Lei ga­ran­te aten­di­men­to psi­co­ló­gi­co a cri­an­ças

Ser­vi­ço, gra­tui­to, es­tá dis­po­ní­vel nas 26 uni­da­des bá­si­cas de saú­de do mu­ni­cí­pio e é ofe­re­ci­do a to­da a po­pu­la­ção, in­de­pen­den­te­men­te, do nú­me­ro de ses­sões ne­ces­sá­ri­as

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com Uma lei ga­ran­te a cri­an­ças de Ma­rin­gá aten­di­men­to psi­co­ló­gi­co, de gra­ça, em to­dos os pos­tos de saú­de. Um de­cre­to, pu­bli­ca­do, mês pas­sa­do, no Ór­gão Ofi­ci­al do Mu­ni­cí­pio ofi­ci­a­li­zou a ofer­ta do ser­vi­ço. “A re­gu­la­men­ta­ção veio pa­ra que o aten­di­men­to não so­fra des­con­ti­nui­da­de”, diz o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Saú­de, Antônio Car­los Nar­di.

O tex­to ga­ran­te a ma­nu­ten­ção do tra­ta­men­to, in­de­pen­den­te­men­te, do nú­me­ro de ses­sões ne­ces­sá­ri­as. A in­ten­ção é fa­zer com que a cri­an­ça não aban­do­ne a te­ra­pia no meio. “O Mu­ni­cí­pio não tem mui­to que fa­zer nes­ses ca­sos, por­que é mais a ques­tão da dis­po­ni­bi­li­da­de da fa­mí­lia. A fa­mí­lia tem o acom­pa­nha­men­to do PSF (Pro­gra­ma Saú­de da Fa­mí­lia) que, em ca­so de de­sis­tên­cia ou de al­go que im­pe­ça a ida da cri­an­ça às ses­sões, é fei­ta a bus­ca ati­va”, diz Pa­trí­cia Pe­pi, co­or­de­na­do­ra da área de Saú­de Men­tal da Se­cra­ta­ria de Saú­de.

O ser­vi­ço con­ta com psi­có­lo­gos nas 26 uni­da­des bá­si­cas de saú­de. Quan­do o pro­gra­ma ini­ci­ou, há 27 anos, eram dois pro­fis­si­o­nais. Ho­je, a pre­fei­tu­ra tam­bém ofe­re­ce aten­di­men­to es­pe­ci­a­li­za­do a cri­an­ças e ado­les­cen­tes de até 18 anos in­com­ple­tos no Cen­tro de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al In­fan­til (Cap­si). Du­zen­tos e qua­tro pa­ci­en­tes es­tão em tra­ta­men­to na uni­da­de. Trans­tor­nos gra­ves vão pa­ra o Cap­si e lá as cri­an­ças re­ce­bem aten­di­men­to de psi­có­lo­go, te­ra­peu­ta ocu­pa­ci­o­nal, en­fer­mei­ro, mé­di­co, ins­tru­tor de ar­tes e assistente so­ci­al.

Pa­trí­cia diz que hou­ve “au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo” no nú­me­ro de aten­di­men­tos a cri­an­ças em fa­se es­co­lar. “Elas apre­sen­tam di­fi­cul­da­des de re­la­ci­o­na­men­to e com­por­ta­men­to que são per­ce­bi­dos na es­co­la”, des­ta­ca. “Tam­bém per­ce­be­mos fa­mí­li­as um pou­co per­di­das em re­la­ção so­bre co­mo edu­car os fi­lhos”, res­sal­ta.

O ser­vi­ço es­tá dis­po­ní­vel pa­ra to­da a po­pu­la­ção. Bas­ta que os pais ou os res­pon­sá­veis pro­cu­rem um pos­to de saú­de e con­ver­sem so­bre o as­sun­to. A cri­an­ça vai pas­sar por ava­li­a­ção e se for cons­ta­ta­do trans­tor­no men­tal, ela co­me­ça a ser aten­di­da no Cap­si. É im­por­tan­te, por­que tra­ba­lha­mos pre­co­ce­men­te al­guns sin­to­mas, co­mo di­fi­cul­da­des de re­la­ci­o­na­men­to. Se for um trans­tor­no mais sé­rio, que pre­ci­sa de aten­di­men­to di­fe­ren­ci­a­do, vai pa­ra o Cen­tro de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al In­fan­til (Cap­si). Po­de le­var à gra­vi­da­de do ca­so. Um trans­tor­no men­tal ou um so­fri­men­to in­ten­so po­de se in­ten­si­fi­car. Co­mo é uma fai­xa etá­ria em fa­se de de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co e emo­ci­o­nal é di­fí­cil pre­ver re­a­ções, quan­do um tra­ta­men­to é in­ter­rom­pi­do. Por is­so, a lei foi ne­ces­sá­ria pa­ra evi­tar que ocor­ra a des­con­ti­nui­da­de do acom­pa­nha­men­to e, as­sim, pre­ve­ni­mos re­fle­xos da pa­to­lo­gia quan­do o ado­les­cen­te pas­sa à fa­se adul­ta. O com­por­ta­men­to mu­da. A cri­an­ça apre­sen­ta­va um bom de­sem­pe­nho na es­co­la, re­la­ci­o­na­va-se bem com os ami­gos. De re­pen­te, co­me­ça a agir de for­ma opos­ta. A es­co­la pas­sa a re­cla­mar do com­por­ta­men­to, da A fa­se da ado­les­cên­cia é mais com­pli­ca­da. Tris­te­za e al­te­ra­ções de hu­mor são pró­pri­as des­sa fa­se do de­sen­vol­vi­men­to do ci­da­dão. Os pais têm que ob­ser­var a in­ten­si­da­de, a frequên­cia e a per­sis­tên­cia dos sin­to­mas. O me­di­ca­men­to não é o úni­co ins­tru­men­to a ser usa­do no tra­ta­men­to e não de­ve ser o pri­mei­ro a ser pro­cu­ra­do. An­tes de qual­quer de­ci­são nes­se sen­ti­do, é pre­ci­so ava­li­ar. Ter um di­ag­nós­ti­co cla­ro. Vi­ve­mos em uma so­ci­e­da­de ime­di­a­tis­ta e exis­te a fan­ta­sia de que com o re­mé­dio o pro­ble­ma vai ser re­sol­vi­do. O me­di­ca­men­to não é a re­den­ção. Há ou­tros tra­ta­men­tos com re­sul­ta­dos ex­ce­len­tes, sem a ne­ces­si­da­de dos re­mé­di­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.