MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO -

Uma opor­tu­ni­da­de a me­nos

O to­do de dois

Ao ve­tar o ar­ti­go 3º da Lei dos Royal­ti­es do Pe­tró­leo, a pre­si­den­te Dil­ma Rousseff jus­ti­fi­cou a ne­ces­si­da­de de não se que­bra­rem con­tra­tos em vi­gor, ca­pi­tu­lan­do aos in­te­res­ses do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro - e tam­bém do Es­pí­ri­to San­to - con­tra o que foi apro­va­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal. A jus­ti­fi­ca­ti­va é boa. A se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca dos con­tra­tos é fun­da­men­tal pa­ra a con­ti­nui­da­de do Es­ta­do de Di­rei­to e pi­lar do sis­te­ma de­mo­crá­ti­co. Po­rém, con­tra­tos são fei­tos con­si­de­ran­do a pos­si­bi­li­da­de de se­rem que­bra­dos. Por is­so, com­por­tam cláu­su­las de se­gu­ran­ça e pe­na­li­da­des con­tra­tu­ais, pa­ra o ca­so de se­rem que­bra­dos. Do pon­to de vis­ta do in­ves­ti­dor, aque­le pa­ra qu­em re­al­men­te a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca é de­ter­mi­nan­te, a al­te­ra­ção pro­vo­ca­da na lei depois do ve­to de Do­na Dil­ma não sig­ni­fi­ca ab­so­lu­ta­men­te na­da. A tal que­bra de con­tra­to, aí, é só pa­ra qu­em iria re­ce­ber os royal­ti­es, não pa­ra qu­em os pa­gam. O va­lor, o por­cen­tu­al e tudo o mais, se­gue in­tac­to. Pa­ra qu­em se pa­ga, não. Pe­lo me­nos não se­gui­ria se Do­na Dil­ma não ti­ves­se ve­ta­do a ma­té­ria. A se­gu­ran­ça con­tra­tu­al que se fa­la aí é a de que os Es­ta­dos do Rio de Ja­nei­ro e Es­pí­ri­to San­to con­ti­nu­em fi­can­do com a mas­sa, o re­cheio e o gla­cê do bo­lo da pro­du­ção do pe­tró­leo bra­si­lei­ro. Pe­lo fa­to de que as mai­o­res re­ser­vas des­co­ber­tas - há ou­tras em pros­pec­ção que es­tão fo­ra des­te im­bró­glio - es­ta­rem na Ba­cia de Cam­pos, que abar­ca os dois Es­ta­dos. Ocor­re que a Cons­ti­tui­ção de 88 de­fi­niu que o pe­tró­leo, co­mo as de­mais re­ser­vas mi­ne­rais em so­lo bra­si­lei­ro, per­ten­ce à União. Ou me­lhor, per­ten­ce a to­dos os bra­si­lei­ros. E os ca­ri­o­cas e ca­pi­xa­bas que­rem pa­ra si o go­zo e o fru­to ex­clu­si­vo des­se ca­pi­tal. Com a Lei dos Royal­ti­es, o Con­gres­so Na­ci­o­nal re­e­qui­li­brou a par­ti­lha des­ses re­cur­sos e res­ta­be­le­ceu o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal. De cer­to mo­do, qu­em que­bra­va re­gra es­ta­be­le­ci­da - re­gra cons­ti­tu­ci­o­nal - eram es­tes Es­ta­dos, que se be­ne­fi­ci­a­vam ex­clu­si­va­men­te de uma ri­que­za que é de to­da a Na­ção. Ao ve­tar o ar­ti­go ci­ta­do, a pre­si­den­te agiu po­li­ti­ca­men­te, pa­ra agra­dar ao go­ver­na­dor Sér­gio Ca­bral, ali­a­do das úl­ti­mas elei­ções. E pre­ju­di­cou 24 Es­ta­dos e mais de 5.500 mu­ni­cí­pi­os.

Pres­são das ba­ses

Cla­ro que ain­da exis­te a pos­si­bi­li­da­de de o Con­gres­so re­jei­tar o ve­to da pre­si­den­te. Não é ta­re­fa fá­cil, con­ve­nha­mos. Mas haverá gran­de pres­são de pre­fei­tos e go­ver­na­do­res aos de­pu­ta­dos e senadores pa­ra re­ver a de­ci­são e, tam­bém con­ve­nha­mos, o in­te­res­se do con­jun­to des­ses en­tes fe­de­ra­ti­vos é su­pe­ri­or ao do in­te­res­se de dois Es­ta­dos es­pe­cí­fi­cos. Re­jei­tar o ve­to, por­tan­to, não é al­go im­pos­sí­vel. De­pen­de mui­to mais da ar­ti­cu­la­ção de pre­fei­tos e go­ver­na­do­res do que da es­tru­tu­ra li­ne­ar par­ti­dá­ria que é, em úl­ti­ma aná­li­se, uma ali­an­ça de poder com o Go­ver­no Cen­tral. Po­rém, a pres­são das ba­ses, nes­te que­si­to, é mais for­te do que o ali­nha­men­to ver­ti­cal do in­te­res­se do Pla­nal­to.

Mi­lho pa­ra bo­de

Nes­ta his­tó­ria to­da, uma coi­sa é cer­ta: hou­ves­sem os par­la­men­ta­res aca­ta­do a su­ges­tão do Pla­nal­to de des­ti­nar com ex­clu­si­vi­da­de es­tas re­cei­tas pa­ra apli­ca­ção ca­rim­ba­da em Edu­ca­ção, pos­si­vel­men­te, o ve­to não ocor­res­se. Po­rém, ao par­ti­lhar en­tre os mu­ni­cí­pi­os de ma­nei­ra li­vre, pa­ra que os pre­fei­tos usas­sem co­mo que­ses­sem es­ta ri­que­za, os par­la­men­ta­res dei­xa­ram aber­tas as por­tas pa­ra o mau uso dos re­cur­sos. O pes­so­al, que es­tá fe­chan­do as pre­fei­tu­ras, por­que a que­da do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção acen­tu­ou nes­te fim de ano e não tem co­mo qui­tar as dí­vi­das, mos­tra-se in­ca­paz de pre­ver o pró­prio or­ça­men­to. E, con­ve­nha­mos mais uma vez: as pre­fei­tu­ras es­tão em di­fi­cul­da­des, por­que gas­ta­ram o que po­di­am e o que não po­di­am pa­ra que os pre­fei­tos se re­e­le­ges­sem ou fi­zes­sem os su­ces­so­res. E foi pa­ra es­sa gen­te que os de­pu­ta­dos re­sol­ve­ram dar uma ver­ba li­vre de des­ti­na­ção. E Do­na Dil­ma fi­cou à von­ta­de pa­ra ve­tar. Uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra o País que cor­re o ris­co de fi­car em­pa­ca­da: de pro­mo­ver a gran­de mu­dan­ça na Edu­ca­ção e no fu­tu­ro da Na­ção. Mais um prego no nos­so cai­xão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.