RO­DRI­GO PAR­RA

Co­mo se diz ‘so­cor­ro’ em ja­po­nês?

O Diario do Norte do Parana - - ESPORTES -

Ad­mi­to que, co­mo to­do co­rinthi­a­no – e o pró­prio Co­rinthi­ans – ti­rei fé­ri­as do fu­te­bol depois da con­quis­ta da Li­ber­ta­do­res. O Olim­po co­rinthi­a­no ge­rou em mim e, acre­di­to, na mai­or par­te da tor­ci­da, uma es­pé­cie de le­tar­gia fu­te­bo­lís­ti­ca. En­quan­to o Co­rinthi­ans es­pe­ra­va o Mun­di­al e cum­pria ape­nas ta­be­la no Bra­si­lei­rão, de­di­quei tem­po às cor­ri­das – Fór­mu­la 1, na ver­da­de, pois não su­por­to Indy e Stock Car – e à Na­ti­o­nal Fo­ot­ball Le­a­gue (NFL), prin­ci­pal li­ga de fu­te­bol ame­ri­ca­no dos Es­ta­dos Uni­dos. E há um al­go mais nes­ses dois cam­pe­o­na­tos que, com cer­te­za, aju­dam a fa­zer com que o ex­pec­ta­dor se sin­ta, di­ga­mos as­sim, sa­ci­a­do: a trans­mis­são. É um show à par­te. Na Fór­mu­la 1, a lar­ga­da se trans­for­ma em lar­ga­das: vo­cê, no so­fá de ca­sa, pas­sa a ‘pi­lo­tar’ não ape­nas um, mas to­dos os car­ros que es­tão na pon­ta do grid. É a tal trans­mis­são em HD que, so­ma­da ao efei­to de câ­me­ra len­ta, cria uma re­a­li­da­de até en­tão ini­ma­gi­ná­vel. Na NFL é a mes­ma coi­sa, acres­ci­do da­que­la câ­me­ra que fi­ca ‘vo­an­do’ so­bre o gra­ma­do. Um show. A bo­la oval vo­an­do e gi­ran­do em um ei­xo ima­gi­ná­rio. Cor­re­dor e mar­ca­dor di­vi­din­do pas­sa­das olhan­do pra ci­ma até que uma de­les agar­ra a bo­la: Tou­chdwon? In­ter­cep­ta­ção? Tan­to faz, no ca­so em ques­tão, o que va­le é a be­le­za do lan­ce. On­de fal­ta o co­ra­ção, fal­ta emo­ção. Mas o pa­vor das emis­so­ras de te­le­vi­são es­ta­va em mi­nhas mãos, e exer­ci, sem dó, o poder de aper­tar os bo­tões do con­tro­le re­mo­to. Ruim pra mim. Saí de uma tran­qui­la vi­tó­ria do New En­gland Pa­tri­ots so­bre o Mi­a­mi Dolphins (23 x16) pa­ra a du­ra re­a­li­da­de do Bra­si­lei­rão. Não que a trans­mis­são se­ja pés­si­ma – ela é ruim se com­pa­ra­da aos even­tos ci­ta­dos – mas ruim mes­mo foi ter caí­do direto no pas­seio dos ‘Mau­ri­ço­las B’ – eles jo­ga­ram com o ti­me re­ser­va – con­tra os ‘Ma­lo­ca da perifa’. Deus é mais. Sa­ra­vá, São Jorge, que a coi­sa tá feia. O pou­co que vi – não sei se is­so foi bom ou ruim – foi su­fi­ci­en­te pra pen­sar: ain­da bem que o ‘Xéus­si’ tá mal. Cu­rín­tia e Xéus­si le­vam se­me­lhan­ças pa­ra o Ja­pão. Ga­nha­ram di­rei­to – des­sa vez não fo­mos os con­vi­da­dos que es­tra­ga­ram a fes­ta – de jo­gar o Mun­di­al com as con­quis­tas iné­di­tas da Li­ber­ta­do­res e Ue­fa Cham­pi­ons Le­a­gue. Lá, as­sim co­mo cá, as apos­tas es­ta­vam en­tre Bar­ce­lo­na e Santos. To­dos es­pe­ra­vam um re­pe­te­co do massacre de Yo­koha­ma (em alu­são aos 4 x 0 que o Bar­ça sa­pe­cou nos Lam­ba­ris da Bai­xa­da ano pas­sa­do, no dia 18 de de­zem­bro), mas vão ter que se con­ten­tar com ou­tra fi­nal: Cu­rín­tia x Xéus­si? O pon­to de in­ter­ro­ga­ção foi co­lo­ca­do pro­po­si­tal­men­te. Al­guém aí, em sã cons­ci­ên­cia, apos­ta­ria di­nhei­ro nes­sa