Or­ça­men­to fi­ca sem ga­nho re­al em 36% das ci­da­des

RE­GIÃO Boa par­te dos mu­ni­cí­pi­os do no­ro­es­te do Es­ta­do te­rá me­nos ver­ba em 2013 do que o or­ça­do pa­ra es­te ano, en­quan­to ou­tros vão ad­mi­nis­trar al­ta me­nor do que a in­fla­ção Co­mér­cio aju­da Man­da­gua­çu

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Fábio Lin­jar­di Mu­ri­lo Gat­ti

lin­jar­di@odi­a­rio.com Em meio aos pro­tes­tos pe­la di­vi­são dos royal­ti­es do pe­tró­leo e das quei­xas cons­tan­tes de pre­fei­tos a res­pei­to da que­da nos re­pas­ses no Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os (FPM), vá­ri­as ci­da­des já se pre­pa­ram pa­ra “aper­tar o cin­to” em 2013.

Na re­gião de Ma­rin­gá, há ca­sos de mu­ni­cí­pi­os que pre­ve­em a en­tra­da em cai­xa de me­nos di­nhei­ro do que em 2012, e ou­tros que pro­gra­ma­ram evo­lu­ção na re­cei­ta in­fe­ri­or à in­fla­ção pro­je­ta­da pa­ra es­te ano - o que, na prá­ti­ca, sig­ni­fi­ca di­zer que es­tão per­den­do re­cur­sos.

O pre­nún­cio de au­men­to nas di­fi­cul­da­des em al­gu­mas pre­fei­tu­ras foi iden­ti­fi­ca­do por meio de son­da­gem de O Diá­rio nas contas de 25 ci­da­des da re­gião. Pe­lo ce­ná­rio atu­al, é pos­sí­vel afir­mar que no­ve des­ses mu­ni­cí­pi­os (36%) di­fi­cil­men­te te­rão um ga­nho re­al, em uma si­tu­a­ção que com­pro­me­te a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­tos, ca­so es­te­jam cer­tas as contas de pla­ne­ja­men­to do Or­ça­men­to 2013.

“Vou ter R$ 1.059 a me­nos no Or­ça­men­to 2013 do que nes­te ano. É com­pli­ca­do”, diz o pre­fei­to elei­to de Mu­nhoz de Mel­lo, Ge­ral­do Go­mes (PMDB). O or­ça­men­to do mu­ni­cí­pio pa­ra 2013 é de R$ 13,82 mi­lhões. Ca­so acom­pa­nhas­se ao me­nos a in­fla­ção de 2012 – 5,43%, se­gun­do a pro­je­ção mais re­cen­te do Bo­le­tim Fo­cus, do Ban­co Cen­tral – Mu­nhoz te­ria R$ 14,55 mi­lhões pa­ra o pró­xi­mo ano.

Em Flo­raí, a pre­vi­são or­ça- men­tá­ria pa­ra o ano que vem é de R$ 10,09 mi­lhões – 5% mai­or do que o pro­je­ta­do pa­ra es­te ano, se­gun­do o Se­tor de Con­ta­bi­li­da­de. O pre­fei­to elei­to Faus­to Edu­ar­do Her­ra­don (PSDB) diz que a si­tu­a­ção pre­o­cu­pa, mas afir­ma não poder dar uma opi­nião pre­ci­sa so­bre o cai­xa do go­ver­no. “Não te­nho es­se nú- me­ro con­cre­to, mas acho in­jus­to vo­cê co­me­çar um man­da­to com um or­ça­men­to me­nor que a in­fla­ção.”

Os pro­ble­mas nas contas das pre­fei­tu­ras da re­gião não são um fenô­me­no res­tri­to ao se­ten­trião pa­ra­na­en­se. Es­tu­do di­vul­ga­do pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Mu­ni­cí­pi­os (CNM) em se­tem­bro apon­tou que 75% das ci­da­des cor­rem o ris­co fe­char o ano no ver­me­lho, de­vi­do à de­sa­ce­le­ra­ção da eco­no­mia e à de­so­ne­ra­ção de im­pos­tos – prin­ci­pal cau­sa pa­ra a que­da no re­pas­se do FPM.

Ain­da de acor­do com o le­van­ta­men­to da CNM, 259 dos 399 pre­fei­tos do Pa­ra­ná (65%) afir­ma­ram que a re­du­ção dos re­cur­sos pro­ve­ni­en­tes do FPM vai pre­ju­di­car o fe­cha­men­to de contas do man­da­to.

