Fé­ri­as

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Cal­ma, que­ri­do lei­tor, não es­tou – tal­vez in­fe­liz­men­te pa­ra vo­cê – sain­do de fé­ri­as. Co­mo apo­sen­ta­do, além de per­der sa­lá­rio, co­le­gas, va­le­re­fei­ção, de­sa­fi­os, cof­fee bre­aks e pla­no de saú­de, per­di tam­bém o di­rei­to às fé­ri­as. Ora, vo­cê di­rá, apo­sen­ta­do tem fé­ri­as eter­nas. Não é a mes­ma coi­sa. Na­da que é eter­no é bom. Nem or­gas­mo, ou tor­res­mo to­do dia. A ma­gia das fé­ri­as es­tá na sua es­cas­sez, nas pos­si­bi­li­da­des que se abrem, no sa­bor do no­vo re­no­va­do. Al­guns as pla­ne­jam com gran­de an­te­ce­dên­cia. Ou­tros dei­xam tudo pa­ra a úl­ti­ma ho­ra. Co­nhe­ço gen­te que apro­vei­ta pra me­di­tar e gen­te que cai na es­bór­nia até o úl­ti­mo se­gun­do de ócio. Tem os que in­ves­tem em cur­sos e es­tu­dos, e aque­les que pre­fe­rem cui­dar da saú­de. Não exis­te re­cei­ta nem re­gra. Há pes­so­as que não se des­li­gam do tra­ba­lho, en­quan­to ou­tras es­que­cem até o en­de­re­ço do ser­vi­ço. No meu ca­so, apren­di a fa­zer uma lis­ta com to­das as coi­sas que pre­ci­sa­ria lem­brar no re­tor­no (in­clu­si­ve a se­nha do com­pu­ta­dor). Com a ca­be­ça li­vre das ta­re­fas e com­pro­mis­sos, guar­da­va o pa­pel na ga­ve­ta e en­tra­va no me­re­ci­do go­zo do dol­ce far ni­en­te. Nem sem­pre, po­rém, a coi­sa dá cer­to. Uma vez, com vi­a­gem mar­ca­da pa­ra o Pi­auí, le­van­tei ce­do, to­mei um ba­nho, er­gui os bra­ços pre­gui­ço­sa­men­te e sol­tei com ali­vio: “Fé­ri­as!”. Sen­ti uma ferroada nas cos­tas. Al­go em mim pa­re­cia não gos­tar de fol­gas. Era um mús­cu­lo cha­ma­do tra­pé­zio, que re­sol­veu ma­ni­fes­tar seu de­sa­gra­do. Fiz-lhe um cafuné rá­pi­do e fui pa­ra o ae­ro­por­to, car­re­ga­do de mo­chi­las e sa­co­las. Vôo cheio de es­ca­las, seis ho­ras de ar con­di­ci­o­na­do ge­la­do no lom­bo, de­sem­bar­quei em Te­re­si­na com a aju­da de um ae­ro­mo­ço. Su­bin­do no tra­pé­zio, a dor ti­nha pu­la­do pa­ra a nu­ca e sal­ta­do pa­ra o om­bro. Após três di­as de so­fri­men­tos e ungüen­tos, meu cu­nha­do – em­ba­la­do por meia dú­zia de cu­bas li­bres – re­sol­veu des­tra­var a ques­tão dan­do-me um tran­co “in­fa­lí­vel” nos os­sos. Saí do tran­co direto pa­ra o hos­pi­tal, on­de en­fim des­can­sei. Fé­ri­as de um mês co­mo te­mos no Bra­sil são um pa­trimô­nio na­ci­o­nal. No Ja­pão, co­me­ça-se com di­rei­to a uma se­ma­na e só depois de dez anos de tra­ba­lho con­quis­ta-se os trin­ta di­as. Na Ar­gen­ti­na o sis­te­ma é pa­re­ci­do. Por aqui, co­mo em tudo o que é pa­trimô­nio na­ci­o­nal, exis­tem al­guns abu­sos. Até 2006, por exem­plo, nos­sos de­pu­ta­dos fe­de­rais ti­nham 90 di­as de fé­ri­as. Atu­al­men­te, fol­gam só 55 di­as por ano. No poder exe­cu­ti­vo, fe­ri­ar não é pe­ca­do mas há sem­pre o ris­co po­lí­ti­co de uma tra­gé­dia en­quan­to o go­ver­nan­te pas­seia. Acho de­pri­men­te os des­can­sos dos Pre­si­den­tes da República, tran­ca­dos na­que­las ba­ses mi­li­ta­res da Ma­ri­nha, lon­ge de tudo e de to­dos. Ja­mais es­que­ce­rei uma fo­to do Lu­la de cal­ção, no meio do ma­to, com uma cai­xa de iso­por de cer­ve­jas nas cos­tas, res­fo­le­gan­do atrás de do­na Ma­ri­sa. Ad­mi­ro qu­em gas­ta su­as fé­ri­as em es­tu­dos e re­ti­ros es­pi­ri­tu­ais, mas gos­to mes­mo é de pas­se­ar, ver gen­te e lu­ga­res no­vos, ou re­ver ami­gos e pa­ren­tes dis­tan­tes e que­ri­dos. O im­por­tan­te, no fun­do, é es­tar dis­pos­to a cur­tir o que vi­er, por­que nem sem­pre o pla­ne­ja­do ou es­pe­ra­do acon­te­ce. Pa­re­ce pa­po da Da­nu­za Leão, mas fa­lo por ex­pe­ri­ên­cia pró­pria. Em­bo­ra gos­te um pou­co de agi­to, mi­nhas me­lho­res fé­ri­as fo­ram bas­tan­te cal­mas. Tí­nha­mos de­ci­di­do, mi­nha mu­lher e eu, fi­car os pri­mei­ros di­as em ca­sa pa­ra or­ga­ni­zar al­gu­mas coi­sas; depois pe­ga­ría­mos o car­ro e sai­ría­mos por aí, bus­can­do ca­sas de ami­gos e ou­tros lu­ga­res bons e ba­ra­tos on­de fi­car. No ter­cei­ro dia, en­tre­tan­to, nos­sa ca­chor­ri­nha foi atro­pe­la­da e fra­tu­rou se­ri­a­men­te a ba­cia. A re­cu­pe­ra­ção exi­gia re­pou­so ab­so­lu­to e cui­da­dos cons­tan­tes. Ca­chor­ro com dor mor­de o pró­prio do­no, por is­so se­quer a pe­gá­va­mos no co­lo. Pa­ra le­vá-la ao ba­nhei­ro, usá­va­mos um pa­no sob sua bar­ri­ga, co­mo ce­go­nhas le­van­do be­bês. Quan­do um saía, o ou­tro fi­ca­va ve­lan­do a en­fer­ma. Re­ve­zá­va­mo-nos na apli­ca­ção dos me­di­ca­men­tos e na ali­men­ta­ção. Pas­sa­mos vin­te di­as em ca­sa, cui­dan­do do ani­mal, co­zi­nhan­do, ven­do fil­mes, rin­do de nós e dos ou­tros, len­do, ou­vin­do mú­si­ca e fa­zen­do se­xo. Não dis­cu­ti­mos – nem por um mi­nu­to – a re­la­ção. Ho­je nos­sa ca­chor­ra le­va uma vi­da nor­mal. Ape­nas não con­se­gue sal­tar. E quan­do ela sen­ta, a per­na tra­sei­ra es­quer­da fi­ca meio tor­ta lem­bran­do-nos da­que­las fé­ri­as ines­que­cí­veis, 12 anos atrás.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.