hi­pó­te­se? Nes­ses dois clu­bes? Eu, em­bo­ra es­te­ja com tudo pron­to pra tor­cer, pre­ci­so que o Co­rinthi­ans pas­se à fi­nal. O pri­mei­ro jo­go, dia 12, co­me­ça às 8h30, e o ad­ver­sá­rio ain­da es­tá in­de­fi­ni­do. Sai­rá do con­fron­to en­tre Al Ahly con­tra o ven­ce­dor do jo­go Hi­roshi­ma x Auc­kland City. E o pro­le­tá­rio aqui vai es­tar tra­ba­lhan­do. Ou se­ja: é um olho na te­vê, ou­tro no com­pu­ta­dor. Do la­do ‘xéus­si­a­no’, os blu­es pre­ci­sam ba­ter qu­em ven­cer o con­fron­to en­tre o Mon­ter­rey x Ul­san Hiun­day pra es­tar em cam­po dia 16, um do­min­go, tam­bém às 8h30. E é jus­ta­men­te aí que co­me­çam os pro­ble­mas. Tan­to um quan­to ou­tro pre­ci­sam ba­ter seus ad­ver­sá­ri­os pa­ra irem à fi­nal. ‘Fá­cil de­mais’, vão di­zer os mais eu­fó­ri­cos. Os mais pes­si­mis­tas vão lem­brar do Ma­zem­be e da dan­ça que vi­rou fe­bre, a mo­to-bun­da, co­me­mo­ra­ção que fez do qua­se anô­ni­mo go­lei­ro Ki­di­a­ba uma fe­bre no YouTu­be. Co­mo o fi­ló­so­fo já di­zia, fu­te­bol é uma cai­xi­nha de sur­pre­sas e, de­pen­den­do da si­tu­a­ção, po­de ser uma Cai­xa de Pan­do­ra. Deus me li­vre pen­sar, mui­to mais acre­di­tar, mas al­guém aí du­vi­da da pos­si­bi­li­da­de de uma fi­nal ex­tra­ter­res­tre, sem os cam­peões da Eu­ro­pa e Amé­ri­ca do Sul? É di­fí­cil, qua­se im­pos­sí­vel, di­ria eu, mas o qua­se per­mi­te tudo e, quan­do se fa­la em fu­te­bol, até uma im­pon­de­rá­vel fi­nal en­tre clu­bes sem tra­di­ção. O Co­rinthi­ans, nes­se mo­men­to – se tudo deu cer­to - es­tá nas al­tu­ras. Faz es­ca­la em Du­bai e, depois, che­ga ao Ja­pão. Le­va na ba­ga­gem os 3x1 que le­vou dos re­ser­vas do São Pau­lo. Cu­ri­o­sa­men­te, foi es­se o mes­mo pla­car do Chel­sea em jo­go vá­li­do pe­lo Cam­pe­o­na­to In­glês no fim de se­ma­na. A di­fe­ren­ça, se é que ela exis­te – o São Pau­lo jo­gou com ti­me re­ser­va – é que os blu­es per­de­ram pa­ra West Ham, ti­me sem ex­pres­são. Quer mais uma coin­ci­dên­cia: am­bos per­de­ram de vi­ra­da. A di­fe­ren­ça en­tre Cu­rín­tia e Xéus­si es­tá fo­ra de cam­po. E, nes­se pon­to, van­ta­gem al­vi­ne­gra. Os blu­es aca­ba­ram de tro­car de téc­ni­co e Ra­fa Be­ní­tez já es­tá ame­a­ça­do. No ban­co co­rinthi­a­no, Ti­te, o fi­ló­so­fo da bo­la, te­rá mui­to tra­ba­lho. O ti­me es­tá dor­min­do em cam­po, pa­re­ce de­sen­tro­sa­do e per­deu a as­si­na­tu­ra da Li­ber­ta­do­res: 11 por 11, to­dos ata­can­do, to­dos de­fen­den­do. Mui­to do que se­rá o ti­me pas­sa pe­la ca­pa­ci­da­de de Ti­te de fa­zer os jo­ga­do­res en­tra­rem pi­lha­dos em cam­po, co­mo se fos­se o úl­ti­mo jo­go de su­as vi­das. E o pro­fes­sor te­rá aju­da nes­se tra­ba­lho. A pró­pria Fi­fa es­pe­ra que 10 mil co­rinthi­a­nos vi­a­jem do Bra­sil pa­ra o Ja­pão. So­ma­dos aos que es­tão es­pa­lha­dos pe­lo res­to do mun­do, de­ve che­gar a 15 mil lou­cos. Por is­so, Ti­mão, é tra­zer a ta­ça ou apren­der, ra­pi­di­nho, co­mo se diz ‘so­cor­ro’ em ja­po­nês.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.