“O rom­bo to­tal (no País) de­ve ser de R$ 24,8 bi­lhões, que é 6,8% da re­cei­ta de R$ 364 bi­lhões do pre­vis­to pa­ra os mu­ni­cí­pi­os”, cal­cu­la o pre­si­den­te da CNM, Pau­lo Ziul­kos­ki.

mgat­ti@odi­a­rio.com Com um au­men­to de 39% no or­ça­men­to do mu­ni­cí­pio pa­ra 2013 na com­pa­ra­ção com es­te ano, a Pre­fei­tu­ra de Man­da­gua­çu co­me­ça a co­lher os fru­tos do cres­ci­men­to da ci­da­de. O pre­fei­to re­e­lei­to Is­ma­el Fou­a­ni (PSD) vai ter R$ 9 mi­lhões a mais pa­ra tra­ba­lhar no pró­xi­mo ano. Se­gun­do ele, o va­lor se re­fe­re ao au­men­to na ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos. “O co­mér­cio se for­ta­le­ceu, con­se­gui­mos tra­zer mais in­dús­tri­as e no­vos lo­te­a­men­tos fo­ram aber­tos na ci­da­de.”

Fou­a­ni afir­ma que o or­ça­men­to mai­or vai per­mi­tir mais in­ves­ti­men­tos e di­mi­nuir a de­pen­dên­cia pe­los re­pas­ses das ou­tras es­fe­ras de go­ver­no. “Pa­ra 2013, va­mos am­pli­ar o Par­que In­dus­tri­al da Vi­la Gu­a­di­a­na, in­ves­tir em in­cu­ba­do­ras de em­pre­sas no an­ti­go par­que in­dus­tri­al. Tam­bém va­mos am­pli­ar o hos­pi­tal mu­ni­ci­pal, as­fal­tar dois bair­ros e cons­truir uma cre­che no­va. Te­mos mais pro­je­tos. Tudo com re­cur­sos pró­pri­os”, ga­ran­te.

Tal re­a­li­da­de mos­tra-se distante da de Nos­sa Se­nho­ra das Gra­ças, on­de o pre­fei­to elei­to João Pi­ne­li Pe­dro­so (DEM) vai ter um or­ça­men­to de apro­xi­ma­da­men­te R$ 9,8 mi­lhões pa­ra 2013 (va­lor não con­fir­ma­do ofi­ci­al­men­te), e acre­di­ta que vai poder in­ves­tir mui­to pou­co. “Se ad­mi­nis­trar bem, é pos­sí­vel in­ves­tir uns R$ 500 mil em obras”, ava­lia.

José Cláudio Ba­tis­ta, ma­ri­do e prin­ci­pal as­ses­sor da pre­fei­ta elei­ta de Pa­ra­na­city, Ed­nea Bu­chi Ba­tis­ta (PSDB), ava­lia que os in­ves­ti­men­tos no mu­ni­cí­pio - que vai ter um or­ça­men­to de R$ 24,4 mi­lhões em 2013 - vão de­pen­der prin­ci­pal­men­te do tra­ba­lho dos de­pu­ta­dos fe­de­rais e es­ta­du­ais em con­se­guir re­cur­sos pa­ra a ci­da­de. “A pri­o­ri­da­de no pri­mei­ro ano é a in­fra­es­tru­tu­ra da ci­da­de e a saú­de. O hos­pi­tal es­tá in­ter­di­ta­do há 2 anos. Com as emen­das dos de­pu­ta­dos, acre­di­ta­mos que po­de­re­mos in­ves­tir cer­ca de R$ 3 mi­lhões em obras.”

Em San­to Iná­cio, os con­ta­do­res da pre­fei­tu­ra in­for­ma­ram que, a prin­cí­pio, o va­lor des­ti­na­do a in­ves­ti­men­tos em 2013 vai ser me­nor do que em 2012, quan­do a pre­fei­tu­ra vai fe­char o ano com R$ 867 mil em obras. Pa­ra 2013, a pre­vi­são ini­ci­al é que so­brem R$ 825 mil pa­ra in­ves­ti­men­tos, mas o va­lor po­de au­men­tar se o mu­ni­cí­pio con­se­guir mais ver­bas com os go­ver­nos es­ta­du­al e fe­de­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.