber­to Ma­ri­a­ni, dis­se que a plan­ta já foi es­tu­da­da e o pro­je­to es­tá pron­to pa­ra ser exe­cu­ta­do. No en­tan­to, co­mo o ano es­tá ter­mi­nan­do, ele acre­di­ta que se­rá di­fí­cil ini­ci­ar as obras an­tes de 2013, pa­ra quan­do es­tá pre­vis­to ti­rar o pro­je­to do pa­pel.

O as­ses­sor téc­ni­co da Se­cre­ta­ria de As­sis­tên­cia So­ci­al e Ci­da­da­nia (Sasc), Is­ma­el Ro­ber­to Ba­tis­ta de Me­lo, in­for­mou que a pre­fei­tu­ra fi­na­li­za um es­tu­do que le- van­tou a quan­ti­da­de de me­tros li­ne­a­res de pi­so tá­til ne­ces­sá­ri­os pa­ra os pré­di­os pú­bli­cos de Ma­rin­gá. “Va­mos li­ci­tar o lo­te in­tei­ro. Se ca­da se­cre­ta­ria fi­zer por con­ta pró­pria aca­ba en­ca­re­cen­do o cus­to e au­men­tan­do o pra­zo de es­pe­ra. A pre­o­cu­pa­ção mai­or é com a ro­do­viá­ria, por on­de pas­sam mui­tos de­fi­ci­en­tes vi­su­ais da ci­da­de e ou­tros Es­ta­dos, que aca­bam se per­den­do den­tro do lo­cal”, ex­pli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.