Dé­cio Pig­na­ta­ri e sua po­e­sia

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - An­to­nio Gon­çal­ves Fi­lho

A mor­te do po­e­ta Dé­cio Pig­na­ta­ri, no úl­ti­mo do­min­go, aos 85 anos, de in­fec­ção pul­mo­nar, após lon­ga con­va­les­cen­ça, so­fren­do do mal de Alzhei­mer, pro­vo­ca um va­zio na li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra, que ga­nhou com ele e os irmãos Au­gus­to e Haroldo de Cam­pos di­rei­to a in­gres­so no ex­clu­si­vo gru­po con­cre­to in­ter­na­ci­o­nal, não só no cam­po poé­ti­co co­mo vi­su­al e mu­si­cal (du­ran­te os anos 1950 ele vi­veu na Eu­ro­pa, sen­do pró­xi­mo de ar­tis­tas co­mo o ma­es­tro Pi­er­re Bou­lez). Dé­cio, que es­ta­va in­ter­na­do no Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio da USP, foi en­ter­ra­do on­tem, no Ce­mi­té­ri­o­doMo­rum­bi.

Gran­de mo­men­to da ar­te bra­si­lei­ra no sé­cu­lo 20, o con­cre­tis­mo re­ce­beu im­pul­so enor­me das cri­a­ções li­te­rá­ri­as de Dé­cio, cu­jos po­e­mas vi­su­ais aju­da­ram a for­ma­tar a es­té­ti­ca dos ar­tis­tas do gru­po Rup­tu­ra nos anos 1950, que for­ça­ram a en­tra­da do Bra­sil no cam­po da abs­tra­ção pic­tó­ri­ca. Nas­ci­do em Jun­di­aí e for­ma­do pe­la Fa­cul­da­de de Di­rei­to da USP, co­me­çou sua car­rei­ra li­te­rá­ria co­mo po­e­ta, em 1949, ao la­do dos irmãos Cam­pos, igual­men­te fi­gu­ras fun­da­men­tais pa­ra o ad­ven­to do con­cre­tis­mo no Bra­sil e pre­sen­tes nos prin­ci­pais mo­vi­men­tos cul­tu­rais dos anos 1950 em di­an­te, in­clu­si­ve no Tro­pi­ca­lis­ta, nos anos 1960.

No ano da re­a­li­za­ção da 1ª. Bi­e­nal In­ter­na­ci­o­nal de São Pau­lo, 1951, ele rom­peu com os po­e­tas da ge­ra­ção de 1945 e fun­dou, no ano se­guin­te, o gru­po Noi­gran­des com os irmãos Cam­pos, de­di­ca­do à re­no­va­ção da lin­gua­gem poé­ti­ca bra­si­lei­ra. Dé­cio te­ve um pa­pel im­por­tan­te na divulgação da pro­du­ção de po­e­tas, ro­man­cis­tas e mú­si­cos da van­guar­da eu­ro­peia e ame­ri­ca­na, no­ta­da­men­te a do com­po­si­tor John Ca­ge. Es­se li­vre trân­si­to en­tre as di­ver­sas ar­tes sem­pre ca­rac­te­ri­zou a car­rei­ra do po­e­ta, cu­jos in­te­res­ses mul­ti­dis­ci­pli­na­res o le­va­ram a cri­ar, por exem­plo, po­e­mas-car­ta­zes no quar­to nú­me­ro da re­vis­ta Noi­gan­dres, em 1958, on­de Pig­na­ta­ri apre­sen­tou seu pla­no-pi­lo­to pa­ra a po­e­sia con­cre­ta bra­si­lei­ra, de­fen­den­do que não exis­te po­e­sia re­vo­lu­ci­o­ná­ria sem for­ma re­vo­lu­ci­o­ná­ria, o que o apro­xi­ma­va do cre­do poé­ti­co de Mai­a­kovs­ki.

Foi até cro­nis­ta de fu­te­bol

Exer­cen­do as mais diferentes fun­ções nos anos 1960, de pu­bli­ci­tá­rio a cro­nis­ta de fu­te­bol, Pig­na­ta­ri, que foi co­la­bo­ra­dor do jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo, or­ga­ni­zou hap­pe­nings, per­for­man­ces e, nos anos 1970, tor­nou-se pro­fes­sor de Te­o­ria Li­te- rá­ria no cur­so de pós-gra­du­a­ção da USP, dou­to­ran­do-se sob ori­en­ta­ção do pro­fes­sor An­to­nio Can­di­do.

Além de di­ver­sos li­vros de po­e­mas e tra­du­ções de Dan­te, Sha­kes­pe­a­re e Marshall McLuhan, en­tre ou­tros, Pig­na­ta­ri foi en­saís­ta (“Te­o­ria da Po­e­sia Con- cre­ta”, 1965), con­tis­ta (“O Ros­to da Me­mó­ria”, 1988), ro­man­cis­ta (“Pan­te­ros”, 1992) e dra­ma­tur­go (“Céu de Lo­na”, 2004). Seu po­e­ma mais co­nhe­ci­do é “Clo­a­ca”, mu­si­ca­do por Gil­ber­to Men­des, que faz alu­são ao mais po­pu­lar re­fri­ge­ran­te ame­ri­ca­no e ter­mi­na com um ar­ro­to.

Divulgação

Obra de Dé­cio Pig­na­ta­ri, en­ter­ra­do on­tem no Ce­mi­té­rio do Mo­rum­bi, foi im­por­tan­te pa­ra o con­cre­tis­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.