Cor­ta­do­res de ca­na e coi­sas do além

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

tan­to re­su­mi­do!) não pas­sa de uma gran­de co­var­dia. Já ma­ni­fes­tei es­sa con­vic­ção em pú­bli­co, ten­do re­ce­bi­do al­gu­mas res­pos­tas in­te­res­san­tes: o que es­tá nes­te mun­do, no má­xi­mo, po­de matar-me; não se sa­be o que po­de vir do des­co­nhe­ci­do. Bem, pa­ra meu par­ti­cu­lar apre­ço, mor­rer já é ruim o su ci­en­te. Lem­bre­mos, po­rém – não pre­ci­so en­trar em de­ta­lhes pa­ra não amar­gar ain­da mais o dia do lei­tor –, que um vi­ven­te po­de ter de pas­sar por um nú­me­ro al­to de hor­rí­veis con­di­ções li­mi­ta­do­ras an­tes de ir de vez pa­ra o ou­tro la­do do mis­té­rio. Não adi­an­ta, o mais as­sus­ta­dor do além não é o que ele pos­sa vir a ofe­re­cer. Já te­mos por aqui ex­ce­len­te ofer­ta de des­gra­ças. O apa­vo­ran­te mes­mo é pen­sar nas pri­va­ções de qu­em es­tá num ou­tro pla­no. A nal, Deus nos deu um tan­to de coi­sas lin­das pa­ra com­pen­sar os pe­ri­gos des­ta vi­da, que são de­mais. E de­ve ser cha­to es­tar nu­ma di­men­são sem aces­so aos no­vos lmes do Wo­ody Al­len, aos shows da Mo­ni­ca Sal­ma­so, a um bom bo­te­co com me­sa de si­nu­ca tor­ta, a um sor­ve­te de do­ce de lei­te re­den­tor, à pos­si­bi­li­da­de de uma pai­xão que se con­su­ma no en­con­tro das idei­as, dos ri­sos e da car­ne. Por al­gum me­ca­nis­mo de as­so­ci­a­ção que não con­si­go ex­pli­car, pen­sar nas coi­sas do ou­tro mun­do me faz lem­brar dos cor­ta­do­res de ca­na-de­a­çú­car, bem con­cre­tos e ter­re­nos. Apren­di uma ou ou­tra coi­sa so­bre o se­tor su­cro­al­co­o­lei­ro nos úl­ti­mos di­as, ra­zões pro ssi­o­nais. A mais im­pres­si­o­nan­te é a quan­ti­da­de de ca­na des­te país: é co­lhi­do por ano al­go pró­xi­mo a 700 bi­lhões de qui­los. Eu nem sa­bia que ha­via tan­to pe­so no mun­do. Já acho mi­nha te­le­vi­são pe­sa­da de­mais pa­ra car­re­gar da sa­la ao quar­to. To­do mun­do fa­la de so­ja, que re­al­men­te ocu­pa três ve­zes mais área plan­ta­da no Bra­sil, mas a ca­na é uma plan­ti­nha ro­bus­ta. Pos­tas as du­as sa­fras nu­ma gi­gan­tes­ca ba­lan­ça ima­gi­ná­ria, a so­ja te­ria ape­nas um dé­ci­mo do pe­so. Na ver­da­de, so­ma­da to­da a pro­du­ção de ali­men­tos do Bra­sil, o re­sul­ta­do é mais ou me­nos me­ta­de dos 700 mi­lhões de to­ne­la­das de ca­na. E a mai­o­ria des­sa pro­du­ção é co­lhi­da no bra­ço. A me­ca­ni­za­ção não che­gou a mui­tas áre­as. Quan­do eu es­ta­va fa­zen­do cor­po mo­le por al­gu­ma ra­zão, meu pai cos­tu­ma­va di­zer-me, “que­ria ver vo­cê tra­ba­lhan­do na plan­ta­ção de ca­na”. Sá­bia ad­ver­tên­cia. Num dia mé­dio, é es­pe­ra­do que um cor­ta­dor co­lha dez to­ne­la­das – e es­sa é ape­nas a quan­tia o ci­al, con­si­de­ra­da sa­lu­tar pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Co­mo re­ce­bem por vo­lu­me de tra­ba­lho, apro­xi­ma­da­men­te R$ 2,50 por to­ne­la­da, mui­tos que­rem ir além das mí­se­ras dez to­ne­la­di­nhas. Even­tu­al­men­te, um ou ou­tro aca­ba mor­ren­do de exaus­tão, fa­zer o quê. Nes­sas con­di­ções, se­rá que os cor­ta­do­res de ca­na têm tem­po pa­ra car pensando em al­mas pe­na­das e que­tais? A res­pos­ta “não” é ten­ta­do­ra, pa­ra ado­tar uma sociologia de bo­te­quim. Mas fos­se obri­ga­do a apos­tar, di­ria que mui­tos dos cor­ta­do­res de­vem sim mor­rer de me­do de fan­tas­mas, por que não? So­frer não nos faz me­lho­res, nem imu­nes às fra­que­zas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.