União es­tá­vel per­mi­te ado­tar no­me de ca­sa­do

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

“O di­rei­to é fa­to, va­lor e nor­ma.” -

Os fa­tos que com­põem o co­ti­di­a­no das pes­so­as mu­dam os va­lo­res, e a me­di­da que tais va­lo­res mu­dam, de­man­dam no­vas nor­mas pa­ra as ne­ces­si­da­des da so­ci­e­da­de. Con­tu­do, en­quan­to as no­vas leis não che­gam, cum­pre ao Es­ta­do, por meio do Poder Ju­di­ciá­rio, aten­der ca­so a ca­so, su­prin­do-lhes a fal­ta. Es­ta com­ple­xi­da­de de aten­der às ne­ces­si­da­des da so­ci­e­da­de, atra­vés da pa­ci­fi­ca­ção dos con­fli­tos, ade­quan­do os ca­sos con­cre­tos aos va­lo­res atu­ais, é a ocu­pa­ção do Di­rei­to.

Na vi­são de Miguel Re­a­le, o Di­rei­to é co­mo um bo­lo de três sa­bo­res, sen­do os sa­bo­res su­as fi­na­li­da­des, as quais se com­ple­men­tam: a fac­tu­al, a axi­o­ló­gi­ca e a nor­ma­ti­va. Is­to im­pli­ca di­zer que o Di­rei­to sem­pre de­man­da­rá o es­tu­do so­ci­o­ló­gi­co e fi­lo­só­fi­co, além do nor­ma­ti­vo, ou se­ja, o Di­rei­to não se li­mi­ta ao que es­tá pre­vis­to em lei, pois acom­pa­nha a di­nâ­mi­ca do te­ci­do so­ci­al.

Vol­tan­do es­ta com­pre­en­são pa­ra o di­rei­to de fa­mí­lia, ob­ser­va­mos que fo­ram pro­fun­das as mu­dan­ças nos va­lo­res so­ci­ais, em es­pe­ci­al a par­tir da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de 1988, im­pul­si­o­na­das pe­lo fenô­me­no da re­per­so­na­li­za­ção do Di­rei­to Ci­vil, que em pro­te­ção ao prin­cí­pio da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na afas­tou as de­si­gual­da­des en­tre os pais, en­tre os fi­lhos, en­tre as pes­so­as que com­põem o nú­cleo fa­mi­li­ar.

Den­tro des­sa con­cep­ção atu­al de fa­mí­lia, po­de­mos afir­mar, acom­pa­nhan­do Pau­lo Lôbo Net­to, que não mais se cons­ti­tui fa­mí­lia por fi­na­li­da­de econô­mi­ca, re­li­gi­o­sa e tam­pou­co pro­cri­a­ci­o­nal, pois es­ta se es­ta­be­le­ce e se fun­da­men­ta no afe­to, pas­san­do es­te a ser um no­vo va­lor ju­rí­di­co pro­te­gi­do. A des­bu­ro­cra­ti­za­ção do di­vór­cio é mai­or pro­va de que o mais im­por­tan­te é o afe­to, pois quan­do es­te dei­xa de exis­tir, não há mo­ti­vos pa­ra ma­nu­ten­ção da união.

En­tão, se o no­vo va­lor so­ci­al é um ou­tro sa­bor do bo­lo (Di­rei­to), co­mo nos en­si­na Miguel Re­a­le, pa­re­ce in­te­res­san­te no­tar que es­tá se es­ta­be­le­cen­do uma ten­dên­cia nas de­ci­sões dos tri­bu­nais, no sen­ti­do de igua­lar o tra­ta­men­to ju­rí­di­co às es­pé­ci­es fa­mi­li­a­res.

Bas­ta lem­brar­mos a de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que re­co­nhe­ceu a união es­tá­vel dos ca­sais ho­mo­a­fe­ti­vos, que tor­nou pos­sí­vel a con­ver­são em ca­sa­men­to, co­mo já vem ocor­ren­do no Bra­sil, atra­vés de pe­di­do de ha­bi­li­ta­ção por pro­ces­so ju­di­ci­al.

Ou­tra cu­ri­o­sa, re­cen­te e não me­nos im­por­tan­te de­ci­são pro­ce­deu do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), no mês de no­vem­bro, a qual per­mi­tiu a uma com­pa­nhei­ra em união es­tá­vel por 30 anos, pas­sar a ado­tar o so­bre­no­me de seu com­pa­nhei­ro, co­mo se ca­sa­da fos­se. No acór­dão, a re­la­to­ra, mi­nis­tra Nancy An­drighi, ob­ser­vou com pre­ci­são que ao ne­gar es­ta pos­si­bi­li­da­de aos com­pa­nhei­ros, a Lei de Re­gis­tros Pú­bli­cos (Art. 57, par. 2, da Lei 6.015/73) es­ta­ria se opon­do a va­lo­res so­ci­ais atu­ais.

Re­di­gi­da na épo­ca em que o ca­sa­men­to era in­dis­so­lú­vel, a lei ex­cluía tal hi­pó­te­se, com uma agra­van­te, por­que am­bos eram sol­tei­ros. Quan­do en­tão, o STJ ope­rou a in­ter­pre­ta­ção dos fa­tos e va­lo­res so­ci­ais no ca­so con­cre­to à luz da Cons­ti­tui­ção, e con­cluiu que, de­mons­tra­da a con­cor­dân­cia dos com­pa­nhei­ros e não ha­ven­do pre­juí­zo a ter­cei­ros, exi­gir que se ca­sem sim­ples­men­te pa­ra po­de­rem exer­cer por di­rei­to aqui­lo que já pos­su­em de fa­to há 30 anos con­fi­gu­ra­ria ato cruel.

Pou­cos sa­bem, mas é pos­sí­vel re­que­rer ju­di­ci­al­men­te a mu­dan­ça de no­me do ca­sal em ra­zão de união es­tá­vel (co­mo se faz no ca­sa­men­to), o que tam­bém se cos­tu­ma fa­zer nos pe­di­dos de união es­tá­vel ho­mo­a­fe­ti­va.

Os sa­bo­res do bo­lo (Di­rei­to) es­tão pre­sen­tes, e a ten­dên­cia das de­ci­sões dos tri­bu­nais de­mons­tram que, aos pou­cos, ca­da vez me­nos di­fe­ren­ças haverá no tra­ta­men­to ju­rí­di­co en­tre as es­pé­ci­es fa­mi­li­a­res. Nos di­as de ho­je, o Di­rei­to re­quer mui­to mais o es­tu­do so­ci­o­ló­gi­co e fi­lo­só­fi­co do que o nor­ma­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.