DE SO­BRE­VI­VÊN­CIA

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM -

Internet

Os cui­da­dos na ho­ra de fa­zer as com­pras de na­tal são im­por­tan­tís­si­mos pa­ra que vo­cê evi­te do­res de ca­be­ça no pe­río­do de fes­tas. Mas aten­te-se ao fa­to de que es­sas pre­cau­ções não são as úni­cas ne­ces­sá­ri­as. No qua­dro ao la­do, ve­ja co­mo pro­te­ger su­as contas, sua ca­sa, seu car­ro e sua fa­mí­lia du­ran­te as fé­ri­as. Na­tal com car­tão de cré­di­to, e 47%, à vis­ta. Nas com­pras on­li­ne, a di­ca é fe­char ne­gó­cio em si­tes que te­nham lo­jas fí­si­cas. As­sim, tro­cas e re­cla­ma­ções são fa­ci­li­ta­das. Ca­so con­trá­rio, é mais se­gu­ro dar pre­fe­rên­cia a em­pre­sas con­so­li­da­das, com bai­xo ín­di­ce de quei­xas.

Nem sem­pre o pro­du­to ad­qui­ri­do pe­la internet es­ta­rá na ca­sa do com­pra­dor an­tes do Na­tal. A lo­ja pre­ci­sa dei­xar cla­ro ao cli­en­te quan­do a en­tre­ga se­rá fei­ta. Pra­zos es­ti­pu­la­dos, no en­tan­to, pre­ci­sam ser cum­pri­dos.

A mai­o­ria dos ma­rin­ga­en­ses pre­ten­de gas­tar de R$ 201 a R$ 300 nas com­pras de Na­tal. Rou­pas e brin­que­dos li­de­ram a lis­ta de pre­sen­tes. Se­gun­do pes­qui­sa da Acim, 36% dos con­su­mi­do­res só vão efe­tu­ar as com­pras na se­ma­na do Na­tal, e 23% pre­ten­dem com­prar na pri­mei­ra quin­ze­na do mês.

De acor­do com o Pro­con, a com­pra an­te­ci­pa­da ga­ran­te co­mo­di­da­de e mai­or nú­me­ro de op­ções à es­co­lha do cli­en­te, mas não é pos­sí­vel men­su­rar se exis­te in­ter­fe­rên­cia no pre­ço da mer­ca­do­ria. “Nem fa­la­mos em pre­ço por­que é ques­tão de mer­ca­do. O lo­jis­ta po­de fa­zer ou não uma qu­ei­ma de es­to­que na vés­pe­ra do Na­tal”. (Co­la­bo­rou Ro­ber­to Sil­va)

O exem­plo – um pro­du­to que à vis­ta sai por R$ 999, di­vi­di­do em 20 par­ce­las po­de che­gar a R$ 1.718. Os ju­ros são de 5,9% ao mês. Fa­ça lis­ta das pes­so­as que vai pre­sen­te­ar e anote o va­lor má­xi­mo dos pre­sen­tes. Con­fir­me pre­sen­ças pa­ra a ceia e pla­ne­je os pra­tos le­van­do em con­ta o nú­me­ro de con­vi­da­dos.

Pou­pe par­te do 13º sa­lá­rio pa­ra qui­tar à vis­ta as contas de iní­cio de ano, co­mo IPTU, IPVA, ma­te­ri­al e uni­for­me es­co­lar.

Se ti­ver contas atra­sa­das, use o 13º sa­lá­rio pa­ra qui­tá-las e co­me­ce 2013 no azul. Li­vre-se pri­mei­ro das dí­vi­das com ju­ros mai­o­res, co­mo as do car­tão de cré­di­to e do che­que es­pe­ci­al.

Ou­ro e dó­lar fo­ram os in­ves­ti­men­tos mais ren­tá­veis do mês pas­sa­do. O ou­ro acu­mu­la­va al­ta de 4,93% até o dia 29. No ano, o me­tal va­lo­ri­zou 23,16%, bem à fren­te dos de­mais in­ves­ti­men­tos. O dó­lar avan­çou 3,75% em no­vem­bro. Pro­cu­re agên­ci­as de con­fi­an­ça e gu­ar­de con­tra­tos, anún­ci­os e fo­lhe­tos. Co­mu­ni­que a agên­cia so­bre pro­ble­mas du­ran­te a vi­a­gem e fo­to­gra­fe ou fa­ça ví­de­os dos in­ci­den­tes.

As lo­jas per­dem 68% dos cli­en­tes por fa­lhas no aten­di­men­to, se­gun­do pes­qui­sa do Se­brae na re­gião no­ro­es­te do Es­ta­do. Pa­ra 21% dos con­su­mi­do­res, o aten­di­men­to pre­ci­sa me­lho­rar.

Pe­ça dois do­cu­men­tos ori­gi­nais, co­mo CPF, RG e CNH, ve­ri­fi­que se o no­me im­pres­so nos do­cu­men­tos é o mes­mo do com­pro­van­te de en­de­re­ço, con­sul­te fer­ra­men­tas de pre­ven­ção de frau­des dis­po­ní­veis, pe­ça que par­te do pa­ga­men­to se­ja fei­ta à vis­ta.

Con­tra­te al­guém da sua con­fi­an­ça pa­ra cui­dar da ca­sa. O ide­al é man­ter a pes­soa no imó­vel. Ca­so não se­ja pos­sí­vel, ori­en­te-a a man­ter as lu­zes ace­sas em ho­rá­ri­os de­ter­mi­na­dos, cal­ça­das var­ri­das e cor­res­pon­dên­ci­as re­co­lhi­das.

Man­te­nha-se aten­to a abor­da­gens de es­tra­nhos e evi­te es­ten­der a con­ver­sa.

pro­mes­sas de ga­nho fá­cil sem­pre es­con­dem al­gum ti­po de gol­pe. Ao sair pa­ra as com­pras, evi­te lo­jas com mui­ta aglo­me­ra­ção e man­te­nha sua bol­sa sem­pre à fren­te do cor­po.

Pes­qui­se pre­ços, não te­nha ver­go­nha de pe­dir des­con­tos, an­te­ci­pe as com­pras de Na­tal e o que pu­der dei­xar pa­ra depois, com­pre em ja­nei­ro, quan­do há pro­mo­ções.

O lo­jis­ta só é obri­ga­do a tro­car pro­du­tos com de­fei­to de fa­bri­ca­ção.

Sem­pre que pos­sí­vel, use câ­me­ras de se­gu­ran­ça, alar­mes, eti­que­tas an­ti­fur­to e se­gu­ran­ças par­ti­cu­la­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.