Es­pan­te a pre­gui­ça com ale­gria

Exer­cí­cio fí­si­co e di­e­ta não po­dem ser tor­tu­ran­tes, es­pe­ci­al­men­te nas fé­ri­as. Fa­ça es­co­lhas que fa­zem bem pa­ra o cor­po e a alma

O Diario do Norte do Parana - - MODA & BELEZA - ESPECIAL VERÃO 2013 - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la

Pas­sar fo­me e su­ar até a exaus­tão pas­sam a quilô­me­tros de dis­tân­cia do con­cei­to de boa for­ma. Con­quis­tar o cor­po per­fei­to pe­de mu­dan­ças, por ve­zes pe­que­nas, de ro­ti­na. O pri­mei­ro pas­so é se con­sul­tar com um mé­di­co pa­ra fa­zer, de pre­fe­rên­cia, um chec­kup com­ple­to, que po­de di­ag­nos­ti­car qual­quer pro­ble­ma (ou não) e di­re­ci­o­nar os pas­sos se­guin­tes. A pró­xi­ma pa­ra­da pre­ci­sa ser no con­sul­tó­rio de um nu­tri­ci­o­nis­ta (nem na ban­ca de re­vis­ta e nem na far­má­cia). É de lá que vem a pri­mei­ra ori­en­ta­ção pa­ra a mu­dan­ça gra­du­al dos há­bi­tos ali­men­ta­res. O nu­tri­ci­o­nis­ta mon­ta um car­dá­pio in­di­vi­du­a­li­za­do e po­de tam­bém ori­en­tar so­bre mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as na ro­ti­na da fa­mí­lia, mas es­ta con­sul­to­ria vai além por­que apoia o pa­ci­en­te no percurso da re­e­du­ca­ção ali­men­tar. “Nos pri­mei­ros di­as a gen­te aju­da o pa­ci­en­te a se ali­men­tar da ma­nei­ra cer­ta pa­ra que a adap­ta­ção se­ja gra­du­al, po­rém de­fi­ni­ti­va”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Eloi­sa Li­ran­ço. Es­te pro­fis­si­o­nal ex­pli­ca pa­ra qu­em fun­ci­o­na me­lhor a bar­ri­nha de ce­re­al ou porquê o su­co de fru­tas tem mais ca­lo­ri­as do que se ima­gi­na. A cor­ri­da em bus­ca de fór­mu­las má­gi­cas, me­di­ca­men­tos e chás que pro­me­tem mi­la­gres tam­bém é ar­ris­ca­da, al­guns po­dem até pre­ju­di­car o or­ga­nis­mo, se con­su­mi­dos de for­ma ina­de­qua­da. A in­ges­tão de la­xan­tes po­de pre­ju­di­car a flo­ra in­tes­ti­nal e tra­zer pro­ble­mas de saú­de no fu­tu­ro; cáp­su­las da mo­da, se in­ge­ri­das sem a su­per­vi­são de um pro­fis­si­o­nal tam­bém po­dem tra­zer efei­tos in­de­se­ja­dos, da­nos co­la­te­rais e dei­xam os atle­tas de ve­rão de ca­ra feia, a me­lhor es­tra­té­gia é sa­ber es­co­lher. Pra­ti­car um hobby que vo­cê gos­ta, co­mo jo­gar tê­nis, na­dar ou fa­zer es­ca­la­da, tem uma co­no­ta­ção mui­to di­fe­ren­te de fa­zer um exer­cí­cio im­pos­to pe­la ne­ces­si­da­de de ema­gre­cer. “En­tre­gue-se à mo­da­li­da­de que gos­ta de pra­ti­car e en­ten­da a mus­cu­la­ção co­mo al­go que faz vo­cê dan­çar me­lhor, jo­gar tê­nis ou na­dar. É ou­tra sen­sa­ção”, en­si­na o co­or­de­na­dor do cur­so de Edu­ca­ção Fí­si­ca do Ce­su­mar e es­pe­ci­a­lis­ta em trei­no des­por­ti­vo, Humberto Darcy de Oli­vei­ra. A es­co­lha da ati­vi­da­de de­ve ser fei­ta após o re­sul­ta­do do chec­kup e re­a­li­za­da com ori­en­ta­ção de um ba­cha­rel em Edu­ca­ção Fí­si­ca. A fa­se de adap­ta­ção é im­por­tan­te e o me­lhor re­sul­ta­do vem de um trei­no bem ori­en­ta­do, não da exaus­tão ou da quan­ti­da­de de su­or dis­pen­di­do. O alu­no não sen­ti­rá tan­ta dor e vai pa­ra o trei­no com ale­gria, as­sim ele man­tém o cor­po em ati­vi­da­de. “Mui­ta gen­te se ilu­de ao pen­sar que vai se le­van­tar do es­cri­tó­rio on­de pas­sou o ano to­do e cor­rer. Fa­zer is­so é até pe­ri­go­so”, aler­ta o pro­fes­sor. Pri­mei­ro, fa­ça a ca­mi­nha­da, corra um pou­co e en­tão vol­te a ca­mi­nhar. Só depois de um mês, mais ou me­nos, cor­re-se 20 mi­nu­tos sem pa­rar. Por is­so, cal­ma!

Mais va­lem as mu­dan­ças gra­du­ais e de­fi­ni­ti­vas do que o in­ver­so; co­me­ce com a ca­mi­nha­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.