Gur­gel pe­di­rá pri­são ime­di­a­ta de con­de­na­dos

Pro­cu­ra­dor-ge­ral da República te­me que con­de­na­dos se­jam pu­ni­dos ape­nas em 2014 ou até depois dis­so. Ele tam­bém vai so­li­ci­tar a per­da de man­da­tos

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Ma­ri­ân­ge­la Gal­luc­ci

O pro­cu­ra­dor-ge­ral da República, Ro­ber­to Gur­gel, afir­mou on­tem que vai pe­dir ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que de­cre­te a ime­di­a­ta per­da dos man­da­tos dos po­lí­ti­cos con­de­na­dos no pro­ces­so do men­sa­lão. Após os mi­nis­tros con­cluí­rem a aná­li­se do pro­ces­so, ele pe­di­rá a exe­cu­ção ime­di­a­ta das con­de­na­ções dos men­sa­lei­ros, de­cre­tan­do pri­sões e per­das de man­da­to.

Se a Cor­te op­tar por es­pe­rar o jul­ga­men­to de even­tu­ais re­cur­sos pa­ra so­men­te depois to­mar as me­di­das res­tri­ti­vas, Gur­gel acre­di­ta que os con­de­na­dos so­men­te se­rão de fa­to pu­ni­dos em 2014 ou até depois dis­so. “Há umas es­ti­ma­ti­vas fei­tas pe­la im­pren­sa de que (a exe­cu­ção) se­ria al­gu­ma coi­sa no fim do pri­mei­ro se­mes­tre de 2013. Eu di­ria que vo­cês es­tão sen­do oti­mis­tas. Se não ti­ver pri­são ime­di­a­ta co­mo re­que­ri­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, o meu ho­ri­zon­te pa­ra cum­pri­men­to des­sa de­ci­são é bem mais lon­go, tal­vez 2014, ou bem depois, por­que o nos­so sis­te­ma pro­ces­su­al pre­vê es­ses re­cur­sos e te­mos um gran­de nu­me­ro de réus que po­de­rão in­ter­por re­cur­sos ao lon­go de mui­to tem­po”, afir­mou o pro­cu­ra­dor em en­tre­vis­ta a jor­na­lis­tas.

Pa­ra Gur­gel, quan­do a de­ci­são for exe­cu­ta­da, se­rá um mar­co na his­tó­ria da Jus­ti­ça bra­si­lei­ra. “Pe­la pri­mei­ra vez de uma for­ma tão am­pla se es­ta­be­le­ce que nin­guém nes­te País es­tá a sal­vo da ação das ins­ti­tui­ções que com­põem o sis­te­ma de Jus­ti­ça e que quan­do des­vi­os acon­te­cem, cri­mes são co­me­ti­dos, es­sas pes­so­as são res­pon­sa­bi­li­za­das in­clu­si­ve pe­nal­men­te e de­vem so­frer, co­mo qual­quer cri­mi­no­so, as con­sequên­ci­as des­sa de­ci­são con­de­na­tó­ria com o cum­pri- men­to in­clu­si­ve da pe­na de pri­são”, dis­se.

In­da­ga­do se a ju­ris­pru­dên­cia do STF não ga­ran­te aos réus do men­sa­lão o di­rei­to de re­cor­rer an­tes da exe­cu­ção das con­de­na­ções, Gur­gel dis­se que não. Ele afir­mou que os even­tu­ais re­cur­sos não te­rão efei­to mo­di­fi­ca­ti­vo. “A ju­ris­pru­dên­cia do STF é fir­me no sen­ti­do de que não ca­be exe­cu­ção pro­vi­só­ria da con­de­na­ção. No ca­so, o que a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da República sus­ten­ta é que di­an­te da cir­cuns­tân­cia de se tra­tar de de­ci­são ple­ná­ria do STF, a hi­pó­te­se é de exe­cu­ção de­fi­ni­ti­va. E a res­pei­to dis­so não há po­si­ci­o­na­men­to con­trá­rio do STF”, afir­mou. Mes­mo com o fim do jul­ga­men­to do men­sa­lão, Gur­gel acre­di­ta que ocor­re­rão ten­ta­ti­vas de des­mo­ra­li­zar o STF e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

Fabio Rodrigues Pozzebom/abr

Gur­gel diz que a exe­cu­ção da de­ci­são se­rá um mar­ço pa­ra a Jus­ti­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.